O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Câmera do iPhone 12 Pro
Unsplash

Executivos da Apple discutem a filosofia de câmera dos iPhones

Tudo tem a ver com a integração dos elementos

Como não poderia deixar de ser, cada ano traz novidades (mais ou menos) significativas para o sistema de câmeras dos iPhones. Mas, para além dos avanços tecnológicos no hardware e no software, o que rege essas evoluções? É exatamente isso que dois executivos da Maçã, Francesca Sweet (gerente de marketing do iPhone) e John McCormack (vice-presidente de engenharia de software de câmera) tentaram responder.

Publicidade

Em uma entrevista ao PetaPixel, os dois deixaram uma coisa bem evidente desde o princípio: a raiz filosófica da Apple, quando se trata de câmera, é deixar que os usuários “vivam suas vidas e capturem fotos sem a distração da tecnologia”. McCormack afirmou, com razão, que nem todos são — e nem querem ser — fotógrafos:

Como fotógrafos, nós tendemos a pensar muito em coisas como ISO, movimentação do objeto, etc. A Apple quer tirar todos esses elementos da equação e permitir que as pessoas mergulhem no momento, tirem uma boa foto e voltem a fazer o que estão fazendo.

O executivo explicou que, no geral, o objetivo da Maçã é fazer com que o software realize — instantaneamente — boa parte dos ajustes que um fotógrafo profissional realizaria posteriormente, numa suíte de edição.

A fotografia computacional ajuda bastante nesse aspecto, e recursos como o Deep Fusion, o HDR Inteligente e o Modo Noite permitem que configurações como exposição, contraste, detalhes, sombras e destaques sejam precisamente ajustados por debaixo dos panos, sem nenhuma intervenção do usuário.

Citando especificamente o HDR Inteligente 3, McCormack explicou como a tecnologia traz um benefício prático para os consumidores em duas situações específicas: fotografias a céu aberto e dentro de bares e restaurantes.

O céu é notoriamente difícil de se capturar corretamente, e o HDR Inteligente 3 nos permite “separar” o céu e tratá-lo de uma forma independente, para somente depois juntá-lo ao restante da cena e recriar de forma mais fiel o que seria estar lá naquele momento. […] Sobre restaurantes, toda a luz ambiente natural é difícil para um fotógrafo. Luzes mistas, fracas, bagunçam a cor. Nós entendemos qual a aparência da comida, e podemos otimizar as cores e a saturação de acordo com isso de forma mais fiel.

Os executivos falaram também sobre o formato ProRAW, que fez sua estreia nos iPhones 12 Pro. Segundo McCormack, o recurso é uma forma de oferecer toda a inteligência do sistema de câmeras da Apple sem tirar das mãos do usuário o poder da edição — preservando, nos ajustes, seu alcance tonal e outras informações importantes da captura.

Publicidade

No fim das contas, segundo o executivo, o principal fator de sucesso das câmeras dos iPhones não são os elementos de hardware ou software separadamente, e sim a integração entre tudo isso:

Nós não costumamos pensar num eixo único, tipo, “se nós fizermos isso no hardware algo mágico vai acontecer”. Como nós projetamos tudo, desde a lente até os gráficos e o processador, conseguimos muito mais espaços onde podemos inovar.

Faz sentido.

via AppleInsider

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Playlists Hits virais no Apple Music

Apple Music ganha 10 playlists para apelar ao público do TikTok

Próximo Artigo
Todas as cores do iPhone 12 Pro Max de lado, inclinados

Quantos dias é preciso trabalhar para comprar um iPhone 12 Pro? [atualizado]

Posts Relacionados