O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

iPhones 13 Pro

iPhone 13 Pro [Max] vs. iPhone 12 Pro [Max]: as diferenças e semelhanças

Já cobrimos as principais diferenças entre os iPhones 13 e os iPhones 12 “comuns”, e agora é hora de continuar nossa série de comparativos pós-evento — desta vez, analisando a parte mais alta da montanha: afinal, quais as novidades dos iPhones 13 Pro e Pro Max em relação aos iPhones 12 Pro [Max]?

Publicidade

Nos parágrafos a seguir, vamos destacar, ponto a ponto, tudo que há de novo (ou não) nos novos aparelhos. Desta forma, você pode decidir se o upgrade vale a pena ou se você pode manter o seu smartphone atual por mais um ano. Vamos lá?

Design, cores e dimensões

Assim como nos modelos “comuns”, os iPhones 13 Pro seguem as mesmas linhas gerais dos seus antecessores. Na frente, a alteração mais significativa é a redução do recorte (notch), que está 20% menor na horizontal e ligeiramente mais grosso — ainda assim, uma diferença que dificilmente chamará a atenção de qualquer pessoa que não esteja comparando os aparelhos lado a lado.

Comparativo de notch dos iPhones 12 Pro Max e 13 Pro Max
Comparativo de notch dos iPhones 12 Pro Max e 13 Pro Max

As laterais continuam com o acabamento em aço inoxidável altamente polido, e a traseira mantém o vidro fosco. Na parte de trás, a maior diferença está no módulo de câmeras, que cresceu significativamente — mas ainda conta com o mesmo desenho básico de três lentes em disposição triangular. As câmeras também estão mais saltadas.

Em termos de cores, a Apple manteve as versões prateada e grafite, enquanto o dourado — ao menos nas fotos especiais — parece estar um pouco mais forte. A maior mudança está no tom de azul: sai o azul-pacífico da geração anterior, mais escuro, e entra em seu lugar o azul-sierra, mais claro e num tom ligeiramente pastel.

Os novos iPhones mantêm os tamanhos básicos dos seus antecessores (com versões de 6,1 e 6,7 polegadas), com altura e largura idênticas em relação aos 12 Pro. A grossura, entretanto, aumentou um pouco para acomodar as baterias maiores: agora, ambos os aparelhos têm 7,65mm de espessura, contra 7,4mm dos modelos anteriores.

O peso também aumentou um pouco: o iPhone 13 Pro tem 203 gramas, contra 189g do seu antecessor. Já o iPhone 13 Pro Max finca seus pés como o smartphone mais pesado já fabricado pela Apple: são 238g, contra as 228g do 12 Pro Max.

Câmeras

Olhando de longe, talvez você não perceba grandes diferenças no sistema de câmera tripla dos iPhones 13 Pro — ainda temos, afinal, as mesmas câmeras grande-angular, ultra-angular e teleobjetiva, todas com 12 megapixels, além de um scanner LiDAR.

Entretanto, as mudanças são significativas, segundo a Maçã — e, tão importante quanto, colocam os dois aparelhos em pé de igualdade: ao contrário da geração anterior, o iPhone 13 Pro e o 13 Pro Max têm rigorosamente o mesmo sistema de câmeras na parte traseira. 👏🏼

Começando pela teleobjetiva, temos agora uma distância focal de 77mm (eram 52mm/65mm antes, dependendo do modelo), com zoom óptico de 3x (eram 2x ou 2,5x, antes). A ultra-angular, por sua vez, agora tem abertura ƒ/1.8, foco automático e capacidade de absorver até 92% mais luz; a lente tem ainda capacidade de capturar imagens em macro a até 2cm de distância do objeto fotografado.

A grande-angular, que — como sempre — é a principal câmera do conjunto, também melhorou: seu sensor está significativamente maior, capaz de capturar pixels de 1,9μm e absorver até 2,2x mais luz — trata-se do maior sensor já posto num smartphone da Apple, segundo a empresa. A abertura também foi aprimorada e agora é de ƒ/1.5. O sensor-shift, claro, continua, e agora está disponível também no iPhone 13 Pro (antes ele era exclusivo do modelo Pro Max).

Publicidade

Confiram algumas fotos tiradas com os novos aparelhos:

Os novos aparelhos incorporam também o HDR Inteligente 4 e o suporte a Estilos Fotográficos, perfis que você pode configurar para que o sistema processe as fotos da forma que você desejar e no seu estilo. Todas as câmeras suportam, ainda, o modo Noite.

No campo do vídeo, os novos iPhones trazem o modo Cinema para filmagens com profundidade de campo seletiva e inteligente (a captura é limitada a 1080p e 30 quadros por segundo, vale notar). E, dando um passo além em relação aos iPhones 13 “comuns”, temos aqui a capacidade de gravar vídeos ProRes 4K a até 30 quadros por segundo, uma dádiva para profissionais.

Sobre esse assunto, aliás, um detalhe: o modelo de 128GB dos iPhones 13 Pro limitará a captura ProRes a 1080p — talvez porque um minuto de filmagem 4K nesse formato ocupa cerca de 4GB de armazenamento, e qualquer captura um pouco mais séria acabaria com o espaço interno do dispositivo sem muita dificuldade.

