O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Diversidade na Apple

Apple relata bons ganhos de diversidade na sua força de trabalho

O caminho ainda é longo, mas os passos estão sendo dados

De dois em dois anos, a Apple libera seus já tradicionais relatórios de diversidade, que têm como objetivo mostrar os avanços (ou não) da empresa na contratação de minorias e grupos sub-representados. Pois em 2021, a empresa foi além: foi posta no ar hoje uma nova página, intitulada “Inclusion and Diversity” (“Inclusão e Diversidade”), que destaca os principais dados dos últimos tempos em infográficos dinâmicos e fáceis de entender.

Publicidade

Alguns dos dados destacados pela Maçã são bem positivos. Por exemplo, o número de empregados advindos de comunidades sub-representadas cresceu 64% entre 2014 e 2020 e tem, hoje, mais de 18 mil pessoas — quase metade da força de trabalho da empresa nos Estados Unidos. A Apple define comunidades sub-representadas como “grupos cuja representação na indústria tecnológica é historicamente baixa”: mulheres, pessoas negras, hispânicas/latinas, multirraciais e indígenas.

No país-natal da companhia, aliás, o número de empregados negros cresceu 50% nos últimos seis anos e o crescimento foi de 60% considerando apenas cargos de liderança. Analisando os funcionários hispânicos e latinos, o crescimento foi de mais de 80% (ou 90% nos cargos de liderança).

As mulheres também ocuparam mais espaços em Cupertino e nos postos da Apple ao redor do mundo: globalmente, o número de funcionárias da Maçã cresceu 70%, e 85% nos cargos mais altos.

Publicidade

A Maçã incluiu na página também um infográfico interativo bem interessante, dispondo a distribuição da sua força de trabalho em gênero e etnia/raça ao longo dos anos — é possível, inclusive, filtrar os números por categoria dentro da empresa, como liderança, varejo e tecnologia.

Relatório de diversidade da Apple

Aqui, nota-se que ainda há muito a caminhar: apenas 34% dos cargos da empresa são ocupados por mulheres (eram 30% em 2014), e apenas 4% dos cargos nos EUA são ocupados por pessoas negras (eram 3% em 2014) — os dados de etnia/raça estão disponíveis apenas entre os funcionários dos EUA, vale notar.

A página da Apple inclui ainda várias histórias de empregados pertencentes a minorias, bem como reforços de seus vários compromissos relacionados à igualdade e representatividade — a empresa tem o comprometimento, por exemplo, de equiparar salários entre gêneros e etnias/raças e de treinar lideranças em práticas inclusivas de contratação.

Publicidade

Vale a pena dar uma olhada em tudo — e ficar na torcida para que o cenário continue melhorando. 🙂

via MacRumors

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Tim Cook

Apple teria enganado leakers sobre evento em março (ou não)

Próximo Artigo
Campanha da Intel com Justin Long comparando Mac e PC

Intel reforça ataque à Apple com site que compara Macs e PCs

Posts Relacionados