O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Detalhe do Apple Park em Cupertino
Sundry Photography / Shutterstock.com

Apple suspende engenheira após tweets sobre sexismo na empresa

Ashley Gjøvik relatou ter tentado resolver os problemas internamente por meses, sem sucesso

A Apple sempre cultivou uma imagem pública de absoluta ordem e harmonia nas suas engrenagens, mas essa imagem tem sido posta à prova continuamente nos últimos meses com uma série de denúncias, críticas e petições por parte de funcionários.

Publicidade

Já tratamos aqui sobre o caso de Antonio García Martínez, o pedido de apoio ao povo palestino e os problemas relacionados à volta do trabalho presencial; agora, mais um assunto deveras espinhoso: sexismo — ou, mais precisamente, uma denúncia de cultura sexista que acabou gerando represálias… para a vítima.

A figura central aqui é Ashley Gjøvik, gerente sênior do programa de engenharia da Maçã. Em entrevista ao The Verge, Gjøvik afirmou que, nos últimos meses, tentou em diversas ocasiões levar às esferas superiores da empresa preocupações com a cultura sexista das suas equipes, condições inseguras de trabalho para pessoas com deficiências, casos de assédio sexual e possíveis retaliações.

A resposta da empresa, em todos os casos, foi o oferecimento de licenças médicas e atendimento psicológico, sem nenhum compromisso de investigar as denúncias ou levá-las à alta cúpula de Cupertino. Pior ainda: os superiores de Gjøvik sugeriram que ela não era uma presença bem-vinda no Slack (ferramenta de conversa online) da empresa — isso porque a engenheira denunciou várias situações e expôs angústias relacionadas na plataforma.

Publicidade

Incapaz de resolver a situação internamente, Gjøvik passou, há alguns dias, a expor situações e incômodos em sua conta no Twitter. Algumas das suas publicações podem ser vistas abaixo:

Isso aconteceu comigo na Apple, também: eles me ofereceram acompanhamento psicológico e sugeriram uma licença médica depois que eu falei sobre sexismo, discriminação e um ambiente de trabalho hostil. Eles também sugeriram o pedido de acomodações ADA (Americans with Disabilities Act) depois que eu expressei preocupação sobre condições de trabalho inseguras.

Se vocês não viram isso algumas semanas atrás, os formulários de licença médica que a Apple nos manda para pedir acomodações são problemáticos por si só…
No episódio de hoje de “o RH disse que tá tudo bem”, aqui está o email sincero que eu mandei aos meus líderes da Big Tech em 2018 durante as audiências de Brett Kavanaugh. Eu pedi um apoio às mulheres e uma condenação ao sexismo e ao assédio sexual. A resposta: uma mensagem dizendo “para você ficar sabendo, Ruth Bader Ginsburg acha que ele é do bem”.
Quero compartilhar: o RH da Apple confirmou que esse policiamento de tom é um feedback totalmente aceitável dos meus líderes homens e nem um pouco sexista.

Gente, eu sou uma gerente sênior de programas de engenharia com décadas de experiência profissional e esse feedback já apareceu até no meu relatório semestral… Alguém precisa me dar uma medalha de honra.

Após a exposição pública das questões levantadas, a Apple tomou a atitude de aplicar uma suspensão paga a Gjøvik, sem previsão de retorno. A engenheira também foi bloqueada dos canais da empresa no Slack.

Na entrevista ao The Verge, a profissional afirmou ainda que seus superiores querem evitar que ela entre em contato com outras mulheres funcionárias da Apple, algo que Gjøvik tem feito com frequência para levantar outras questões e identificar problemas.

Até o momento, a Apple não se pronunciou sobre o caso, mas vamos aguardar uma possível resposta da empresa. Ao menos, uma coisa é certa: a era de trabalhar em silêncio e aguentar qualquer coisa já era.

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
"Mr. Corman"

Apple TV+: vídeo mostra processo de criação de "Mr. Corman"

Próximo Artigo
Stories do TikTok

TikTok está testando Stories de 24h, similares aos do Instagram

Posts Relacionados