O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Caixas de iPhones
Daniel Dror / Shutterstock.com

Xiaomi se aproxima da Apple em vendas de smartphones

De acordo com a pesquisa mais recente da Canalys sobre o mercado de smartphones, a Xiaomi se aproximou da Apple em número de vendas durante o primeiro trimestre deste ano — graças, principalmente, à (grande) fatia do mercado que a Huawei perdeu no último ano.

Publicidade

Segundo os dados da firma, nos três primeiros meses de 2021 foram comercializados mais de 347 milhões de smartphones mundialmente — o número representa um aumento de 27% em relação ao mesmo período do ano passado.

Pesquisa da Canalys sobre o mercado de smartphones

A Samsung foi, mais uma vez, a líder do ranking com 76,5 milhões de smartphones vendidos — o que representa uma participação de mercado de 22%. A Apple vem em segundo lugar, com 52,4 milhões de vendas, mantendo 15% do mercado.

Segundo Horace Dediu, do Asymco, levando em conta que a Apple anunciou uma receita com iPhones de quase US$48 bilhões no segundo trimestre fiscal deste ano, o valor médio de venda (average selliing price, ou ASP) dos aparelhos seria de US$915. No entanto, se considerarmos um ASP de US$735 (que ele dá a entender ser mais plausível), seria possível dizer que a Apple vendeu 65,2 milhões de iPhones nesse período.

Como dissemos, a Xiaomi colou na Maçã com 49 milhões de dispositivos vendidos e uma participação de mercado de 14%. Vale notar que o crescimento anual da chinesa foi o maior entre todas as fabricantes: 62%.

As empresas da BBK, Oppo e VIVO, completam o Top 5 com 37,6 e 36 milhões de smartphones vendidos, respectivamente. Segundo a Canalys, a Huawei está agora em sétimo lugar com uma estimativa de 18,6 milhões de vendas.

Publicidade

Por fim, a Canalys prevê que a pandemia do novo Coronavírus (COVID-19) ainda terá um papel proeminente na performance das vendas de smartphones — mas alerta para o maior problema no momento: a escassez de chipsets no mercado.

Esses dois fatores provavelmente forçarão as marcas a reconsiderar suas estratégias regionais e lançamentos com mais foco nos países que estão se recuperando da pandemia e menos naqueles que estão passando por dificuldades.

Os números da Canalys são menores do que aqueles divulgados pela Strategy Analytics na semana passada; contudo, como a Apple não informa mais as vendas específicas, essas estimativas nos ajudam a ter uma ideia de como vai o mercado.


iPhones 12 Pro (miniatura)
iPhones 12 Pro e 12 Pro Max de Apple Preço à vista: a partir de R$9.899,10
Preço parcelado: em até 12x de R$916,58
Cores: grafite, prateada, dourada e azul-pacífico
Capacidades: 128GB, 256GB ou 512GB
Lançamento: outubro de 2020

iPhones 12 mini e 12 roxo
iPhones 12 mini e 12 de Apple Preço à vista: a partir de R$6.299,10
Preço parcelado: em até 12x de R$583,25
Cores: branca, preta, azul, verde, roxa e (PRODUCT)RED
Capacidades: 64GB, 128GB ou 256GB
Lançamento: outubro de 2020

NOTA DE TRANSPARÊNCIA: O MacMagazine recebe uma pequena comissão por cada venda concluída por meio dos links deste post, mas você, como consumidor, não paga nada mais pelos produtos comprando pelos nossos links de afiliado.

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Facebook no iPhone

Facebook afirma que impacto do iOS 14.5 será "administrável"

Próximo Artigo
Painel do Vivaldi

Navegador Vivaldi ganha bloqueador de popups de cookies

Posts Relacionados