O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Foco do A13 Bionic é eficiência energética, segundo executivos da Apple

No ano passado, a Apple surpreendeu o mundo com o A12 Bionic: a CPU dos iPhones XS e XR tinha níveis de performance basicamente inéditos no mundo móvel, e chegava a superar o desempenho do iMac Pro em algumas métricas. Era de se esperar, portanto, que o seu sucessor seguisse essa linhagem de poder a todo custo, certo?

Publicidade

Bom… sim e não. O A13 Bionic (que equipa os iPhones 11 e 11 Pro) supera, sim, seu antecessor em números absolutos de performance, como provado por benchmarks preliminares dos novos aparelhos. Ainda assim, o foco da Apple na construção das novas CPUs não estava no desempenho — em vez disso, a concentração da equipe de engenharia da Maçã foi direcionada para outro aspecto crucial: a eficiência energética.

Em uma longa reportagem da WIRED centrada nos novos chips, o vice-presidente sênior de marketing global da Apple, Phil Schiller, e o chefe de engenharia de processadores, Anand Shimpi, contaram alguns detalhes no processo de criação do A13 Bionic. Segundo Shimpi, o foco no gasto de energia estava bem claro desde o início do processo — e acaba sendo benéfico, também, para a performance da CPU.

Publicamente, nós falamos muito sobre performance, mas na realidade, nossa concentração maior é na performance por watt. Nós vemos a coisa toda no ângulo da eficiência energética, e se você constrói um design eficiente, você acaba produzindo também um design de bom desempenho.

A obsessão da Apple deu resultado: segundo informações trazidas pela reportagem, o A13 Bionic é cerca de 30% mais eficiente, energeticamente falando, em relação ao seu antecessor. Alem disso, ele tem uma performance 20% superior em relação ao A12 Bionic, em todas as áreas — seja a CPU, a GPU ou a Neural Engine, responsável pela parte de aprendizado de máquina dos aparelhos.

Publicidade

O novo chip da Maçã, como já informado, é construído numa arquitetura de 7 nanômetros (assim como seu antecessor) e conta com 8,5 bilhões de transistores. São seis núcleos: quatro deles, apelidados de “Thunder” (trovão), são focados em economia de energia e realizam tarefas menos exigentes; os outros dois, chamados de “Lightning” (relâmpago), rodam a 2,66GHz e se encarregam das tarefas mais pesadas e complexas, quando necessário.

O segredo da Apple para chips mais econômicos, entretanto, vai além da divisão do trabalho entre núcleos. Os engenheiros da empresa estudam, ano após ano, a forma como os usuários utilizam seus dispositivos e como os apps e recursos interagem com a CPU/GPU, otimizando essas relações nos designs futuros. Segundo Schiller, o aprendizado de máquina é essencial para esses estudos:

O aprendizado de máquina está rodando o tempo todo, seja gerenciando sua bateria ou otimizando a performance. Não existia nada do tipo rodando dez anos atrás. Agora, ele está lá o tempo todo, fazendo coisas.

Ou seja: se o desenvolvimento dos chips continuar nesse ritmo (e o aprendizado de máquina continuar fazendo seu trabalho certinho)… bom, os próximos anos poderão reservar surpresas muito gratas na área do processamento móvel. Que ótimo, não?

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
iPhone 11 Pro Max

iPhone 11 Pro Max é homologado pela Anatel, além de seis baterias

Próximo Artigo
Unboxing do iPhone 11 Pro

Vídeo: unboxing dos iPhones 11 Pro e 11 Pro Max!

Posts Relacionados