O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Command Browser é um navegador à parte que soma estética e utilidade

Com a possibilidade de definição do navegador padrão para os sistemas operacionais móveis da Apple trazida pelo iOS 14 e pelo iPadOS 14, muitos browsers passaram a ganhar mais destaque ao longo do último ano.

Publicidade

Entre os recém-lançados está o Command Browser, um navegador desenvolvido pela RoBhat Labs ainda pouco conhecido que propõe (e entrega) uma navegação focada, produtiva, elegante e privada para iOS, iPadOS e macOS.


Ícone do app Command Browser
Command Browser de RoBhat Labs
Compatível com iPadsCompatível com iPhonesCompatível com o iMessage
Versão 3.0.3 (50.3 MB)
Requer o iOS 13.0 ou superior
GrátisBadge - Baixar na App Store Código QR Código QR
Screenshot do app Command BrowserScreenshot do app Command BrowserScreenshot do app Command BrowserScreenshot do app Command BrowserScreenshot do app Command BrowserScreenshot do app Command Browser

A rigor, o Command Browser traz um agrupamento de recursos essenciais que não tentam reinventar a roda. No app você vai encontrar a pesquisa integrada à barra de endereços, busca de palavras na aba, aba anônima protegida por biometria e até mesmo controles para o tamanho da fonte. No quesito foco, além do bloqueador de anúncios padrão, o navegador não suporta notificações para evitar qualquer interrupção de leitura durante a navegação.

No entanto, o destaque do aplicativo brilha mesmo em três funções dedicadas a uma experiência de navegação completamente fluída, somadas a uma bela e organizada interface. São os Spaces, Saves e Highlights — todas cujos dados são sincronizados via iCloud para uma experiência integrada entre aparelhos, de forma anônima e sem qualquer processo realizado em servidores terceiros em respeito à privacidade do usuário.

  • Spaces são painéis (dashboards) que agrupam abas específicas de uma forma categorizada pelo usuário, como por exemplo: home, notícias, entretenimento, etc. Esses “espaços” facilitam a navegação entre diversas abas de um mesmo tema ou organização e também agilizam a alternância entre os conjuntos de abas que o usuário pode criar sem nenhuma necessidade de deixar incontáveis abas abertas em uma mesma tela.
  • Saves consistem em um agrupamento de pastas para o armazenamento (marcação) de páginas específicas. A implementação de um recurso para bookmarking aqui é bastante interessante porque não consiste em uma barra com pequenos links de nomes personalizados e favicons, mas sim em uma seleção drop-down que, além de exibir os links num formato agradável, ainda pode ser compartilhada como um arquivo CMD, possibilitando que o receptor da pasta possa executar o comando (daí o nome do navegador) de abrir os links compartilhados através de um script funcional.
  • Highlights são marcações de texto com cores personalizadas — entre as opções pré-definidas — que ficam armazenadas numa seção dedicada no app, além de serem exibidas com os Saves na aba em branco padrão do Command. O mais interessante deste recurso é que essas marcações podem ser integradas ao Notion, ao Readwise e ao RemNote, utilitários para a gestão de textos e notas.

Em depoimento ao MacMagazine, o desenvolvedor Ash Bhat comentou que o suporte em português chegará em breve, mas que no momento o foco do desenvolvimento está lançado sobre uma “grande funcionalidade” voltada à colaboração a ser implementada em uma das próximas atualizações.

O Command Browser é uma excelente alternativa para quem aprecia uma interface simples, moderna e utilitária inspirada a partir da linguagem de design do iOS. O aplicativo pode ser baixado para iPhone, iPad e Mac (requer o processador M1) e testado gratuitamente por 14 dias, mas conta com uma compra única e vitalícia de R$40 durante o período de testes. Ao fim desse prazo, a opção de compra se mantém única e vitalícia, com um acréscimo no valor que o eleva para R$55.

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Toyota

Presidente da Toyota celebra "Apple Car", mas faz advertência à Maçã

Próximo Artigo
MacBook Air com chip M1

Nova vulnerabilidade atinge chips da Apple, Intel, Samsung e AMD

Posts Relacionados