O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Fábrica da Foxconn
USA Today

Apple levou anos para cortar parceira que usava trabalho infantil, mostra reportagem

A “tolerância zero” pode não ser tão “zero” assim

Recentemente, falamos aqui de um caso nada agradável em que uma fornecedora da Apple, a Lens Technology, foi acusada de usar trabalho forçado da população uigure em algumas das suas instalações na China. Da sua parte, a Apple afirmou não ter apurado quaisquer indícios de violações trabalhistas nas operações da parceira, e reforçou que mantém “tolerância zero” com fornecedoras que saem da linha.

Publicidade

Mas o quão “zero” é esse zero?

Uma reportagem recente do The Information mostrou que, em alguns casos, o “zero” pode ser de até três anos. A matéria citou algumas situações de fornecedoras da Maçã pegas aproveitando-se de aberrações como trabalho infantil, mostrando como, em alguns casos, a Apple demorou a agir nas sanções contra essas empresas.

O caso emblemático, aqui, é o da Suyin Electronics: em 2013, de acordo com a reportagem, a Apple descobriu dois jovens de 15 anos trabalhando na linha de produção da fornecedora, que produzia vários tipos de portas e conexões para os MacBooks. A Maçã afirmou que não assinaria novos contratos com a parceira até que a questão fosse resolvida, mas meses depois, fez uma nova auditoria na empresa e descobriu ainda mais trabalhadores menores de idade — incluindo um de 14 anos.

Publicidade

Com a reincidência, a Apple cortou laços definitivamente com a Suyin, proibindo a assinatura de novos contratos com a fornecedora. Ainda assim, a parceira passou mais de três anos ainda montando peças para a Maçã, como portas USB e HDMI, por conta de contratos anteriores.

Outro caso importante é o da Biel Crystal, fabricante de vidros para smartphones que — também em 2013 — foi acusada de condições desumanas de trabalho e violações de segurança por grupos de direitos humanos. Em investigação interna, a Apple comprovou essas acusações e deu um prazo de 90 dias para que a parceira resolvesse a situação; mais de um ano depois, entretanto, várias das exigências listadas pela Maçã ainda não tinham sido atendidas, e os negócios continuaram normalmente.

A gota d’água veio mais de um ano depois, quando a Biel Crystal afirmou que os investimentos exigidos pela Apple não seriam vantajosos pela empresa. Só então a Maçã cortou laços com a fornecedora — e passou a trabalhar com a Lens, que agora está sendo acusada de trabalho forçado.

Publicidade

Os casos acima são apenas exemplos — até mesmo pessoas que já trabalharam na Apple afirmaram que essas práticas, de arrastar até o último instante a relação com parceiras faltosas, são comuns.

Como afirmou a reportagem:

Em entrevistas, dez ex-membros da equipe de responsabilidade de fornecedores da Apple — a divisão encarregada de monitorar fornecedoras para violações trabalhistas, ambientais e de segurança — afirmaram que a Apple evitou ou atrasou o corte de relações com empresas faltosas caso isso fosse prejudicar seus negócios. Por exemplo, os entrevistados afirmaram que a Apple continuou trabalhando com alguns parceiros que se recusaram a implementar sugestões de segurança ou violaram repetidamente leis trabalhistas.

Obviamente, apesar de o foco da reportagem ser na Apple, é de se imaginar que a Maçã não esteja sozinha nessas práticas, digamos, desconfortáveis. Afinal de contas, esse é o modus operandi das gigantes tecnológicas — empresas que, para agradar a investidores e consumidores, precisam estar sempre na crista da onda, trazer os últimos avanços, evitar escassez de estoques e apresentar resultados financeiros cada vez maiores. Às vezes, mesmo que isso signifique fazer uma vista grossa quanto a certos desrespeitos básicos à dignidade humana.

Ainda assim, sendo a Apple tão preocupada em passar uma imagem limpinha e “do bem” aos seus consumidores, seria interessante ver a empresa tomar algum tipo de atitude diferente, mais contundente para coibir esses tipos de violações. Quem sabe neste novo ano…

via 9to5Mac

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Navegador Brave

Navegador Brave já está adaptado para Macs com chip M1

Próximo Artigo
Homem jogando em iPhone

5 jogos rápidos para curar seu tédio

Posts Relacionados