O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Teardown do iPad mini explica “efeito geleca” da tela

teardown iPad mini 6a geração

Há alguns dias, a iFixit realizou o seu já tradicional teardown do iPhone 13 Pro, revelando algumas das mudanças implementadas na nova geração. Agora, chegou a vez do recém-lançado iPad mini de sexta geração de passar pelo procedimento. De quebra, a iFixit também explicou o “efeito geleca” na tela do tablet.

Publicidade

Como de costume, para adentrar o iPad, foi preciso aquecer um pouco a tela e descolar os adesivos aderidos à carcaça. A primeira coisa que se vê é a bateria, que, apesar de possuir um adesivo para remoção fácil, ainda é colada nas partes inferior e superior, ou seja, continua difícil de ser trocada. Algo positivo é que, diferentemente dos outros iPads, o conector USB-C é modular — o que o torna mais fácil de ser trocado em caso de falha.

A iFixit também reafirmou que o processador A15 Bionic presente no novo iPad mini, de fato, possui a CPU1 com clock ligeiramente reduzido em relação ao dos iPhones 13. A probabilidade, aqui, é de que os chips utilizados no mini sejam aqueles que não atingiram o padrão dos destinados aos iPhones.

No geral, não há nada de muito novo na construção interna do iPad mini, que por sinal é bem parecida com a do Air. No fim das contas, o mini recebeu nota 3 (em uma escala de 0 a 10) em reparabilidade.

“Efeito geleca”

Há alguns dias, o “jelly scrolling” (ou “efeito geleca”) ganhou bastante atenção da mídia. Caso você não esteja familiarizado, esse é um efeito causado quando o painel não atualiza em toda a sua extensão de forma simultânea, resultando em um atraso quase imperceptível de um lado da tela para o outro.

Segundo a Apple, esse é um “comportamento normal” para telas de LCD2 com taxas de atualização tradicionais, de 60Hz — informação com a qual a iFixit não só concorda, como demonstra o motivo de isso ser mais perceptível no novo iPad mini.

Como os pixels em uma tela tradicional atualizam em fileiras, a direção na qual a tela é atualizada importa bastante. Essa direção está relacionada ao posicionamento da placa controladora do display, que no caso do iPad mini — diferentemente do Air (no qual a placa controladora está localizada acima da tela) — fica ao lado direito do display.

teardown iPad mini 6a geração

Quando os pixels da tela são atualizados na direção horizontal, ou seja, quando o movimento de deslizar está sendo realizado na orientação vertical (segurando o iPad na orientação retrato) o “jelly scrolling” é mais perceptível.

Quando se desliza paralelamente à direção onde a tela está sendo atualizada, o display ainda não está sendo atualizado de uma vez só, mas o efeito é bem menos perceptível já que o texto na tela não está sendo dividido.

Publicidade

Geralmente, os monitores “mascaram” esse efeito posicionando a placa controladora na mesma direção de rolagem da tela. Por isso que o efeito não é perceptível quando o iPad mini está na orientação paisagem — dessa forma, o controlador está paralelo à direção de rolagem da tela.

Já no iPad Pro, que apesar de possuir a placa controladora na vertical (assim como o iPad mini), o efeito não é tão perceptível graças à taxa de atualização de 120Hz.


Miniatura do iPad mini de sexta geração
iPad mini de Apple Preço à vista: a partir de R$5.579,10
Preço parcelado: em até 12x de R$516,58
Cores: cinza espacial, rosa, roxo ou estelar
Capacidades: 64GB ou 256GB
Lançamento: setembro de 2021
Geração: 6ª geração

NOTA DE TRANSPARÊNCIA: O MacMagazine recebe uma pequena comissão por cada venda concluída por meio dos links deste post, mas você, como consumidor, não paga nada mais pelos produtos comprando pelos nossos links de afiliado.

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
App Mensagens no iPhone

Bug no Mensagens do iOS 15 apaga fotos salvas pelo usuário

Próximo Artigo
Lisa Jackson e estudantes da Apple Developer Academy

Apple terá Developer Academy na Coreia do Sul para evitar multa

Posts Relacionados