O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Análise do A14 Bionic traz ótimos prospectos para o chip M1

A Apple tem avançado na área muito mais rápido que suas concorrentes
A14 Bionic

O assunto da semana no mundo tecnológico, compreensivelmente, é o chip M1, que equipa os novos MacBooks Air/Pro e o Mac mini. Já fizemos comparativos completos de geração entre as duas máquinas, entre suas gerações (Air, Pro, mini), já analisamos o que o M1 representa para o futuro dos Macs, e agora falaremos do… A14 Bionic?

Publicidade

Explico: ontem, o site AnandTech publicou mais uma das suas tradicionais análises aprofundadas — desta vez, focando-se no processador que equipa os iPhones 12 e o iPad Air de quarta geração. E, como era de se esperar, as comparações traçadas com o M1 são constantes: ainda que estejamos falando de chips diferentes que equipam dispositivos muito distintos, a análise do A14 já nos dá uma boa ideia do poder que a Apple está conseguindo obter com seus processadores próprios, colorindo um pouco mais o cenário (ainda um tanto incerto) que vislumbramos para os próximos anos.

Mais precisamente, o analista Andrei Frumusanu debruçou-se sobre as promessas feitas pela Apple no evento de ontem, de que o chip M1 traria performance (muito) superior à de processadores equivalentes da Intel gastando (muito) menos energia. A análise deixa claro que é muito difícil comprovar esses pontos sem fazer testes com as novas máquinas, mas analisando a curva de evolução dos chips da série A, a possibilidade de a coisa toda ser real é muito plausível.

Para isso, podemos analisar o gráfico abaixo, que mostra o pico de performance de processadores recentes (da Apple e da Intel) de acordo com o seu período de lançamento. Vejam que o chip A14 supera, como já comentamos aqui, o Core i9-10900K, um dos mais poderosos processadores móveis disponíveis atualmente no catálogo da Intel — e imaginem que o M1 deverá se posicionar um pouco acima do A14 em termos de performance bruta.

Gráfico da AnandTech comparando chips Intel com os da Apple

Mais do que isso: a reportagem classificou os resultados do A14 como “acachapantes”, notando que, ao longo dos últimos cinco anos, a performance média (single-thread) dos processadores da Intel cresceu em torno de 28%, enquanto os processadores da Apple tiveram um salto de 198% no mesmo período. Isso comprova não apenas a evolução a passos largos da Maçã na área, mas também o momento de crise da Intel (que foi uma das razões para o início do projeto Apple Silicon, aparentemente).

O site criticou a forma que a Apple apresentou a comparação de performance do M1 com os chips Intel, mas afirmou que os gráficos ao menos fazem sentido — afinal, a Maçã escolheu os 10W como ponto de comparação entre os processadores, que é justamente o TDP (Thermal Design Power) dos MacBooks Air.

Publicidade

Em termos de poderio gráfico, por outro lado, continuaremos com um ponto de interrogação nas nossas cabeças: de acordo com Frumusanu, as comparações feitas pela Apple no evento não têm contexto ou base de comparação divulgada, então não é possível traçar grandes paralelos no momento por conta de todas as variáveis envolvidas. Essa será uma questão interessante de se acompanhar, especialmente considerando que — ao que tudo indica — os Macs com chips próprios não trarão suporte a eGPUs, ao menos inicialmente.

No fim das contas, fica claro que, por mais que ainda não possamos medir o poder do chip M1, o futuro do Apple Silicon é extremamente promissor. A análise conclui afirmando que a Intel ficou estagnada a ponto de sair da competição e que a grande concorrente da Apple nos próximos anos será a AMD — esta última, entretanto, terá de trabalhar duro para competir com a Maçã em termos de eficiência energética.

Para quem quiser ler todos os detalhes, números, explicações técnicas e considerações mais aprofundadas do AnandTech, basta conferir esse link.

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
AirPods Pro

Carregamento otimizado está disponível apenas nos AirPods Pro

Próximo Artigo
GrayKey da Grayshift

União Europeia treinou agências para desbloquear iPhones

Posts Relacionados