O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Bandeiras da União Europeia

Novas regras da União Europeia poderão quebrar Apple e outras gigantes

As propostas serão votadas pelos países do bloco nos próximos meses

Não é de hoje que, entre as grandes potências do mundo, a União Europeia é a que está mais avançada nas suas investigações contra as suspeitas de monopólio das Big Tech — ou, mais precisamente, as cinco gigantes tecnológicas dos Estados Unidos: Apple, Amazon, Google, Facebook e (em menor escala) Microsoft.

Publicidade

Pois hoje, após meses de deliberação, a Comissão Europeia publicou os rascunhos iniciais de duas regulamentações direcionadas justamente às gigantes tecnológicas — e que, se colocadas em prática sem alterações, representarão uma das maiores mudanças de paradigma na forma como essas empresas precisam operar no bloco econômico do Velho Mundo.

No caso da Apple, especificamente, a regulamentação mais importante é o chamado Digital Markets Act (Ato Legislativo sobre os Mercados Digitais). Pela proposta, lojas digitais e/ou de aplicativos, como a App Store, não poderão favorecer produtos da própria empresa que mantém o espaço — a Maçã seria proibida, portanto, de colocar seus próprios apps no topo das buscas da loja ou recomendar a instalação dos seus aplicativos no processo de configuração de iPhones ou iPads.

Além disso, a proposta também obriga que os apps pré-instalados de dispositivos eletrônicos possam ser completamente desinstalados e trocados por alternativas de terceiros. Em outras palavras, se aprovada sem alterações, a lei tornará possível que um usuário europeu desinstale o Safari em seu iPhone e use apenas o Chrome, o Firefox, ou qualquer outro navegador no dispositivo.

Publicidade

Por fim, pela (possível) legislação, as gigantes serão obrigadas a compartilhar métricas de uso e performance dos seus próprios aplicativos com publicações e anunciantes, para criar um ambiente, na visão dos legisladores, mais favorável à concorrência e ao surgimento de novas ideias.

A segunda proposta de legislação, o Digital Services Act (Ato Legislativo sobre os Serviços Digitais), é mais focada em gigantes que reúnem grandes quantidades de dados dos usuários, como o Google ou o Facebook. Aqui, o foco é tornar mais simples e menos burocrático o processo de remoção de conteúdo ilegal ou danoso — isto é, na ocasião de uma decisão judicial, a empresa teria de agir mais rapidamente para remover o conteúdo em questão e notificar os usuários envolvidos, quando necessário.

A ideia, com as propostas, é tornar efetivo o combate ao monopólio das gigantes tecnológicas — por isso, empresas que descumpram repetidamente as (possíveis) novas regras serão sujeitas a sanções mais sérias do que multas: se uma das gigantes sair da linha mais do que três vezes em um período de cinco anos, a Comissão Europeia poderá tomar medidas para “separar estruturalmente” a companhia — isto é, “quebrá-la” em empresas menores no território europeu.

Publicidade

Obviamente, ainda teremos de aguardar para saber como essas propostas serão votadas pelos países que fazem parte da União Europeia. De qualquer forma, o passo inicial está dado.

dica do Luciano D. Avila, via Ars Technica

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Firefox

Firefox 84 está preparado para Macs com chips da Apple

Próximo Artigo
macOS Big Sur 11.1 rodando app do iOS em tela cheia

macOS Big Sur 11.1 permite rodar apps do iOS em tela cheia

Posts Relacionados