O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Empregados corporativos da Apple

Apple estaria censurando pesquisas sobre igualdade salarial

Mais um dia, mais uma polêmica envolvendo a Apple e seus funcionários. A bola da vez? Equidade salarial, um tema muitíssimo importe mas que, aparentemente, a Apple vem proibindo de ser discutido em canais de comunicação interno da empresa.

Publicidade

As informações foram trazidas pelo The Verge, que, inclusive, consultou alguns advogados trabalhistas para verificar se as ações tomadas pela Apple estão dentro dos parâmetros legais. A resposta?

“A Apple não pode impedir seus funcionários de discutirem igualdade de remuneração no que se refere às classes protegidas”, disse Vincent P. White, advogado trabalhista consultado pelo site.

A principal preocupação é que, como não há transparência nesse tipo de informação, é provável que algumas pessoas (em sua maioria mulheres e minorias) recebam salários mais baixos que os demais. Ora… onde há fumaça, há fogo.

Publicidade

A primeira pesquisa pedia voluntariamente aos funcionários que fornecessem informações salariais, e como eles se identificavam em termos de raça, etnia, gênero e deficiência. Após cerca de 100 respostas, a equipe de pessoas da Apple (o RH da empresa) pediu aos funcionários que retirassem o questionário, alegando que as questões demográficas constituíam informações de identificação pessoal — aparentemente proibidas na empresa.

No última semana, foi solicitada a remoção de outra pesquisa sobre equidade salarial que alguns funcionários tentaram iniciar. Dessa vez, porque ela incluía uma pergunta sobre gênero. Um terceira pesquisa também teve uma solicitação de remoção pois estava hospedada na conta corporativa da empresa.

A equipe de pessoas da Apple enviou aos funcionários as seguintes diretrizes sobre quais tipos de pesquisas são proibidas de serem veiculadas dentro dos canais de comunicação interno da empresa:

Publicidade
  • Pesquisas que visam a coleta de dados identificáveis de funcionários sem seguir o processo usual da equipe de pessoas para obter esses dados. Isso inclui quaisquer perguntas sobre endereço, dados demográficos, entre outros — exceto para o país ou região da coleta, algo que é permitido.
  • O uso de pesquisas como uma ferramenta para coletar informações de saúde — incluindo, mas não se limitando a relatórios de saúde, resultados de testes e status de vacinação.
  • Pesquisas solicitando dados relacionados a diversidade.

O setor deixou claro que todas as solicitações de dados identificáveis de funcionários devem ser enviadas à equipe de pessoas por meio do formulários. Caso aprovado, os dados então são fornecidos diretamente pelo sistemas da empresa.

A professora de direito da Universidade da Califórnia, Veena Dubal, disse que essas regras podem violar o direito à atividade combinada, e que embora isso deva estar explícito no contrato de trabalho, “não significa que eles podem impedir legalmente os funcionários de fazer o que estão fazendo”.

A engenheira da Apple Cher Scarlett deu início a uma nova pesquisa paga pelo próprio bolso e notou que, em alguns locais, há pessoas com salários de 10% a 15% mais baixos se comparados aos de outras pessoas da mesma equipe — em sua maioria, mulheres. Scarlett disse:

Publicidade

Não vou dizer que é um problema definitivo, mas é um aviso para qualquer pessoa perguntar se este é um problema generalizado. Devemos ser capazes de descobrir facilmente se esse é o caso ou não, para que possamos saber se as pessoas estão realmente sendo pagas de forma justa.

A nova pesquisa já tem quase 500 respostas e traz questionamentos sobre salário, equipe, experiência, localização, bônus, raça, gênero e se a pessoa está trabalhando de forma remota permanentemente.

Scarlett disse que a atitude da Apple em relação às pesquisas fez com que outros empregados ficassem ainda mais suspeitos em relação às diferenças salariais que a companhia talvez esconda. A Maçã, como de costume, ainda não se manifestou sobre o caso.

Vale notar que, em 2019, a Apple aderiu ao movimento Equal Pay Pledge, iniciativa que visa fiscalizar com mais afinco a igualdade salarial entre homens e mulheres dentro de empresas.

Equidade salarial é um tema importantíssimo, e é só mais uma polêmica envolvendo a Apple e seus funcionários. Mesmo após adiar o retorno aos escritórios, seus empregados continuam reclamando bastante sobre a volta ao trabalho presencial — alguns, inclusive, ameaçaram pedir demissão.

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Conceito de MacBook Pro

Apple teria iniciado produção dos novos MacBooks Pro (14" e 16")

Próximo Artigo
Atividade no Apple Watch

Como apagar exercícios do Apple Watch no iPhone

Posts Relacionados