O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

iPhone e carregador
nodi.jpg / Shutterstock.com

Dono de iPhone 11 receberá carregador e indenização de R$3 mil

Mais um consumidor da Apple insatisfeito com o fato de o iPhone não vir mais com carregador na caixa processou a companhia e o Magazine Luiza, na Bahia, para tentar resolver o caso — spoiler: ele conseguiu.

Publicidade

Segundo informações do ConJur, o consumidor alegou que adquiriu um iPhone 11 no site do Magazine Luiza e, ao constatar a ausência do carregador, aduziu que a situação se trata de venda casada.

Como em outros casos, a Apple se defendeu dizendo que passou a vender seus aparelhos sem o adaptador de energia e sem o fone de ouvido para “diminuir o impacto climático”, ressaltando ainda que o aparelho pode ser carregado em qualquer computador por meio de uma porta USB.

Na decisão judicial [PDF], o magistrado acolheu a alegação do consumidor e considerou que as empresas praticaram venda casada, já que o carregador “é um item essencial e indispensável para o uso do produto”.  Ele ainda alegou que a justificativa da Apple de preocupação climática não torna lícito o seu comportamento. 

Publicidade

Entretanto, isto não torna lícita a medida adotada pela fabricante. Senão vejamos. Não é de hoje que, a pretexto de colaborar com a preservação do meio ambiente, fornecedores vêm lançando mão de campanhas cuja finalidade é, no mínimo, questionável.

Um bom exemplo disso foi a repentina supressão do fornecimento de sacolas plásticas em supermercados, que os fornecedores do ramo tentaram emplacar, em alguns locais com êxito. Deixaram de considerar, contudo, que o valor dos produtos adquiridos no supermercado já considerava a despesa com as sacolas plásticas, não havendo nenhuma comprovação de que a redução do custo foi repassada ao consumidor.

O caso em tela não é diferente. Ora, o carregador é um item essencial e indispensável para o adequado uso do produto, sendo que o fato de permitir que o carregamento seja feito por meio de um cabo ligado a um computador é inadmissível, eis que é uma distorção de sua finalidade, além de obrigar o consumidor a sempre ter um computador por perto para que possa carregar o celular.

O juiz alegou, ainda, que a Apple não demonstrou, mesmo com a evidente diminuição no custo final do produto, a redução do valor para o consumidor.

Se assim o fizesse, com efeito, não haveria nenhuma abusividade, eis que desta forma tratar-se-ia de uma opção dada ao consumidor em adquirir ou não o item. Mas não é o caso dos autos.

O magistrado determinou o Magazine Luiza e a Apple a indenizarem o comprador em R$3 mil e a entregarem, no prazo de 10 dias, um carregador compatível com o iPhone adquirido — sob pena de incorrer em multa moratória diária de R$200, até o limite de R$5 mil.

A Apple muito provavelmente recorrerá da decisão.


Miniatura dos iPhones 13 Pro e 13 Pro Max
iPhones 13 Pro e 13 Pro Max de Apple Preço à vista: a partir de R$8.549,10
Preço parcelado: em até 12x de R$791,58
Cores: azul-sierra, prateada, dourada ou grafite
Capacidades: 128GB, 256GB, 512GB ou 1TB
Lançamento: setembro de 2021

Miniatura dos iPhones 13 e 13 mini
iPhones 13 e 13 mini de Apple Preço à vista: a partir de R$5.939,10
Preço parcelado: em até 12x de R$549,92
Cores: rosa, azul, meia-noite, estelar ou (PRODUCT)RED
Capacidades: 128GB, 256GB ou 512GB
Lançamento: setembro de 2021

NOTA DE TRANSPARÊNCIA: O MacMagazine recebe uma pequena comissão de vendas concluídas por meio de links deste post, mas você, como consumidor, não paga nada mais pelos produtos comprando pelos nossos links de afiliado.

via Thássius Veloso

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Montagem de Tim Cook segurando dinheiro

Tim Cook afirma já ter investido em criptomoedas

Próximo Artigo
Recurso "Kids Clips" de vídeos curtos no app da Netflix

Estilo TikTok: Netflix testa feed com clipes curtos para crianças

Posts Relacionados