O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Apple Pay
Foto de cottonbro no Pexels

Austrália discute abrir NFC do iPhone para concorrentes do Apple Pay

A Maçã se defendeu apontando supostas inseguranças no Google Pay — e o Google se defendeu

Não é de hoje que o chip NFC dos iPhones é o centro de discussões em alguns órgãos antitruste ao redor do mundo: a Alemanha já aprovou uma lei obrigando a Apple a abrir o componente, que atualmente só pode ser usado pelo Apple Pay, à concorrência. A União Europeia está discutindo uma regulamentação semelhante.

Publicidade

Agora, é a Austrália que começou a investigar a mesma possibilidade. O Comitê Parlamentar de Corporações e Serviços Financeiros do país iniciou discussões sobre a possibilidade de obrigar a Apple a abrir o chip NFC do iPhone a outros sistemas de pagamento — mas a Maçã, claro, está lutando contra a possibilidade.

Segundo a empresa, o NFC dos iPhones já é aberto aos bancos e serviços financeiros… justamente por meio do Apple Pay. Em resposta escrita ao comitê, a Maçã escreveu o seguinte:

A Apple desenvolveu uma arquitetura técnica que reúne componentes de hardware e software, além de APIs, que pode ser usada por bancos para facilitar os pagamentos sem contato com seus cartões e aplicativos de pagamento.

A Apple escolheu chamar essa arquitetura de Apple Pay porque: (1) os estabelecimentos comerciais precisam de uma forma simples para comunicar que aceitam esse serviço aos seus consumidores tanto em lojas como online, (2) a Apple quis facilitar a escolha dos consumidores por método de pagamento e banco oferecendo uma experiência simples e consistente, e (3) isso permite que a Apple divulgue o serviço aos consumidores sem favorecer um banco ou outro.

Em outras palavras, a argumentação da Apple é a de que o NFC do iPhone é aberto, contanto que as empresas usem o Apple Pay — uma linha de defesa muito semelhante à da App Store, que é a única forma autorizada de distribuir apps no iOS/iPadOS.

Publicidade

Segundo a Apple, esse modelo de funcionamento traz mais segurança aos usuários por oferecer um processamento centralizado (e fechado de pagamentos). A Maçã comparou o seu sistema com aquele adotado pelo Google Pay, chamado de HCE (Host Card Emulation) — que, segundo a empresa, é menos seguro por conta da fragmentação do sistema e dos aparelhos do robozinho.

O Google, claro, negou a acusação de falta de segurança do seu sistema. A presidente de parcerias da empresa na Europa, Oriente Médio e África, Diana Layfield, escreveu o seguinte:

Nossos apps de pagamento são extremamente seguros. Nosso sistema HCE, que é utilizado por um grande número de bancos ao redor do mundo, é auditado diretamente pelas empresas… nós refutamos qualquer sugestão de que nosso ambiente HCE seria menos seguro em qualquer hipótese. Eu diria que a experiência do usuário no Google Pay é semelhante à do Apple Pay.

Após essa rodada inicial de argumentações, o comitê australiano discutirá possíveis medidas em relação ao Apple Pay e ao NFC dos iPhones — isto é, qualquer regulamentação ainda deverá demorar um pouco a ser implementada, caso de fato surja.

via ZDNet

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Ícone do Google Chrome no Dock do macOS

Chrome quase adotou interface similar à do Safari no iOS 15

Próximo Artigo
Hackers conseguem instalar MIUI 11 em iPhone SE de primeira geração

Hackers usam jailbreak para instalar MIUI 11 em um iPhone SE

Posts Relacionados