O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

AirTag no centro ao lado de Apple Watch, iPhone 12 e AirPods Pro
Jack Skeens / Shutterstock.com

Review: AirTag — quão bom é o rastreador da Apple?

O AirTag foi talvez um dos produtos da Apple mais vazados dos últimos tempos, e um dos que mais demorou a ser oficializado pela empresa — dizem, claro, que foi por causa da pandemia.

Publicidade

Até ele ser anunciado de fato, já sabíamos quase tudo sobre o produto (inclusive o seu visual, em detalhes). Talvez as únicas duas coisas que surpreenderam mesmo foi o seu recurso de Busca Precisa e, obviamente, o seu preço.

Nos Estados Unidos, uma unidade do AirTag sai por US$30, enquanto o pacote com quatro fica por US$100 — ambos valores bem competitivos frente à concorrência. No Brasil, eles chegaram respectivamente por R$370 e R$1.250, em conversões bem “Apple-like” nos dias atuais.

Mas, afinal, o que é, para que serve e quão bem funciona o AirTag?

Vídeo de unboxing e hands-on

Para quem não viu, aqui está o nosso vídeo completo de unboxing e hands-on com o produto — publicado há algumas semanas:

Rastreador Bluetooth

Bem em estilo Apple de ser, o AirTag nem de longe é um produto pioneiro, que está estreando um novo mercado. Muito pelo contrário; dispositivos parecidos já existem por aí há muitos anos.

Todavia, também bem em estilo Apple, foi só agora, com a entrada dela no segmento, que ele começou a esquentar para valer. Não é à toa que a Samsung lançou recentemente o Galaxy SmartTag e outras concorrentes também pretendem, cada uma, ir lançando soluções próprias. Azar da Tile, por exemplo, que por muitos anos surfou essa onda sozinha.

Em termos de hardware, o AirTag não difere muito de seus concorrentes. Trata-se de um dispositivo bem pequeno, alimentado por uma bateria CR2032 facilmente substituível (ufa, Apple!), que conta basicamente com quatro componentes primários:

  1. Bluetooth: trata-se da principal forma de comunicação entre o AirTag e outros devices como iPhones, iPads, Macs, Apple Watches, etc. Ele usa o padrão LE (Low Energy), claro, com baixo consumo de energia.
  2. NFC: permite que aproximemos um smartphone (iPhone ou Android) do AirTag para que ele seja identificado e acessemos informações de contato do seu dono.
  3. U1: talvez o maior diferencial de hardware da Apple (também presente no SmartTag+ da Samsung, diga-se), é um chip de banda ultralarga que possibilita o recurso de Busca Precisa — falaremos mais dele a seguir.
  4. Alto-falante: quando estamos fisicamente próximos desses trackers, nada melhor do que fazê-los emitir um som para ajudar na sua localização exata.

Observe que não há, dentro do AirTag, um GPS; não há Wi-Fi; e também não há conectividade celular (3G, 4G ou 5G). A localização geográfica dele e a comunicação desse dado com a nuvem é feita justamente pelos devices que o “farejarem” nas proximidades.

Design

Tirando os componentes em si, o outro diferencial da Apple é o design do produto e o fato de ele ser bastante compacto. Não é o menor e mais fino de todo o mercado (não diria, por exemplo, que serve para você colocá-lo dentro da sua carteira), mas é bem bom nesse sentido. São 31,9mm de diâmetro por 8mm de espessura, pesando 11 gramas.

Na parte superior, temos uma cobertura de policarbonato branca que por padrão é toda lisa, mas em muitos países (Brasil não incluso, infelizmente, mas Portugal sim) pode ter uma gravação a laser gratuita com iniciais do seu nome ou, se você preferir, um emoji bonitinho.

Publicidade

Do outro lado, temos uma peça de aço inoxidável que risca só de olhar para ela. É ela que pode ser rotacionada e que dá acesso ao compartimento onde fica a bateria.

