Depois de desmontar o Carregador MagSafe, a iFixit — como tradicionalmente faz em basicamente todos os lançamentos da Apple — foi lá e tratou de abrir os iPhones 12 e 12 Pro para nos apresentar o interior desses aparelhos.

Publicidade

Será que, por conta da chegada do suporte a redes 5G, as coisas mudaram muito? Será que o design com laterais retas fez a Apple repensar alguns componentes internos? Vale ressaltar aqui que eles abriram modelos americanos nos iPhones, que suportam mmWave — diferente dos outros, que só são compatíveis com redes sub-6GHz.

Sem mais delongas, vamos ao que interessa!

A técnica para abrir os telefones continua a mesma: calor para lidar com os adesivos e ventosas para ajudar a puxar a tela para fora.

A iFixit confirmou que alguns engenheiros estão com mais dificuldade de abrir o aparelho e que isso poderia ser explicado pela utilização de um adesivo mais forte para deixar tudo bem seguro — ainda mais levando em conta que os novos iPhones são um pouco mais resistentes à água (6 metros vs. 4 metros dos “antigos”, por até 30 minutos).

Uma curiosidade: o display agora é preso pela lateral direta; antes (do iPhone 7 até agora), era pela esquerda.

Os iPhones 12 e 12 Pro são bem parecidos por dentro — claro, respeitando as particularidades (como o maior número de câmeras no Pro, por exemplo) —, o que reforça a ideia de que as diferenças entre o modelo comum e o Pro estão menores do que antes, principalmente pelo fato de todos terem 5G e tela OLED1. A iFixit confirmou que é possível usar o display do 12 Pro no 12 (e vice-versa), ainda que a tela do modelo topo-de-linha tenha mais brilho (800 vs. 625 nits).

Os interiores dos aparelhos são tão parecidos que no lugar da câmera teleobjetiva e do scanner LiDAR (existentes apenas nos modelos Pro), temos um pedaço de plástico ocupando esse espaço nos aparelhos comuns.

A bandeja de cartão SIM, a placa lógica e a bateria mudaram de lado em relação aos iPhones mais antigos. A iFixit disse que a bandeja é bem simples de reparar e que os alto-falantes (em ambos os modelos) são presos com parafusos Phillips, facilitando a remoção.

E, ao remover os alto-falantes, eles viram que em vez de um adesivo tradicional que a Apple colocava ali, temos agora uma borracha laranja brilhante — algo comum nos aparelhos da Samsung.

Na nossa cabeça, a Apple aproveita absolutamente todo o espaço interno do aparelho para seus componentes, mas esse não parece ser o caso. Já vimos uma peça de plástico no módulo de câmera do iPhone 12, e a iFixit ousou dizer que existe também um espaço não utilizado pela Apple na parte inferior do aparelho — eles até levantaram a hipótese de caber, ali, um conector de 3,5mm, mas que provavelmente o espaço não seria suficiente para isso. 🤔

O Taptic Engine é exatamente igual nos dois aparelhos e é bem menor do que o componente encontrado nos iPhones 11 — ainda que seja um pouco mais grosso.

Embaixo da bateria existem adesivos (quatro no total) que podem ser esticados para facilitar a remoção dela — ainda que tudo seja muito pequeno. Por falar em baterias, a iFixit afirmou que elas são exatamente iguais, também, com 10,78Wh — lembrando que a bateria do iPhone 11 Pro tem 11,91Wh e a do 11 tem 11,67Wh.

A Maçã deixou de usar a bateria em “L” e a iFixit suspeita que isso tem ligação com a utilização de componentes mais “baratos” para poder baratear o custo do aparelho e compensar o custo do suporte a redes 5G.

Eis um raio-X dos aparelhos, feito pela Creative Electron — a borda preta no iPhone 12 Pro nada mais é do que a estrutura em aço inoxidável; no 12, ela é de alumínio.

A placa lógica dos iPhones também é bem simples de ser retirada, presa por três parafusos. Nela temos o chip A14 Bionic, os 4GB/6GB de RAM, os 64GB de memória flash (da Samsung), um transceptor LTE da Qualcomm, o modem 5G X55 da Qualcomm, o chip U1 da própria Apple e mais.

Aqui, uma boa olhada nos módulos de antena mmWave dos iPhones americanos — um fica na estrutura lateral enquanto que o outro, na placa lógica.

De resto, com exceção dos 18 ímãs que a Apple colocou no aparelho para que ele seja compatível com acessórios MagSafe, nada mudou. temos lá o conector Lightning, o Face ID, módulo de flash… a maioria idêntica aos utilizados nos modelos passados, exceto por algumas mudanças nos caminhos dos cabos planos.

A iFixit deu uma nota 6 no total de 10 em reparabilidade, elogiando bastante a “facilidade” em trocar o display e a bateria, além de também enaltecer que os componentes mais importantes são modulares e fáceis de acessar e trocar.

A crítica mesmo foi para o vidro traseiro que, se quebrar, exige a remoção de todos os componentes para substituir o chassi — não é à toa que, quando esse vidro quebra, a Apple não faz nenhum tipo de reparo e acaba forçando o usuário a trocar o aparelho inteiro.

Atualização 27/10/2020 às 22:48

Eis o vídeo com todo o processo de desmontagem do iPhone 12 Pro:

Taggeado:

Posts relacionados

Comentários

Carregando os comentários…