O melhor pedaço da Maçã.

Golpe envolvendo iPhones falsificados dá prejuízo de US$1 milhão à Apple

Mais de mil aparelhos falsos foram trocados por genuínos ao longo de quatro anos
Framesira / Shutterstock.com
iPhones 11 Pro e 11 Pro Max

De tempos em tempos, falamos aqui sobre golpes sofridos pela Apple envolvendo produtos falsificados, sempre com prejuízos milionários para a Maçã. O caso mais recente do tipo não foge à regra: a empresa estima ter perdido cerca de US$1 milhão num esquema desbaratado recentemente na Suíça, como informou o SRF [Google Tradutor].

Publicidade

O golpe funcionava mais ou menos como todos os outros do tipo. Mãe e filho chineses, residentes na Suíça há décadas, recebiam cargas da China com dezenas de iPhones falsificados quase idênticos aos originais, porém não funcionais e com simulação de dano por entrada de líquidos. Os iPhones falsos tinham números IMEI genuínos, ligados a planos do AppleCare+ — provavelmente trabalho de algum agente infiltrado na linha de produção dos aparelhos.

Com a carga em mãos, o rapaz levava os iPhones a lojas da Apple para substituição. Via de regra, a Maçã não investiga danos causados por líquidos nas lojas por riscos de incêndio; no caso de aparelhos cobertos pelo AppleCare+, o dispositivo é simplesmente trocado no ato mediante o pagamento da taxa de reposição — que, na Suíça, é de 100 francos suíços (R$578). Mãe e filho, então, enviavam os iPhones verdadeiros de volta à China e recebiam uma comissão de 10 francos suíços (R$58) por aparelho.

O esquema foi realizado ao longo de quatro anos, entre 2015 e 2019, e envolveu mais de 1.000 iPhones ao longo deste período. As investigações foram iniciadas quando autoridades suíças interceptaram dois pacotes da China contendo 50 iPhones falsificados.

Publicidade

Mãe e filho foram presos e aguardam julgamento, mas dizem ser inocentes — os dois afirmam ter acreditado que os iPhones eram verdadeiros e estavam sendo enviados à Suíça por conta de dificuldades para repará-los na China. O filho, que realizou boa parte das trocas, poderá pegar até quatro anos de prisão e extradição da Suíça. As cabeças do esquema, por outro lado, ainda são desconhecidas.

Que coisa, não?

via 9to5Mac

Ver comentários do post

Compartilhe este artigo
URL compartilhável
Post Ant.

Vídeo: app alerta se você esteve próximo de alguém com COVID-19

Próx. Post

Usuários do Office 2016 para Mac perderão acesso à nuvem em outubro

Posts Relacionados