Trocando a bateria do AirTag

A bateria, diga-se, deve durar cerca de um ano segundo a promessa da Apple. Seja ela precisa ou não, o fato de a empresa ter optado pelo padrão CR2032 torna tudo bem simples — afinal, essa bateria pode ser encontrada facilmente no mercado e é bem baratinha.

Porém (sempre tem que ter um “porém”?), é só bater o olho no AirTag para perceber que, ao contrário de quase todos os outros rastreadores no mercado, ele não tem um furinho para você já acoplá-lo, por exemplo, ao seu chaveiro. Sim, no caso do AirTag ou você coloca-o dentro de algum bolso (da sua mala ou mochila, por exemplo), ou precisará adquirir um acessório extra — ou, claro, se arriscar bastante.

Ao menos a Apple diz que ele é bastante resistente à água, com classificação IP67 — ou seja, pode ser submerso por até um metro durante meia-hora. E sim, testes já mostraram que ele é muito durável.

Onde usar?

O conceito do AirTag (e de outros rastreadores concorrentes) não é ser um dispositivo antirroubo ou antifurto propriamente dito, embora até eventualmente possa servir nesses casos.

A ideia aqui, é facilitar você encontrar objetos valiosos perdidos ou esquecidos por aí. Você pode, então, colocá-lo em malas, mochilas, bolsas, chaveiros, bicicletas, jaquetas e por aí vai.

A Apple não recomenda que ele seja usado para rastrear crianças ou animais de estimação porque a localização do AirTag não é necessariamente atualizada em tempo real. Sendo assim, um cachorro que fugir de casa, por exemplo, até conseguirá ser rastreado; todavia, no momento em que você obtiver uma posição dele no mapa, até chegar lá ele poderá já ter se movido bastante.

Sempre muito atenta à privacidade das pessoas, a Apple também implementou no AirTag uma série de medidas “antistalking”, para evitar por exemplo que ele seja escondido nos pertences de alguém que você queira seguir de forma indevida.

Se a pessoa em questão tiver um iPhone, ela receberá uma notificação no aparelho indicando que há um AirTag desconhecido a acompanhando após um certo tempo. Se não tiver, o AirTag poderá emitir um som alertando sobre a sua presença também após um período predeterminado.

Rede Buscar

Esqueça o design, esqueça o chip U1, esqueça o preço… este, aqui, é o grande trunfo da Apple frente a todas as suas concorrentes nesse segmento.

Num primeiro momento, alguém pode pensar que seu AirTag só poderia ser rastreado pelos seus próprios devices dentro do alcance do Bluetooth — isto é, cerca de 200 metros em um campo aberto.

Não é bem assim. O AirTag faz parte de toda a rede Buscar (Find My), então ele está a todo momento trocando dados anônimos/criptografados com quaisquer dispositivos Apple nas suas proximidades, que então se comunicam uns com os outros, fazem a triangulação de suas posições geográficas e enviam esses dados para a nuvem do iCloud.

Com mais de 1 bilhão de aparelhos em uso no mundo todo, a Apple criou da noite pro dia, portanto, um pequeno gadget com alta capacidade de ser rastreado com boa precisão sem a necessidade, como falei lá no começo, de ter um GPS próprio ou comunicação direta com a internet. Seu AirTag pode estar do outro lado do mundo e ainda ser rastreado por você.

Claro que essa rede não é totalmente infalível e você pode dar azar de o seu objeto estar mesmo num local isolado (tipo no meio do Deserto do Saara), de forma que não possa ser rastreado. Mas o conceito de como a coisa funciona é sensacional, muito eficaz.

Como localizá-lo

Beleza, você já está com o seu AirTag devidamente acoplado a algum objeto e agora quer rastreá-lo. Como fazer isso? Simples: pelo app Buscar, tal como você já fazia com seus outros dispositivos Apple e também com pessoas.


