O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Empresa desconhecida invadiu iPhone do terrorista de San Bernardino

Não, não foi a Cellebrite
iPhone bloqueado por senha
AKKet.com

Ao longo últimos cinco anos, cobrimos de perto por aqui o caso do terrorista de San Bernardino e a batalha pública entre a Apple e o FBI para que a Maçã oferecesse meios de desbloqueá-lo (algo que nunca aconteceu). Falamos, também, dos desdobramentos do caso, como as empresas “paralelas” envolvidas na eventual invasão do dispositivo — como a israelense Cellebrite, que voltou às manchetes brasileiras recentemente por conta do caso Henry Borel.

Publicidade

Pois uma matéria recente do Washington Post revelou os reais responsáveis pelo desbloqueio do famigerado iPhone: não, não foi a Cellebrite, e sim uma firma de segurança australiana chamada Azimuth.

A reportagem ouviu os dois hackers da empresa que, sob a condição de anonimato, deram detalhes sobre o desbloqueio dos iPhones. De acordo com os especialistas, a Azimuth já estava pesquisando vulnerabilidades no aparelho antes do contato do FBI, e chegaram a uma brecha potencialmente promissora: algo relacionado a um código open source, fornecido pela Mozilla, utilizado pela Apple para permitir a conexão de acessórios à porta Lightning dos smartphones.

Ao mesmo tempo, o FBI batia cabeça com a Apple e procurava alternativas para obter acesso ao iPhone do terrorista, entrando em contato com diversas empresas de segurança ao redor do mundo. Uma delas foi a Azimuth — e o seu fundador e CEO1, Mark Dowd, viu na vulnerabilidade da Mozilla uma oportunidade. Ele convocou, então, um dos seus principais pesquisadores: David Wang, experiente hacker especializado no iOS.

Combinando a vulnerabilidade da Mozilla com dois outros exploits, Wang foi capaz de contornar a principal limitação com a qual o FBI estava lidando à época: o limite de dez senhas incorretas estabelecido pela Apple — que, se ultrapassado, apagaria todos os dados do iPhone em questão. A Azimuth testou sua invenção em dez aparelhos antes de confirmar seu funcionamento, e batizou o método de desbloqueio como “Condor”. O FBI adquiriu a solução por US$900 mil.

Publicidade

Outro ponto interessante da matéria afirma que oficiais do FBI, embora aliviados por desbloquear o iPhone do terrorista e acessar as informações desejadas, ficaram desapontados por encerrar uma batalha com a Apple que poderia ir muito mais longe — e obrigar a empresa a, quem sabe, eventualmente criar uma backdoor em seus dispositivos para uso de agências policiais e outras autoridades. Isso, claro, nunca ocorreu (ao menos não oficialmente), muito pelo contrário.

Quanto a Wang? Bom, o pesquisador da Azimuth acabou sendo um dos fundadores de uma outra empresa que vez ou outra ocupa as manchetes tecnológicas: a Corellium, firma que criou uma “cópia” do iOS para uso por pesquisadores, hackers e produtores de ferramentas de jailbreak — e que ganhou há algum tempo uma longa batalha judicial contra a Apple por conta do produto.

Publicidade

São as voltas que o mundo dá…

via AppleInsider

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
App do Instagram no iPhone

Instagram testa opções para lidar com a contagem de curtidas na rede

Próximo Artigo
GeForce NOW em vários dispositivos

NVIDIA lança GeForce NOW em fase de testes no Brasil

Posts Relacionados