O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Lev Parnas
Lev Parnas | Imagem: Seth Wenig/AP

FBI conseguiu desbloquear um iPhone 11 ligado ao caso de impeachment de Trump

A queda de braço entre Apple e FBI ganhou mais um novo capítulo. Antes, como informamos, a agência de inteligência americana pediu a ajuda da Apple para desbloquear os iPhones do terrorista que matou três pessoas em um ataque a uma base aeronaval em Pensacola. Segundo a Apple, ela cooperou fornecendo todos os dados solicitados, mas se recusa a criar uma backdoor (uma porta de entrada no iOS) para que FBI e outros órgãos possam ter acesso a iPhones de uma forma geral.

Publicidade

Pouco tempo depois, soubemos que o FBI teria conseguido desbloquear com sucesso um iPhone 11 Pro Max pertencente a outro caso; e como os iPhones do terrorista são bem mais antigos, muitos questionaram o pedido de ajuda da agência, alegando que, na verdade, o FBI não precisa da Apple e só está fazendo isso para ganhar a queda de braço envolvendo a discussão “criptografia de smartphones”.

Mais um iPhone desbloqueado

Agora surgiu mais uma indício de que eles realmente não precisam da Maçã para ter acesso a aparelhos em investigações: segundo informou a Bloomberg, o FBI conseguiu desbloquear também um iPhone 11 — ainda que isso tenha demorado cerca de dois meses.

O aparelho pertencia a Lev Parnas, ex-sócio de Rudy Giuliani (advogado de Donald Trump) que está envolvido no impeachment que o presidente dos EUA enfrenta. Parnas alega que agiu como negociador no esquema para coagir o presidente ucraniano a lançar uma investigação contra o filho do pré-candidato democrata à presidência dos EUA, Joe Bidden.

Publicidade

De acordo com uma carta [PDF] do Comitê de Inteligência da Câmara, tanto o iPhone quantos outros dispositivos de Parnas foram apreendidos em outubro. Eles ainda estão sob posse do FBI, mas Parnas concordou em cooperar, e sua equipe de defesa pediu permissão para obter quaisquer dados que o FBI tivesse extraído dos dispositivos a fim de compartilhar alguns deles com os investigadores da câmara.

O advogado de Parnas disse que o Departamento de Justiça tinha conseguido extrair com sucesso os dados do iPhone 11 no começo de dezembro passado, mas alegou que o órgão não entregou os documentos até o fim do ano.

O Departamento de Justiça, por sua vez, afirmou — entre outras coisas — que Parnas se recusou a fornecer a senha para seus dispositivos (algo dentro da lei), e que tal atitude exigiu que o FBI passasse quase dois meses tentando desbloquear o iPhone. O FBI ainda está tentando desbloquear outros dispositivos pertencentes a Parnas.

FBI & Cellebrite

Para ter acesso aos dados no celular, a agência teria trabalhado novamente com a Cellebrite, que esteve envolvida no ataque de San Bernardino, segundo uma matéria da Motherboard — o Comitê de Inteligência da Câmara divulgou alguns documentos em um formato usado pela Cellebrite.

O FBI precisa mesmo da Apple?

Ainda que tenha conseguido desbloquear o aparelho e ter acesso às informações (não está claro se essa tarefa demorou mesmo dois meses ou se os investigadores esperaram para divulgar tal informação), a queda de braço entre FBI e Apple continua.

https://twitter.com/realDonaldTrump/status/1217228960964038658
Estamos ajudando a Apple o tempo todo no comércio e em muitos outros problemas, mas eles se recusam a desbloquear telefones usados por assassinos, traficantes de drogas e outros elementos criminosos violentos. Eles terão que dar um passo adiante e ajudar nosso grande país, AGORA! TORNE A AMÉRICA GRANDE NOVAMENTE.

O presidente Trump, por exemplo, “exigiu” que a Maçã tome providências e facilite o trabalho investigativo, enquanto a Apple mantém sua posição de não abrir brechas propositais no iOS. Ainda assim, uma matéria recente levanta a hipótese de a Maçã ter desistido da ideia de criptografar os backups do iCloud de ponta a ponta justamente para ajudar o FBI.

Essa história está longe de terminar…

via Gizmodo

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Render da Apple Via del Corso, em Roma

Apple abrirá nova loja em Roma; Apple Arcade ganha destaque nas vitrines

Próximo Artigo
Logo da Apple

Gastos da Apple com lobbying bateram recorde em 2019

Posts Relacionados