O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Técnico fazendo reparo em iPhone

Reportagem relata investidas da Apple contra o direito ao reparo

A empresa tem mobilizado grupos de lobby ao redor dos EUA para lutar contra as legislações

Dentro das acusações de monopólio e práticas abusivas por parte da Apple, a questão do direito ao reparo (right to repair) é uma das mais citadas (depois, claro, da questão da distribuição de aplicativos e da App Store).

Publicidade

Para quem está por fora do assunto, trata-se basicamente de um clamor, feito por consumidores e oficinas de reparo independentes, para que as fabricantes de eletrônicos forneçam documentação, ferramentas e condições para que seus produtos sejam reparados por usuários e profissionais de forma geral, e não apenas por centros autorizados.

Nós já falamos aqui sobre o lobby feito pela Apple (e por outras gigantes) no Congresso dos Estados Unidos para evitar a aprovação de leis relacionadas ao direito ao reparo. Pois hoje, a Bloomberg chegou com uma reportagem jogando mais luz sobre o assunto.

De acordo com a matéria, 27 estados dos EUA já propuseram e/ou votaram leis de direito ao reparo apenas em 2021; mais da metade deles, entretanto, já arquivaram ou derrubaram as propostas. E o fenômeno, claro, está particularmente ligado ao lobby das gigantes tecnológicas: grupos representando a Apple, por exemplo, foram os principais responsáveis por derrubar um dos projetos de lei em questão, no estado de Nevada.

Publicidade

A principal argumentação da Maçã e das suas “colegas”, como de costume, é a de que leis de direito ao reparo poderiam favorecer ameaças de segurança. David Edmonson, vice-presidente da TechNet (grupo de comércio que representa Apple, Google e outras empresas do ramo), afirmou o seguinte:

Permitir que terceiros desregulados tenham acesso a informações sensíveis de diagnóstico, software, ferramentas e peças colocaria em risco a segurança dos consumidores. Os estados têm continuamente negado legislações do tipo, com 25 estados decidindo não agir somente no ano passado.

A estratégia da Apple é diferente da de outras empresas: enquanto a Microsoft coloca membros da sua própria equipe jurídica nos corredores das câmaras e comitês dos estados nos EUA, a Apple prefere recorrer a grupos de lobby. Em 2018, por exemplo, uma associação ligada à Maçã se opôs a um projeto de lei no estado de Nova York, afirmando que tal legislação “teria presenteado hackers com chaves digitais para milhares de produtos conectados à internet”. O projeto nunca foi votado.

No estado de Washington, por sua vez, a representante Mia Gregerson (do Partido Democrata) propôs uma legislação que sofreu oposição forte das gigantes tecnológicas. O projeto acabou não encontrando apoio o suficiente — segundo a servidora, lobistas representando a Apple afirmaram que a empresa poderia apoiar programas de reparo em universidades locais caso os legisladores vetassem a proposta.

Publicidade

Gregerson afirmou à matéria:

Se vocês realmente querem saber quem foi a safada, foi a Apple.

O fato é que a pressão por leis de direito ao reparo continua firme e forte. Até mesmo a Comissão Federal de Comércio dos EUA (Federal Trade Commission, ou FTC) já entregou um relatório ao Congresso indicando que o sistema atual de reparo de eletrônicos prejudica a concorrência e o desenvolvimento econômico, especialmente em áreas menos favorecidas — e especialmente em período de pandemia.

Ou seja: a história ainda está longe de terminar… e os lobistas da Apple ainda terão muito trabalho pela frente. Opiniões?

via iPhone Hacks

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Nest Thermostat, do Google

Termostato Nest, do Google, ganhará suporte ao HomeKit

Próximo Artigo
Dr. PetPlay

Promoções na App Store: Dr. PetPlay, Tiny Calendar Pro, Doom & Destiny e mais!

Posts Relacionados