O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Passaporte de vacinação/saúde
Shutterstock.com

COVID-19: Apple e Google não farão “passaporte de vacina”, segundo OMS

A Comissão Europeia levantou a possibilidade, mas voltou atrás

Com boa parte do mundo (não o Brasil, lamentavelmente) avançando num ritmo razoável a vacinação da sua população contra o novo Coronavírus (COVID-19), começam as discussões de como nos adaptaremos a esse “novo normal”, no qual uma parcela — cada vez maior — da sociedade já estará devidamente imunizada e outra não.

Publicidade

Uma das propostas de várias autoridades de saúde ao redor do mundo é criar uma espécie de “passaporte de vacina digital” — isto é, um documento eletrônico no qual as pessoas já vacinadas poderão comprovar a imunização e, com isso, passar por barreiras sanitárias, viajar normalmente (na medida do possível) ou se livrar de alguns procedimentos mais banais (como medição de temperatura, por exemplo).

Pois recentemente, a Comissão Europeia ventilou a possibilidade de a Apple e o Google se encarregarem de construir esse passaporte de vacinação, da mesma forma como as duas empresas se uniram para criar a API de alerta de exposição ao vírus. A instituição era contrária ao prospecto, afirmando que cabe aos países — ou à União Europeia, no caso deles — construir uma solução do tipo.

Pois a CE já pode respirar aliviada: segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), não há nenhuma negociação para que a Apple e o Google fiquem responsáveis pelos passaportes de vacinação. De acordo com a Bloomberg:

Publicidade

A Comissão Europeia voltou atrás em declarações de que a Apple estaria negociando com a OMS o desenvolvimento de passaportes de vacinação — um argumento que a presidente da associação, Ursula von der Leyen, usou para encorajar governos a criar suas próprias soluções para o problema. Depois de uma reunião de cinco horas com os 27 líderes da União Europeia, na última quinta-feira (25/2), von der Leyen disse aos repórteres que era importante “haver uma solução Europeia” para criar certificados que permitam a reabertura dos países, porque “o Google e a Apple já estariam oferecendo soluções à OMS”.

Apesar da negativa, ainda é possível que algumas das soluções propostas venham de empresas privadas: segundo a Bloomberg, engenheiros de algumas companhias (das áreas de tecnologia e saúde) estão em contato com a OMS, mas a Apple não está entre elas.

Ou seja: se algum dia tivermos de fato um passaporte de vacinação, ele não virá de Cupertino — nem, pelo visto, de Mountain View.

via Cult of Mac

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Nova área "Por trás das músicas", do Apple Music

Apple Music ganha nova seção "Por trás das músicas"

Próximo Artigo
Austin Butler e Callum Turner

Apple TV+: sequência de "Band of Brothers" define protagonistas

Posts Relacionados