O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Primakov / Shutterstock.com
Ícone do Safari em iPhone (close-up)

Crackers exploram sites comprometidos para invadir iPhones

A equipe de segurança do Project Zero, do Google, detalhou recentemente o que eles chamaram de um “ataque altamente sofisticado”, no qual um grupo de crackers se aproveitou de 11 vulnerabilidades zero-day e uma série de sites comprometidos para invadir iPhones, PCs com Windows e Androids.

Publicidade

Segundo as informações, os ataques começaram em fevereiro de 2020 e continuaram por pelo menos oito meses — e abrangeram uma complexidade de fatores, incluindo uma ampla gama de técnicas, tipos de vulnerabilidades e vetores de ataques.

Mais especificamente, quatro vulnerabilidades foram direcionadas para dispositivos Android e PCs com Windows rodando o Chrome — já as outras sete vulnerabilidades afetaram iPhones e iPads rodando o Safari.

De acordo com os pesquisadores, os sites foram usados como veículos para invadir os dispositivos de forma bastante inteligente. Os efeitos desses ataques ainda são desconhecidos, mas um deles é o acesso ao kernel (núcleo) do sistema operacional, podendo fornecer aos invasores privilégios sobre dados e atividades dos dispositivos.

Publicidade

Além de descobrir e explorar as vulnerabilidades, o invasores foram capazes de implantar novos ataques rapidamente após a aplicação de patches (atualizações) de segurança. Essa flexibilidade ressalta não só a quantidade de vulnerabilidades disponíveis, mas também o nível de habilidade dos crackers, segundo a equipe do Google.

Isso significa que, mesmo se você estiver executando a versão mais recente do navegador (Chrome ou Safari) e do sistema operacional (iOS, Windows ou Android), ainda estaria suscetível aos ataques caso acessasse um site comprometido.

Por conta disso, além de se preocupar em sempre manter suas máquinas/dispositivos atualizados, também é preciso tomar cuidado para não abrir sites cuja segurança é desconhecida — em muitos casos, o próprio Safari e o Chrome dão alertas chamativos sobre essas páginas.

Publicidade

Mais detalhes sobre as vulnerabilidades podem ser encontrados no blog Project Zero.

via Ars Technica

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Homem com óculos futurístico de realidade virtual

Kuo: headset de AR/VR da Apple poderá rastrear olhos e ler íris

Próximo Artigo
Tim Cook no Apple Park

Tim Cook diz estar ansioso para retomar trabalho presencial

Posts Relacionados