O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Saudi Aramco
Refinaria de petróleo Ras Tanura, da Saudi Aramco | Crédito: Reuters

Petrolífera saudita bate a Apple e é a empresa mais lucrativa do mundo

Ainda que a Apple não seja hoje a empresa mais valiosa do mundo, é inegável que a cada trimestre, quando ela divulga seus resultados financeiros, nos surpreendemos como iPhones, iPads, Macs, Apple Watches e outros produtos — além, é claro, dos serviços que ela oferece hoje — podem gerar tanto dinheiro. São bilhões em lucro, uma soma de verdinhas que deixa outras empresas enormes do setor no chinelo.

Publicidade

Mas e se eu lhes disser que a Apple não foi a empresa mais lucrativa de 2018? Você arrisca dizer quem conseguiu a proeza de gerar mais bufunfa que a Maçã? Se você pensou em petróleo, acertou. Mas será que foi a PetroChina, que ficou sob o holofote ao ser reconhecida por muitos como a primeira empresa a valer US$1 trilhão? Não. A proeza veio da Arábia Saudita e leva o nome de Saudi Aramco, como informou a CNBC.

De acordo com os dados financeiros divulgados pela estatal, ela teve um lucro de US$111 bilhões em 2018, deixando a Apple bem atrás com seus US$59,5 bilhões. Para termos uma ideia do que isso representa, a Saudi Aramco lucrou mais do que JP Morgan Chase, Google/Alphabet, Facebook e Exxon Mobil… juntas (essas empresas lucraram quase US$106 bilhões em 2018)!

Em 2018 ela produziu 10,3 milhões de barris de petróleo por dia, atingindo um faturamento de incríveis US$355,9 bilhões. É a primeira vez que números da empresa são compartilhados; a Saudi Aramco começou como um empreendimento americano (uma concessão de direitos petrolíferos na Arábia Saudita), mas foi totalmente adquirida pelo governo saudita em 1980. Tais números foram compartilhados agora pois a empresa emitirá seus primeiros títulos em mercados internacionais.

Publicidade

“Eu diria que isso nos diz que a Aramco vale pelo menos US$1 trilhão”, disse Ellen Wald, presidente da Transversal Consulting e autora de “Saudi Inc.”, um livro sobre a história corporativa da Aramco.

O problema é que, como estamos falando de um empreendimento governamental (e o governo saudita é uma monarquia), as coisas são para lá de nebulosas. Quer um exemplo? A Aramco pagou US$58,2 bilhões em dividendos em 2018, mas ninguém sabe ao certo como eles são distribuídos, como apontou o 9Finance.

E com um início de ano financeiramente desanimador — as previsões não são as melhores possíveis —, é praticamente impossível vermos a Apple brigando com a Saudi Aramco para ser a empresa mais lucrativa do mundo em 2019.

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Desmontagem do iPad mini de quinta geração pela iFixit

Componentes internos do novo iPad mini foram todos modernizados mesmo, confirma iFixit

Próximo Artigo
The Dash (Bragi)

Bragi, fabricante dos fones de ouvido sem fio The Dash, deixa o mercado de hardware

Posts Relacionados