App Store muda regras para permitir streaming de jogos como o Stadia e o xCloud, mas… Também há novidades relacionadas às compras internas e outros pontos

Google Stadia

E o inferno congelou: depois de meses de pressão popular (e de várias empresas), a Apple fez algumas alterações nas Diretrizes de Revisão da App Store. As mudanças cobrem alguns pontos importantes e que causaram polêmica nos últimos meses, como a questão dos serviços de streaming de jogos ou a obrigação de serviços pagos oferecerem compras internas nos seus apps.

Publicidade

Vamos às novidades, por partes.

Streaming de jogos

A comunidade gamer entrou em revolta no mês passado quando a Apple explicou (insatisfatoriamente) o motivo de serviços de streaming de jogos, como o Google Stadia ou o futuro Microsoft xCloud, não serem permitidos no iOS/iPadOS. Pois agora, a coisa mudou: a empresa alterou as regras justamente para acomodar essas plataformas — mas ainda há alguns pontos importantes a serem considerados.

Na nova seção 3.1.2(a), a App Store passa a aceitar jogos transmitidos via streaming de servidores remotos, mas cada um dos títulos precisa necessariamente ser um aplicativo separado na App Store. Ou seja, caso o Google ou o Microsoft queiram marcar presença no iPhone/iPad, cada jogo do Stadia ou do xCloud precisará ser disponibilizado individualmente na loja — mais ou menos como já faz o GameClub, mas com a diferença que os jogos rodariam em streaming, e não localmente.

Microsoft xCloud, plataforma de streaming de jogos

Os jogos oferecidos pelas plataformas também precisam obedecer individualmente às diretrizes da App Store. Ou seja, cada atualização tem que ser aprovada pela equipe da loja; é necessário oferecer os metadados apropriados para busca e, se houver transações internas, elas precisam ser feitas pelo sistema de pagamentos da Apple (com a famigerada taxa de 30%).

Os serviços de streaming podem oferecer um app “central” com o catálogo de jogos disponíveis, incluindo uma opção de assinar o serviço via compra interna. A Apple nota que “sempre há a internet aberta e aplicativos em navegadores para alcançar todos os usuários fora da App Store” — ou seja, as plataformas poderão admitir jogadores que assinem o serviço fora da App Store e simplesmente entrem com suas contas em cada um dos jogos.

Publicidade

Resumindo tudo, Google e Microsoft (e quaisquer outras plataformas de streaming de jogos, como o Facebook) precisarão fazer algumas concessões importantes caso queiram colocar seus serviços no iOS/iPadOS. Naturalmente, não será possível — como a Epic já manifestou interesse — colocar uma “loja dentro da loja”, e todo o serviço ainda estará preso à App Store. Se as gigantes estão interessadas nesse modelo de negócios, teremos de aguardar para ver.

Compras internas

A Maçã também implementou algumas mudanças em relação à obrigatoriedade de compras internas em apps de serviços pagos. Agora, aplicativos do tipo “leitor” (ou seja, apps que oferecem apenas consumo de conteúdo, como Netflix, Kindle ou Spotify) podem oferecer a criação de contas gratuitas, além de incluir a opção de gerenciamento de contas dentro dos apps.

App de email Hey, da Basecamp

Além disso, algumas categorias específicas de aplicativos (como email, armazenamento em nuvem ou ligações VoIP) poderão oferecer serviços pagos sem necessariamente incluir essas opções como compras internas nos apps. Ou seja, um aplicativo como o HEY — aquele da intensa polêmica nos últimos meses — poderá existir simplesmente cobrando usuários na internet, e não nos sistemas de pagamento da Apple. O que permanece igual é que esses apps não poderão incluir chamadas, links ou botões direcionando o usuário a assinar o serviço fora da App Store.

Por fim, aplicativos que oferecem experiências person-to-person — como aulas remotas individuais, tutorial em algum assunto ou atendimento médico remoto — poderão oferecer métodos de pagamento dentro do app que não envolvam o sistema de pagamentos da Apple. A Maçã implementou a mudança para fortalecer profissionais e pequenos negócios afetados pela pandemia do novo Coronavírus (COVID-19), mas o benefício é apenas para transações individuais: se você oferece uma aula para mais de uma pessoa, por exemplo, precisa necessariamente usar as In-App Purchases.

App Clips

Por fim, a empresa explicou um pouco mais quais serão as regras pertinentes aos App Clips, nova ferramenta do iOS 14 a qual permite que desenvolvedores implementem “mini-apps”, bem leves e baixados instantaneamente, para a realização de operações rápidas — para que você, por exemplo, realize o pagamento e desbloqueio de um patinete elétrico na mesma hora sem precisar baixar o aplicativo da empresa em questão.

App Clips

Os App Clips (bem como quaisquer widgets, extensões e notificações) precisarão ser relacionados ao conteúdo e à funcionalidade do app “cheio” a que eles estarão ligados. Todas as funcionalidades dos App Clips precisarão estar contidas no binário do app principal e eles não poderão exibir publicidade.

Aplicativos de empréstimo

Agora, aplicativos que oferecem empréstimos financeiros precisam explicitar todos os termos do negócio de uma forma clara e evidente — elementos como datas de pagamento ou taxas anuais de juros. Essa taxa, inclusive, não poderá ser superior a 36% ao ano, e os serviços não poderão exigir um pagamento completo dos empréstimos em 60 dias ou menos.

·   •   ·

Todas as diretrizes alteradas (ou recém-publicadas) pela Maçã podem ser conferidas nessa página. O que acharam?

Taggeado:

Posts relacionados

Comentários

Carregando os comentários…