Ícone do app Buscar
Buscar de Apple
Compatível com iPadsCompatível com iPhonesCompatível com Apple Watches
Versão 1.1 (3.1 MB)
Requer o iOS 14.0 ou superior
GrátisBadge - Baixar na App Store Código QR Código QR

Agora temos, ali, uma aba Itens que serve para você acompanhar não só os seus AirTags, mas também outros dispositivos compatíveis com a rede Buscar. Nós, inclusive, testamos também um concorrente dele da Chipolo — o ONE Spot.

Na aba Itens do app Buscar, você logo vê um mapa mostrando as localizações de todos os seus AirTags. Tocando em um deles, é possível ver mais detalhes como o seu nível de bateria, número de série e versão do firmware que está instalada.

AirTag no app Buscar

Na parte inferior, temos todas as ações disponíveis: reproduzir um som, usar a Busca Precisa (ou obter itinerários até o local), ativar notificações, habilitar o Modo Perdido, renomear ou remover o item.

A Busca Precisa, como falamos, usa o chip U1 de banda ultralarga do AirTag. Sendo assim, o seu device também precisa ter o mesmo chip para fazer uso desse recurso. No caso dos iPhones, ele está presente na geração 11 em diante.

Recurso Localização Precisa do AirTag

Ao contrário do Bluetooth, o alcance do U1 é bem limitado — de não mais do que 10-15 metros. Todavia, ele é muito preciso e a Apple explorou isso muito bem na interface do app Buscar indicando a distância que você está do AirTag e até mostrando uma seta para facilitar que ele seja encontrado. É muito divertido.

Conclusão

Eu propositadamente segurei um pouco este review para ver se surgia alguma situação real de uso do AirTag, mas devido à pandemia o máximo que precisei dele foi para encontrar o meu carro no estacionamento de um shopping.

iPhone com AirTag num chaveiro
Foto: Pickr

Sim, eu escondi um AirTag dentro do meu carro (além de um na chave dele). E sim, funciona muito bem em ambientes abertos. No caso da Busca Precisa, ela de fato tem um alcance muito limitado e só consegui usá-la quando já estava bem próximo do veículo. Mas que ajudou, ajudou.

Algo bem básico que sinto falta no AirTag é a possibilidade de compartilharmos um mesmo rastreador com outros membros da família. Por enquanto, ele fica associado apenas à conta que o configurou, então minha esposa por exemplo teve que desativar os alertas no iPhone dela para que o AirTag não ficasse alertando-a de que está sendo rastreada por mim.

De uma maneira geral, vejo esses trackers como aparelhinhos que podem nos dar uma tranquilidade extra em relação aos nossos pertences mais valiosos. Eles certamente aumentam bastante as chances de algo perdido/esquecido (ou até furtado/roubado mesmo, vai saber) ser devidamente recuperado, e pelo preço pode valer bastante a pena.

Se você estiver imerso no ecossistema Apple e em busca de um produto assim, opte pelo AirTag, pelo Chipolo ONE Spot ou por algum outro que faça parte da rede Buscar. Não adianta economizar achando que qualquer tracker Bluetooth à venda em sites chineses funcionará da mesma forma, porque definitivamente não vai.


AirTag (miniatura)
AirTag de Apple Preço à vista: a partir de R$332,10
Preço parcelado: em até 12x de R$30,75
Característica: rastreador (Bluetooth e UWB)
Pacotes: uma ou quatro unidades
Lançamento: abril de 2021

NOTA DE TRANSPARÊNCIA: O MacMagazine recebe uma pequena comissão por cada venda concluída por meio dos links deste post, mas você, como consumidor, não paga nada mais pelos produtos comprando pelos nossos links de afiliado.

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Ícone do Mail no iPhone

Como organizar as Caixas de Entrada do Mail [iPhone, iPad e Mac]

Próximo Artigo
Videochamada no WhatsApp

WhatsApp permitirá entrar em chamadas já em andamento

Posts Relacionados