O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

App Store
Foto de James Yarema no Unsplash

Apple remove app falso que rendia US$200 mil por mês

Mas os problemas estão longe de acabar

De tempos em tempos, ficamos sabendo de uma nova história envolvendo golpistas e aplicativos falsos na App Store que rendem um bocado de dinheiro aos seus criadores. O caso de hoje, entretanto, é ainda mais revoltante — não só por afetar um app original, legítimo, mas também porque os responsáveis pelo golpe ainda estão faturando altas cifras com a loja.

Publicidade

A história foi revelada por Kosta Eleftheriou, desenvolvedor do aplicativo FlickType — um teclado especial para Apple Watch que utiliza os poderes do corretor automático para oferecer uma experiência de digitação precisa na “minúscula” tela do relógio. Eleftheriou denunciou, no Twitter, a existência de vários clones do FlickType disponíveis na App Store.


Ícone do app FlickType - Watch Keyboard
FlickType - Watch Keyboard de Kpaw, LLC
Compatível com iPadsCompatível com iPhonesCompatível com Apple Watches
Versão 2021.12 (88.9 MB)
Requer o iOS 13.0 ou superior
GrátisBadge - Baixar na App Store Código QR Código QR
Screenshot do app FlickType - Watch KeyboardScreenshot do app FlickType - Watch KeyboardScreenshot do app FlickType - Watch KeyboardScreenshot do app FlickType - Watch KeyboardScreenshot do app FlickType - Watch KeyboardScreenshot do app FlickType - Watch KeyboardScreenshot do app FlickType - Watch KeyboardScreenshot do app FlickType - Watch KeyboardScreenshot do app FlickType - Watch KeyboardScreenshot do app FlickType - Watch Keyboard

As cópias todas operam mais ou menos da mesma forma, oferecendo recursos semelhantes ao do FlickType — para funcionar, entretanto, é necessário fazer uma assinatura para continuar utilizando seus recursos… e, em todos os casos, essas assinaturas são exorbitantemente caras. Pior: após fazer a transação, usuários se deparam com funcionalidades medíocres, copiadas sem a qualidade do FlickType original. Muitos, por não conhecerem bem a plataforma da Apple, sequer pedem o reembolso da assinatura — nós ensinamos aqui como fazer.

Um dos exemplos trazidos por Eleftheriou é o da ReadIQ, desenvolvedora que publicou um dos apps em questão — o chamado KeyWatch. Após as denúncias, o aplicativo foi removido da App Store, mas antes disso ele rendeu US$300 mil à desenvolvedora em apenas um mês.

Pior ainda: mesmo após a remoção do KeyWatch, a ReadIQ não foi banida da App Store e continua enganando usuários incautos. Um dos seus outros apps, o GPS Speedometer, continua disponível na loja, cobrando assinaturas de absurdos US$416 anuais e rendendo cerca de US$200 mil por mês. No total, a ReadIQ faturou mais de US$500 mil apenas em janeiro passado.

Publicidade

Nos tweets seguintes, Eleftheriou mostrou também vários reviews positivos idênticos, publicados nas páginas dos apps golpistas. Pelo visto, a Apple tem muito trabalho a fazer no sistema de reviews da App Store — aliás, o próprio desenvolvedor clamou para que a Maçã tome alguma providência:

Apple, por favor, faça melhor do que isso. Limpe essa bagunça. Proteja os usuários. E permita que eu, enquanto desenvolvedor, sinta que posso apostar em mim mesmo de novo. Eu sei que muitos outros desenvolvedores compartilham deste sentimento.

E Apple, por favor diga alguma coisa. Reconheça o problema. Diga que você está trabalhando nele. Ninguém espera a perfeição, mas por favor não fique calada perante esses golpes incessantes.

Enquanto a Apple não faz a sua obrigação, cabe a nós, usuários, fazermos a nossa parte: sempre pesquisar antes de dar dinheiro a um determinado app, fugir de assinaturas estranhamente caras e pesquise a reputação de um desenvolvedor na hora de dar uma chance a ele. Já é uma boa ajuda.

via TechCrunch

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Sarayu Blue

Apple TV+: Sarayu Blue entra pro elenco de "The Shrink Next Door"

Próximo Artigo
Apple TV de 3ª geração

App do YouTube deixará de funcionar em Apple TVs de 3ª geração [atualizado: foi-se]

Posts Relacionados