O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Epic Games vs. Apple

Apple vs. Epic chega ao fim, mas veredito poderá levar meses

Confira os principais pontos discutidos no último dia da disputa

Apita o árbitro, fim de jogo… quer dizer, mais ou menos. Depois de mais de três semanas de embates intensos, rodadas polêmicas de questionamentos e testemunhos de alguns dos principais executivos de ambas as empresas, foi encerrado hoje o julgamento da batalha judicial do ano (para o mundo tecnológico, pelo menos): a da Apple contra a Epic Games.

Publicidade

Depois do depoimento de Tim Cook, na última sexta-feira, hoje o dia foi inteiramente reservado às considerações finais das equipes jurídicas de ambas as empresas. No geral, a sessão reiterou vários dos pontos discutidos nas semanas anteriores — como o conceito de “mercado” em torno do iOS.

Segundo os advogados da Epic, o testemunho de Cook confirmou que o iOS é um mercado por si só, e não parte de um: segundo a desenvolvedora, a Apple não compete com o Google no mundo de sistemas operacionais móveis, e os desenvolvedores costumam trabalhar em ambos os sistemas porque os usuários tendem a escolher um dos dois (e nele ficar indefinidamente).

A Apple rejeitou essa tese, afirmando que a empresa compete não apenas com o Google, mas também com outras fabricantes de hardware — Samsung, LG e Huawei entre elas. A juíza Yvonne Gonzales Rogers, entretanto, trouxe à tona a taxa de 30% cobrada pela Maçã na App Store; segundo ela, a taxa é essencialmente a mesma desde o início da loja, mas já teria mudado se a Apple tivesse uma concorrência real na área.

Publicidade

Outros assuntos discutidos na sessão foram o sistema de buscas da App Store e as suas altas margens de lucro — sobre elas, os advogados da Apple afirmaram: se a loja tiver uma margem de lucro como a Epic sustenta, Cook deveria se desfazer da divisão de hardware da Maçã e concentrar-se apenas na distribuição de apps e bens digitais.

Sobre as políticas “antidirecionamento” da App Store, as quais impedem que desenvolvedores instruam usuários a assinar ou comprar bens fora dos domínios do iOS, a juíza Rogers sugeriu que as regras podem ser consideradas anticompetitivas, mas há precedentes indicando o contrário — em um caso levado à Suprema Corte em 2018, a American Express foi inocentada por uma política bem similar.

Rogers também pressionou a Epic em alguns momentos-chave da sessão. A juíza chegou a dizer que “não entende onde ela [a Epic] espera que isso tudo chegue”, em referência a possíveis medidas que a Apple poderia tomar para diminuir seu suposto poder monopolistas, e afirmou que a desenvolvedora teria “motivos ulteriores” no caso:

A Epic está aqui porque, se a ajuda for concedida, eles saltarão de uma empresa multibilionária para, quem sabe, uma empresa trilionária. Mas eles não farão isso por conta de uma bondade nos seus corações.

E o veredito?

As audiências da batalha podem ter chegado ao fim, mas ainda precisaremos aguardar um bom tempo antes que qualquer veredito seja anunciado. Como lembrou a própria juíza Rogers, será necessário analisar mais de 4.500 páginas de documentos, testemunhos e correspondências entregues pelas duas empresas; por outro lado, a corte pretende “lidar com isso enquanto a memória da disputa ainda está fresca”.

O fato é que, seja o que sair do tribunal, as consequências serão titânicas — tanto para a Apple, quanto para a Epic. E nada indica que a batalha terminará aqui: as duas empresas ainda poderão levar a disputa para instâncias superiores da Justiça dos Estados Unidos, podendo chegar até mesmo à Suprema Corte.

Publicidade

Acompanhemos, portanto, as próximas cenas dessa história.

via 9to5Mac

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Elisabeth Moss

Elisabeth Moss dirigirá dois episódios de "Shining Girls" no Apple TV+

Próximo Artigo
ECG no Apple Watch

Apple Watch ameaçado? ITC investiga possível quebra de patente

Posts Relacionados