O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Na Web Summit em Lisboa, Craig Federighi discursa contra sideloading no iOS

Conforme cobrimos nas últimas semanas, o vice-presidente sênior de engenharia de software da Apple, Craig Federighi, apresentou hoje na Web Summit 2021, em Lisboa (Portugal), uma keynote focada em privacidade e segurança.

Publicidade

Quem nos segue pelo Instagram acompanhou — via Stories — alguns clipes ao vivo da apresentação, já que tive a oportunidade de comparecer ao evento in loco para conferir o que Federighi tinha a nos dizer. Essa foi, provavelmente, a primeira keynote feita por ele presencialmente desde o início da pandemia.

A keynote estava prevista para durar meia-hora e, de fato, não passou disso. O que não sabíamos, antes dela, era que foco Federighi daria à sua apresentação; e ela trouxe um tema bastante atual para a Apple, funcionando quase que do começo ao fim como um discurso oficial da empresa contra o sideloading de apps no iOS — isto é, de abrir as portas para que usuários possam instalar apps de qualquer fonte (fora da App Store).

Não foi por menos que o executivo escolheu esse tema, afinal, a Apple tem sido alvo de inúmeras investigações antitruste e também processos judiciais que envolvem essa e outras questões — inclusive, e talvez principalmente no caso de um evento como esse realizado na Europa, o chamado Digital Markets Act (Ato Legislativo sobre os Mercados Digitais).

Na primeira parte de sua apresentação, Federighi explicou de forma um tanto lúdica e simples como funciona todo o esquema de segurança do iOS desde a sua gênese — incluindo as proteções de software implementadas pela Apple no sistema operacional em si, mas também o processo de revisão manual de cada app publicado na loja e o fato de esse ser o único meio, oficial, de usuários buscarem e instalarem aplicativos e jogos em seus iPhones e iPads.

Publicidade

Como um engenheiro que deseja que o iPhone permaneça o mais seguro possível para nossos usuários, há uma parte com a qual me preocupo: a provisão que exigiria que o iPhone permitisse sideloading. Em nome de dar aos usuários mais opções, essa disposição tiraria a escolha do usuário de uma plataforma mais segura.

Durante talvez dois terços do discurso dele, tive a impressão de que ficaríamos no mesmo “blá, blá, blá” de sempre, mas Federighi deixou mais para o final talvez a parte realmente interessante do discurso, que foram argumentos contra quem sempre alega que a Apple deveria dar ao próprio usuário a opção de escolher se quer ou não fazer sideloading de apps em seus dispositivos.

O executivo levantou alguns pontos importantes que rebatem esse argumento, deixando claro que a coisa não é tão simples quanto parece. Alguns exemplos:

  • Abrir essa possibilidade permitiria que desenvolvedores *escolhessem* não estar na App Store por qualquer motivo que seja, como por exemplo evitar as proteções de privacidade estipuladas pela Apple. Nesse caso, muitos usuários se veriam forçados a baixar certos aplicativos de fora da loja já que não teriam escolha.
  • Essa abertura também daria a crackers as ferramentas e o ambiente de que precisam para fazer ataques mais direcionados a usuários desatentos, como os muitos casos, por exemplo, de clones “perfeitos” do Google Play que existem no mundo Android.
  • É possível que usuários avançados conseguissem manter controle total sobre a procedência dos apps que instalam em seus iPhones e iPads, mas e as milhões de outras pessoas não tão experientes assim? Maridos/esposas, filhos(as), tios/tias, avôs e avós… Definitivamente, eles ficariam mais vulneráveis da noite pro dia.

Enfim, a polêmica não é pequena e não acabará por aqui. O fato de Federighi ter escolhido esse como tema para uma keynote dessa magnitude demonstra a preocupação que a Apple tem pela possibilidade de ser forçada, mais cedo ou mais tarde, a permitir sideloading no iOS. Pelo tom do discurso que assisti hoje, ela lutará até o fim, com todas as forças, contra isso.

Publicidade

Para quem quiser assistir à keynote toda, aqui está:

No fim das contas, todos sabemos que há um forte interesse comercial por parte da Apple em manter todo esse controle — seja de forma direta, lucrando por cada app vendido em sua loja, ou indireta, por meio do discurso de que o iOS é a plataforma móvel mais segura e privada do mundo (e atraindo, assim, consumidores para o seu ecossistema).

Eu, como usuário experiente, gostaria sim de ter essa opção e todo o controle em minhas mãos — como tenho desde sempre no mundo Mac, por exemplo. Mas é inegável que alguns argumentos a favor da Apple são bastante pertinentes.

De um jeito ou de outro, foi para mim um privilégio ter a oportunidade de assistir a uma keynote de Federighi, mesmo que breve e sem grandes novidades, tão pertinho de onde eu moro hoje em dia. Até a próxima Web Summit! 😊

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Prévia de post do Instagram no Twitter

Instagram agora mostra prévia de postagens no Twitter

Próximo Artigo
Matt Dillon, Bernadette Peters, Christine Taylor

Apple TV+: elenco de "High Desert" ganha seis novos membros

Posts Relacionados