Apple ainda oferece suporte para Macs com telas manchadas Agora, contudo — ao menos nos EUA —, os reparos são realizados pelo correio

MacBook Pro com a tela manchada

Lá em 2015 — como passa rápido! —, a Apple finalmente reconheceu um problema antigo (conhecido como #staingate) que afetava donos de MacBooks [Pro] e resolveu estender a garantia desses máquinas com telas manchadas; em 2017, ela estendeu novamente esse prazo; já no fim de 2019, a Maçã parou de oferecer suporte a MacBooks [Pro] mais antigos (2013 e 2014), deixando apenas os modelos mais recentes (2015, 2016 e 2017) dentro do programa. Hoje, temos mais informações sobre isso.

Publicidade

Como informou o MacRumors — que obteve acesso a um memorando interno da Apple —, a empresa informou à sua rede de assistências técnicas que o reparo desses Macs com tela manchada agora precisa ser feito por correio.

A nova política entrou em vigor no dia 4 de janeiro. Na prática, quem levar esses Macs danificados a um Centro de Serviço Autorizado Apple terá que esperar mais tempo pelo reparo, já que essas máquinas, agora, serão enviadas por correio a um depósito centralizado da Maçã para que o display seja trocado.

Aos interessados, eis os modelos de Macs que ainda fazem parte do programa, que é válido até quatro anos após a data de compra original da máquina:

Publicidade
  • MacBook (12 polegadas, início de 2015)
  • MacBook (12 polegadas, início de 2016)
  • MacBook (12 polegadas, início de 2017)
  • MacBook Pro (13 polegadas, início de 2015)
  • MacBook Pro (15 polegadas, meados de 2015)
  • MacBook Pro (13 polegadas, 2016)
  • MacBook Pro (15 polegadas, 2016)
  • MacBook Pro (13 polegadas, 2017)
  • MacBook Pro (15 polegadas, 2017)

O MacRumors deixou claro não saber informar se tal política é válida para outros países além dos Estados Unidos. Ainda que tal prática não tenha sido aplicada em países como Brasil e Portugal, é de se esperar que o suporte a essas máquinas afetadas — mesmo com o reparo não acontecendo por correio — ainda esteja valendo também fora dos EUA.

Nós, é claro, acompanharemos esse caso.

Posts relacionados

Comentários