O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Usando iPhone à noite
Shutterstock.com

Criminosos podem desbloquear qualquer iPhone? Não é bem assim

Criminosos de SP afirmaram poder invadir qualquer smartphone da Apple, mas isso não significa que haja uma vulnerabilidade incorrigível nos dispositivos

No mês passado, falamos aqui sobre as ocorrências cada vez mais frequentes — especialmente na cidade de São Paulo — das chamadas quadrilhas “limpa-conta”, que realizam furtos de celulares com um novo objetivo: a invasão de contas bancárias e o roubo de dinheiro das vítimas por meio dos seus aplicativos de banco.

Publicidade

Os casos atingiram tais proporções que o Procon-SP teve que entrar em ação, e a Apple e o Google prometeram facilitar o apagamento de dados dos smartphones para as vítimas dos furtos. Ainda assim, as dúvidas sobre os métodos dos criminosos continuou: como seria possível que os bandidos tivessem acesso tão fácil a smartphones bloqueados, especialmente iPhones, quando até mesmo o FBI já quebrou a cabeça por tantos anos para chegar ao mesmo objetivo?

A coisa toda ganhou contornos ainda mais preocupantes quando, hoje mais cedo, a Folha de S.Paulo publicou uma reportagem que destaca — no título, inclusive — a declaração de um dos criminosos, de que ele e seu grupo seriam capazes de “desbloquear todos os modelos de iPhone, do 5 ao 11″. A declaração foi dada após a prisão de uma das quadrilhas praticantes dos crimes.

Nas últimas horas, o MacMagazine recebeu diversas dicas e dúvidas de leitores em relação à matéria: será que a segurança do iPhone não é aquela Coca-Cola toda prometida pela Apple? Será que as ferramentas de desbloqueio, vendidas por empresas como a Cellebrite (teoricamente) apenas a forças governamentais e policiais, já estaria difundida de tal forma a surgir nas mãos de pequenas quadrilhas dedicadas a roubos individuais?

Publicidade

Bem… não exatamente. Lendo a matéria da Folha, podemos perceber que a principal técnica dos criminosos não envolve o desbloqueio à força bruta dos aparelhos, e sim o emprego de técnicas de engenharia social.

Destaco um trecho abaixo:

De acordo com Barbeiro [Fabiano Barbeiro, delegado responsável pela prisão da quadrilha], para conseguir o desbloqueio dos aparelhos, ele retirava o chip do aparelho furtado e inseria-o em um outro aparelho desbloqueado. Na sequência, passava a fazer pesquisas nas redes sociais (especialmente Facebook e Instagram) para saber qual conta estava vinculado àquele número de linha.

Na sequência, passava a procurar o endereço de email que a vítima utilizava para fazer o backup do conteúdo do aparelho, especialmente em nuvens iCloud e Google Drive, procurado primeiro pelas extensões @gmail.com.

Ao baixar as informações da nuvem no novo aparelho, passa a procurar ali informações ligadas à palavra “senha” e, segundo ele, obtém geralmente os números e acesso do celular e das contas bancárias.

Ao obter essa informação, devolve o chip ao telefone celular da vítima e, com as senhas em mãos, repassa o aparelho para membro da quadrilha responsável pelo acesso às contas e pela transferência de tudo o que conseguir para contas bancárias de laranjas.

Ainda segundo a reportagem, essas técnicas são difundidas no “submundo do crime”: o suspeito que afirmou poder desbloquear qualquer iPhone disse ter aprendido as técnicas na região central de São Paulo, próximo à região da Santa Ifigênia, e que ao menos três pessoas da área dão “aulas” de desbloqueio de smartphones a criminosos.

Publicidade

Além disso, um grupo de nigerianos na região tem “softwares capazes de desbloquear os celulares” num outro método, diferente daquele descrito pelo suspeito. A polícia ainda está investigando possíveis técnicas mais complexas de invasão.

O fato é que, no geral, boa parte das invasões não envolve uma vulnerabilidade no iPhone ou o uso de ferramentas altamente especializadas de desbloqueio — os criminosos simplesmente usam informações que têm à disposição a partir do chip e do dispositivo em mãos.

Por isso, fica de novo o lembrete para que você proteja essas informações o máximo possível — no nosso artigo interior sobre o caso, trouxemos várias dicas de como fortalecer essas proteções, como o uso de senha no SIM card, um código de acesso alfanumérico complexo no iPhone, os recursos do aplicativo Buscar, o bloqueio do IMEI e do aparelho, e muito mais.

Não deem bobeira! 👀

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
iPad Air

Analista aposta em iPad com OLED em 2023 e no fim da Touch Bar

Próximo Artigo
Dra. Sumbul Desai

VP de saúde, Sumbul Desai fala sobre seu trabalho na Apple em entrevista

Posts Relacionados