Com a atualização do iPad Air, muitos potenciais consumidores ficaram em dúvida: o novo tablet intermediário da Maçã tem o mesmo design e um processador mais novo do que o iPad Pro de 11 polegadas, que é algumas centenas de dólares (ou milhares de reais) mais caro. Seria o modelo mais recente superior ao topo-de-linha, então?

Publicidade

Bom… depende do ponto de vista. Nos próximos parágrafos, faremos um comparativo completo dos dois modelos — juntando no bolo, também, a geração anterior do iPad Air para sabermos exatamente o que mudou no novo modelo.

Design

Externamente, será muito difícil distinguir o novo iPad Air do iPad Pro menor (pelo menos de frente): ambos tem o design muito parecido, com a tela de bordas reduzidas, sem botão de início, com laterais e traseira chapadas e Smart Connector.

Todas as cores do novo iPad Air
Cores do novo iPad Air

A principal diferença, aqui, é que o Air tem apenas uma câmera traseira (contra duas e o scanner LiDAR do Pro) e mais opções e cores: ele pode vir em ouro rosa, azul-céu ou verde, além dos tradicionais prateado e cinza-espacial.

Tamanho e peso

O novo iPad Air pode ser basicamente idêntico ao iPad Pro de 11 polegadas, mas ele é um pouquinho mais leve: são 458g, contra 471g do aparelho mais caro. O peso mantém-se quase inalterado em relação ao iPad Air anterior, que tinha 456g.

Comparando as duas gerações do Air, ambas tem a mesma espessura (6,1mm); o modelo novo é 3mm mais largo e 4mm mais baixo, por conta das bordas reduzidas nas partes inferior e superior.

Processamento

Aqui é que a coisa complica. O iPad Pro tem processador A12Z Bionic, um chip lançado em março passado — mas baseado no A12X, que já tem quase dois anos de idade. O novo iPad Air, por sua vez, é o primeiro produto da Apple com chip A14 Bionic, com arquitetura de cinco nanômetros e todas as tecnologias de processamento mais recentes da empresa.

Ilustração do chip A14 Bionic

Será difícil quantificar (e comparar) a performance do novo tablet até que os primeiros benchmarks sejam publicados, mas uma coisa é certa: ainda que o A12Z continue sendo uma fera do processamento, o fato é que o A14, a longo prazo, é uma aposta muito mais longeva — e assim o status permanecerá até que a Apple atualize os iPads Pro com um suposto “A14X” ou “A14Z”, provavelmente no primeiro semestre de 2021.

Comparando o novo iPad Air com seu antecessor, o tablet lançado hoje tem processamento 40% superior e gráficos 30% mais rápidos. Além disso, ele tem um Neural Engine de 16 núcleos e 2x mais rápido, capaz de executar até 11 trilhões de operações por segundo.

Tela

Temos dois componentes bem parecidos: a tela do novo iPad Air é apenas 0,1 polegada menor em relação à do iPad Pro, e a densidade de pixels é a mesma (264 por polegada). Ambas são painéis IPS laminados, retroiluminados com LED1; os dois tablets têm tecnologia True Tone e ampla tonalidade de cores (P3).

Apenas o iPad Pro, entretanto, tem a tecnologia ProMotion, com taxa de frequência variável (de 60Hz a 120Hz) — ou seja, ainda não é nessa geração do Air que veremos aquelas animações ainda mais suaves e responsivas.

Câmeras e sensores

Aqui, o iPad Pro ainda nada de braçada. O novo iPad Air conta com apenas um sensor traseiro, de 12 megapixels — de fato, o mesmo sensor “principal” do Pro (e um bom upgrade em relação ao iPad Air anterior, que tinha câmera traseira de 8 megapixels). Ela é capaz de gravar vídeos 4K a até 60 quadros por segundo. Não temos flash, ao contrário do irmão mais caro.

O iPad Pro, entretanto, tem ainda uma lente ultra-angular de 10MP e um sensor LiDAR, para escanear o mundo ao seu redor e oferecer experiências de realidade aumentada ainda mais realistas — o novo iPad Air, por sua vez, não tem nada disso.

A câmera frontal do novo iPad Air tem 7MP, assim como seu antecessor, e ainda é capaz de gravar vídeos em 1080p. Não temos aqui o sistema TrueDepth para Face ID e Animojis/Memojis, como no iPad Pro. No lugar dele…

Touch ID

…o novo Air traz o Touch ID num local inédito para a Apple: o botão superior de liga/desliga, que agora tem uma superfície de vidro safira para ler as digitais dos usuários. O novo posicionamento pode ser um pouco menos ergonômico que o anterior, no botão de início, mas é o preço que se paga para termos uma tela com bordas menores e melhor aproveitamento de espaço.

Acessórios e conectividade

Aqui, o novo iPad Air e o iPad Pro se equiparam: ambos trazem suporte ao Apple Pencil de segunda geração e são capazes de prender/carregar o acessório na sua lateral. Também é possível usar o Magic Keyboard em qualquer um dos dois, assim como o Smart Keyboard Folio.

Os dois tablets têm uma única porta USB-C — o novo iPad Air, como já amplamente destacado, finalmente fez a transição para o novo conector. O novo tablet também traz suporte às redes Wi-Fi 6, assim como o iPad Pro (o iPad Air anterior limita-se ao Wi-Fi 5). Todos suportam o Bluetooth 5.0.

Vale notar que, assim como o iPad Pro, o novo iPad Air perdeu a saída para fones de ouvido de 3,5mm.

Som

O iPad Pro ainda é o campeão, com seus quatro alto-falantes adaptativos (que alteram a reprodução de acordo com a forma que você segura o tablet). O novo iPad Air, por sua vez, continua apenas com dois alto-falantes estéreo, como seu antecessor.

Armazenamento

Para quem precisa de muito espaço interno, o iPad Pro ainda é insuperável: ele é vendido em versões de 128GB, 256GB, 512GB e 1TB, enquanto o novo iPad Air — assim como o seu antecessor — tem apenas versões de 64GB e 256GB.

Bateria

O tamanho da bateria diminuiu no novo iPad Air em relação ao seu antecessor (28,6Wh contra 30,2Wh); ainda assim, a Apple afirma que o novo modelo dura o mesmo que o anterior em condições normais de uso — até 10 horas navegando na internet usando o Wi-Fi, assistindo a vídeos ou ouvindo música (ou 9 horas, usando conectividade celular nos modelos que a suportam).

É a mesma estimativa de longevidade do iPad Pro.

Carregador

Tivemos mudanças no carregador do iPad Air. Se antes tínhamos uma fonte de alimentação de 10W (ou 12W, a depender do local), agora ela passou para 20W, com conector USB-C — ou seja, além de um carregador mais potente, temos agora um cabo USB-C nas duas pontas em vez de um Lightning/USB-A.

Conteúdo da caixa do iPad Air

O carregador do novo iPad Air é até mesmo melhor que o do iPad Pro, o qual tem 18W. ⚡️

Preço

O preço-base do novo iPad Air é US$100 (ou R$1.900) mais caro que o seu antecessor — agora, o modelo Wi-Fi de 64GB sai por US$600 (R$7.000). Ainda assim, ele continua mais barato que o iPad Pro, que parte dos US$800 (R$10.000) pelo modelo Wi-Fi de 128GB.

·   •   ·

Com a palavra, vocês, leitores: qual o melhor negócio?

Taggeado:

Posts relacionados

Comentários

Carregando os comentários…