O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Apple não encontrou casos de trabalho forçado em fornecedoras no último ano

Fornecedores da Apple

Na sexta-feira passada (28/5), a Apple divulgou uma nova edição do seu Relatório Anual de Responsabilidade com Fornecedores [PDF] — documento no qual a empresa informa detalhadamente suas iniciativas trabalhistas, de saúde, educacionais e ambientais em todas as linhas de produção de parceiras e fornecedoras.

Publicidade

Como de costume, Sabih Khan, líder da cadeia global de suprimentos da companhia, abriu o relatório com uma carta. Nela, o executivo afirma que a Maçã tem trabalhado lado a lado com as empresas parceiras para redesenhar os processos com o máximo cuidado, pensando na saúde das pessoas desde que a pandemia do novo Coronavírus (COVID-19) as atingiu.

Dentre as medidas tomadas, estão: a reorganização das fábricas (a fim de permitir o distanciamento físico entre os funcionários), mudanças nas horas de trabalho (para reduzir o número de pessoas no local por vez), protocolos de limpeza profunda e mais.

Khan ainda disse que, mesmo durante esse período, a Apple conseguiu realizar auditorias, responsabilizar fornecedoras sobre eventuais descuidos e educar os funcionários sobre seus direitos.

Um enfoque global na saúde das pessoas não nos desviou do trabalho essencial de nos responsabilizarmos pelos mais altos padrões de trabalho e direitos humanos. Nos poucos casos em que nossos padrões não foram atendidos, agimos rapidamente para fornecer soluções a todos os afetados — e, em alguns casos, suspender nossos negócios com fornecedoras enquanto tomamos medidas para evitar que essas violações ocorram no futuro. A responsabilidade permanece um pilar crucial do nosso trabalho e um importante impulsionador do nosso progresso.

Mais detalhes

O relatório também destaca números em quatro áreas fundamentais:

Publicidade
  1. Saúde, segurança e educação
  2. Ambiente
  3. Desempenho dos fornecedores
  4. Trabalho e direitos humanos

Quanto ao primeiro ponto, a Apple relatou ter sido a primeira empresa de eletrônicos a receber o prêmio EPA Safer Choice Partner of the Year e disse que quase 1,98 milhão de funcionários de fornecedoras tiveram acesso ao programa de educação em saúde e bem-estar da empresa.

Com relação às iniciativas ambientais, mais de 100 fornecedoras se comprometeram a construir produtos com energia 100% renovável. Isso sem contar as mais de 900 mil toneladas de carbono que foram evitadas na cadeia de abastecimento graças aos esforços de eficiência energética, além das 400 mil toneladas de resíduos que não foram parar em aterros sanitários.

Publicidade

No ano fiscal de 2020, a Apple registrou apenas 9 “violações essenciais” do seu código de conduta do fornecedor; em 2019, foram registradas 17; já em 2018, foram 29. De acordo com o relatório, os infratores precisaram resolver os problemas imediatamente, fazendo mudanças na gestão e tomando medidas preventivas para garantir que a violação não volte a ocorrer.

Quanto ao trabalho e direitos humanos, a Maçã mapeou mais de 470 agências de trabalho em 10 países classificados como de “alto risco” para abusos trabalhistas e de direitos humanos. A companhia também entrevistou mais de 254 mil funcionários de fornecedoras sobre suas experiências no trabalho — uma pequena parte dos milhões que trabalham em parceiras como a Foxconn.

A Apple também avaliou 842 fornecedoras e 279 fundições e refinarias em 53 países e reiterou que tem tolerância zero para trabalho forçado de qualquer tipo. Além disso, disse que suas auditorias não encontraram evidências de trabalho forçado.

Publicidade

Além do documento em PDF, a Apple também atualizou sua página especial sobre o assuntoa página em português, contudo, ainda não foi atualizada.

Vale lembrar que o relatório chega menos de um mês após uma investigação do The Information alegar que sete parceiras da Maçã participam de programas de trabalho forçado e estão ligadas ao genocídio dos uigures na região de Xinjiang. O deputado americano Ken Buck solicitou ao CEO Tim Cook que esclarecesse a relação da Apple com os infratores denunciados até 15 de junho.

Ficaremos atentos ao desenrolar dessa história.

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Android modificado por fabricantes chinesas

Google teria escondido opções de privacidade do Android, revela processo

Próximo Artigo
Twitter

Twitter testa reações a tweets e novos alertas contra desinformação

Posts Relacionados