O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

iPhones de 2020 poderão ter leitor ultrassônico de digitais da Qualcomm embutido na tela

O sensor teria uma área de atuação 17x maior que aquele incluído nos Galaxy S10/Note10
Touch ID na tela
Forbes

A cada dia, vão acumulando-se as evidências de que os iPhones de 2020 ou 21 trarão a volta triunfal do Touch ID — não, não com a volta do botão de Início, e sim com um leitor de digitais embutido na própria tela dos aparelhos e que funcionará em plena harmonia com o Face ID. Duas das fontes de rumores mais respeitadas do mundo Apple (Ming-Chi Kuo e a Bloomberg) já corroboraram essa especulação, e agora temos mais alguns detalhes sobre ela.

Publicidade

De acordo com o jornal Economic Daily News, a Apple estaria planejando reuniões com a fornecedora taiwanesa GIS, dedicada a tecnologias de touchscreens, para que ambas as empresas discutam os detalhes sobre a possível inclusão do leitor de digitais nos próximos iPhones.

A ideia, segundo a reportagem, é utilizar o novo sensor ultrassônico da Qualcomm, apresentado hoje. Ele usa a mesma tecnologia já empregada nos aparelhos Galaxy S10 e Note10 (baseada em ondas sonoras, e não em leitores ópticos), mas tem uma área muito maior: 30x20mm, cerca de 17x mais amplo que o componente presente nos últimos flagships da Samsung.

Isso ainda não seria o suficiente para entregar um iPhone com a tela inteira capaz de ler digitais, como se especulou, mas o caminho aponta para uma tecnologia do tipo. Além disso, o sensor maior permite que o aparelho seja desbloqueado por múltiplos dedos ao mesmo tempo e ainda abre caminho para que os smartphones detectem outros aspectos do corpo do usuário, como o fluxo de sangue — o que seria uma ótima adição para a plataforma de saúde da Apple.

Publicidade

O grande desafio, agora, é convencer as pessoas de que a tecnologia é segura. Como bem se sabe, os leitores de digitais dos S10/Note10 sofreram com muitos problemas de confiabilidade envolvendo películas e “digitais fantasmas”; a questão já foi corrigida, mas a ideia de que os sensores ultrassônicos representam brechas de segurança ficou em parte do público.

A reunião entre a Apple e a GIS, aparentemente, colocará a fornecedora em contato com a Qualcomm para que as duas empresas juntas desenvolvam a solução que será empregada nos próximos iPhones. Segundo a reportagem, entretanto, os planos poderão atrasar: caso o desenvolvimento da tecnologia encontre obstáculos, a sua estreia pode ficar para os smartphones da Apple de 2021, apenas. Vamos ver.

Snapdragon 865 e 765

Ainda sobre a Qualcomm, a gigante apresentou hoje o processador que deverá equipar boa parte dos flagships do mundo Android em 2020, o Snapdragon 865. Também foi anunciado o Snapdragon 765, destinado a aparelhos intermediários e com uma vantagem evidente em relação ao irmão mais velho: rádio 5G integrado.

Snapdragon 865

É isso mesmo: por algum motivo ainda não explicado, a Qualcomm colocou um modem 5G embutido somente no processador menos poderoso entre os dois anunciados hoje. O Snapdragon 865, claro, terá total capacidade de se conectar às redes — mas as fabricantes terão de usar um modem separado, o X55 (exatamente como acontece hoje, com o Snapdragon 855).

A boa notícia, por outro lado, é que 2020 será o ano em que veremos o 5G invadir o mercado, não só em aparelhos topos-de-linha mas também nos intermediários. A Qualcomm não forneceu muitos detalhes sobre os novos processadores, mas deverá fazê-lo ainda essa semana, durante sua conferência anual Snapdragon Tech Summit. Ficaremos atentos às novidades, claro.

via MacRumors, The Verge

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Oprah durante apresentação do Apple TV+

Oprah produzirá documentário sobre violência sexual na indústria da música para o Apple TV+

Próximo Artigo
Apple Festival Place, em Basingstoke, Reino Unido

Ladrões assaltam Apple Store e são presos após perseguição de helicóptero no Reino Unido

Posts Relacionados