O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Logo da Apple com bandeira da China

Ativistas pedem que Apple respeite direitos humanos na Ásia

Os casos de Hong Kong e do povo uigure são citados especificamente na carta

A Apple vangloria-se de ser uma empresa preocupada com causas sociais e os direitos humanos em todas as áreas onde atua, mas com uma operação tão gigantesca e conexões basicamente no mundo todo, é claro que há pontas soltas aqui e ali que transformam-se, digamos, em verdades inconvenientes para a empresa.

Publicidade

Hoje, um grupo de ativistas publicou uma carta direcionada à Maçã [PDF] justamente centrando-se nesse tema.

A carta foi assinada por 154 grupos de direitos humanos, incluindo associações que representam os povos chineses, tibetanos, figures, mongóis do sul, honcongueses e taiwaneses. Os grupos acusam a Apple de, nesses locais, “falhar continuamente na sua missão de proteger a liberdade de informação e expressão”, mesmo com a nova política da empresa comprometendo-se com os direitos humanos em todo o mundo.

Mais precisamente, os grupos pedem que a Apple cumpra suas palavras e abandone uma suposta colaboração com o governo chinês, citando três casos: os campos de trabalho forçado do povo uigure, no oeste da China, os casos de repressão da liberdade de expressão de ativistas em Hong Kong e uma falha generalizada ao (não) detalhar os mecanismos e estratégias específicos para efetivar a política de direitos humanos da empresa.

Publicidade

A Apple simplesmente não pode continuar repetindo a retórica ultrapassada de que o engajamento é o caminho para melhorar os direitos humanos na China e nas regiões controladas pelo governo chinês, e também não pode dizer que suas mãos estão atadas pela lei do país. A Apple não pode abandonar os usuários vivendo sob esses regimes autoritários. Fazer isso coloca a política da Apple, para milhões de usuários do iOS, como nada mais do que palavras em um papel — milhões de usuários que vivem na China e constituem quase um terço da base consumidora da empresa.

A carta finaliza pedindo ações concretas por parte da empresa para que a segurança e o acesso livre à informação e à liberdade de expressão dos seus usuários nessas localidade seja garantido.

A Apple, por ora, não respondeu aos pedidos — mas acompanharemos a situação.

via AppleInsider

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Star Wars: KOTOR II para iOS e Android

Clássico RPG Star Wars: KOTOR II chega ao iOS e ao Android

Próximo Artigo
App Buscar (Find My)

Apple lança guia para proteção de dados de pessoas ameaçadas

Posts Relacionados