O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

App Atalhos no iPhone
CNET

Ativistas usam Atalhos do iPhone para obstruir site antiaborto no Texas

A movimentação é uma resposta à nova lei texana, considerada a mais restritiva do país

Quem acompanhou o noticiário internacional nas últimas semanas provavelmente soube dos acontecimentos no estado do Texas (Estados Unidos) relacionados ao direito ao aborto — ou melhor, à falta dele. Agora, um grupo de ativistas digitais está recorrendo a um instrumento muito popular do iPhone, o aplicativo Atalhos, para se posicionar contra as decisões recentes. As informações são do USA TODAY.

Publicidade

Caso você não tenha acompanhado o caso, aí vai um breve resumo: a chamada “Lei do Batimento Cardíaco” entrou em vigor no estado no início deste mês e representa, na prática, uma proibição quase total da interrupção de gravidezes no Texas.

Em suma, a lei proíbe qualquer aborto de fetos com mais de seis semanas de gestação, um período no qual a maioria das mulheres sequer tem conhecimento da gravidez. A lei reverte a famosa decisão Roe vs. Wade, da Suprema Corte dos EUA, que permitia a interrupção de uma gravidez até que o feto fosse considerado viável — isto é, apto a sobreviver fora do útero, o que ocorre entre 22 e 24 semanas de gestação.

A nova lei texana admite abortos pós-seis semanas apenas em casos de emergência médica, mas não em casos de estupro ou incesto. E, em um outro ponto polêmico, a regulamentação tem caráter civil: qualquer cidadão que tenha conhecimento de um aborto considerado ilegal pode denunciar e processar os médicos (ou quaisquer outras pessoas) responsáveis pelo procedimento.

Publicidade

Por conta disso, alguns grupos contrários ao aborto estabeleceram páginas de denúncia na internet — isto é, sites nos quais cidadãos podem relatar violações à nova lei para que os próprios grupos entrem com processos contra os responsáveis. E foi justamente em um desses sites que os ativistas entraram em ação — com uma ajudinha do Atalhos do iOS.

O TikToker Sean Black, conhecido como black_madness21, criou um atalho capaz de automatizar o envio de informações falsas para um dos sites de denúncia criados pelos grupos contra o aborto. O script, conhecido como “AbBOT”, envia uma denúncia falsa para a página a cada 10-15 segundos, com nomes, cidades, condados e códigos postais gerados aleatoriamente.

@black_madness21

#stitch with @victoriahammett I’ll see if I can add some multithreading to speed up this process

♬ original sound – Sean Black

Até a noite da última quinta-feira, segundo Black, mais de 4.170 pessoas tinham acessado o código e cerca de 4.870 clicaram no link para o atalho. O ativista afirmou que conseguiu enviar cerca de 300 denúncias falsas antes do bloqueio do seu IP — e agora, seu trabalho está concentrado em burlar o sistema de CAPTCHA que foi implementado na página.

Publicidade

Apesar de não impossibilitar, Black considera que seu atalho pode dificultar o trabalho dos grupos contra o aborto. O ativista considera a nova legislação uma prática reminiscente do macarthismo, a prática política implementada no auge da Guerra Fria para incentivar cidadãos a denunciar pessoas próximas por suposta “atividade comunista”. Black comentou o seguinte:

Para mim, as táticas macarthistas de colocar vizinhos uns contra os outros por conta de uma lei que, acredito eu, é uma violação da decisão Roe vs. Wade, é inaceitável. Existem pessoas no TikTok usando sua visibilidade para educar e fazer sua parte. Eu acredito que estou fazendo a minha.

Os responsáveis pelo site de denúncias, por sua vez, não se pronunciaram, mas provavelmente terão outros obstáculos pela frente: o serviço de hospedagem GoDaddy anunciou no fim da semana passada que a página viola seus termos de serviço e terá de ser removida dos seus servidores.

via People

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Placa comemorativa para designers do AirTag

Designers do AirTag são presenteados com placa comemorativa

Próximo Artigo
Crianças viciadas em smartphones

EFF pressiona Apple a abandonar recursos contra abuso infantil

Posts Relacionados