A câmera frontal TrueDepth ainda é de 12MP e tem suporte ao Face ID, mas agora temos suporte ao HDR Inteligente 4, aos Estilos Fotográficos, ao Modo Cinema e às gravações ProRes 4K (ou 1080p, no modelo de armazenamento menor).

Tela

Temos um outro aspecto que, a princípio, não mudou muito: os iPhones 13 Pro mantêm seus painéis OLED1, chamados de Super Retina XDR, com 6,1 ou 6,7 polegadas e resoluções inalteradas. Mantemos ainda o True Tone, a taxa de contraste de 2.000.000:1 e a ampla tonalidade de cores P3. A proteção continua sendo de Ceramic Shield, divulgado pela Apple como o mais resistente no mundo dos smartphones.

Comece a usar os aparelhos, entretanto, e você notará o grande chamariz do ano em termos de painel: após anos de especulação, os iPhones 13 Pro enfim incorporam a tecnologia ProMotion dos iPads Pro. Isso significa que as telas dos aparelhos têm uma taxa de atualização variável, entre 10Hz e 120Hz (antes eram 60Hz fixos), que muda de acordo com a sua tarefa; na prática, você pode esperar animações e rolagens muito mais suaves, jogos com ação mais precisa e economia de bateria nos momentos em que essas taxas mais altas não são necessárias.

As telas também estão mais brilhantes no brilho máximo típico: são agora 1.000 nits, contra 800 dos modelos anteriores. Em modo HDR, os 1.200 nits de brilho máximo foram mantidos na nova geração.

Processamento

Os novos iPhones já trazem os chips A15 Bionic, os mais novos da Maçã. Ao menos nas características básicas, não há muita diferença: temos os mesmos 6 núcleos em relação ao A14 Bionic, sendo 2 de alta performance e 4 de alta eficiência. Os 16 núcleos do Neural Engine, para tarefas de inteligência artificial, também são os mesmos.

A GPU2, por outro lado, sofreu alterações: sai o componente de 4 núcleos da geração anterior e entra um novo, de 5 núcleos, que deverá ser ainda mais competente no processamento de gráficos de jogos pesados e aplicações avançadas.

A Apple foi usualmente lacônica nas suas comparações de performance, mas prometeu processamento e gráficos 50% melhores em relação aos seus principais concorrentes. Vamos, portanto, aguardar os benchmarks para termos uma ideia melhor disso.

Bateria

O aumento na espessura e no peso dos aparelhos foi justificado: a Apple reorganizou os componentes internos e incluiu novas baterias, maiores, na nova geração dos iPhones.

Os números específicos não foram divulgados, como de costume, mas a empresa promete um acréscimo de uma hora e meia na autonomia fora da tomada do iPhone 13 Pro (em relação ao 12 Pro). O 13 Pro Max, por sua vez, pode durar até duas horas e meia a mais em relação ao seu antecessor — trata-se, segundo a Maçã, do iPhone com melhor bateria já produzido.

Ambos os aparelhos, vale notar, mantêm a porta Lightning (boa sorte transferindo seus arquivos ProRes 4K via cabo…) e a caixa sem carregador, além do suporte aos acessórios MagSafe.

Capacidades

Os rumores eram reais: pela primeira vez, temos iPhones de 1TB! As outras capacidades, no entanto, permanecem inalteradas. Desta forma, agora temos quatro opções nos modelos Pro: 128GB, 256GB, 512GB e 1TB.

A nova capacidade de 1TB muito provavelmente foi lançada para suprir as necessidades de produtores de conteúdo que filmarão em 4K/ProRes — algo que ocupará muuuito espaço no aparelho.

Outras novidades

Vale notar, aqui, a chegada do Dual eSIM aos iPhones — a novidade, já detalhada por nós, permitirá que você use duas linhas com os chips eletrônicos, em vez de um SIM físico e um digital.

Ainda em termos de conectividade, resumidamente, os iPhones 13 Pro vendidos nos Estados Unidos ou em qualquer lugar do mundo funcionarão normalmente com as (futuras) redes brasileiras, o que é sempre uma boa notícia.

Preços

Nos Estados Unidos, os iPhones 13 Pro e Pro Max têm os mesmos preços dos seus antecessores, partindo de US$1.000 e US$1.100, respectivamente. Já no Brasil, como já vimos, tivemos uma redução nos valores — os modelos partem, agora, de R$9,5 mil.


E aí, qual será a sua escolha?


Miniatura dos iPhones 13 Pro e 13 Pro Max
iPhones 13 Pro e 13 Pro Max de Apple Preço à vista: a partir de R$8.549,10
Preço parcelado: em até 12x de R$791,58
Cores: azul-sierra, prateado, dourado ou grafite
Capacidades: 128GB, 256GB, 512GB ou 1TB
Lançamento: setembro de 2021

NOTA DE TRANSPARÊNCIA: O MacMagazine recebe uma pequena comissão por cada venda concluída por meio dos links deste post, mas você, como consumidor, não paga nada mais pelos produtos comprando pelos nossos links de afiliado.

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
iPhone 13 meia-noite

O que muda no iPhone 13 [mini] em relação ao iPhone 12 [mini]

Próximo Artigo
ProMotion no iPhone 13 Pro

Samsung zomba Apple pelo atraso em telas de 120Hz no iPhone

Posts Relacionados