O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Review: Apple Watch Series 7, um upgrade incremental

No ano passado, quem escreveu o review do Apple Watch Series 6 para nós, aqui no MacMagazine, foi o Diogo Pires. Isso porque, como muitos de vocês sabem, eu resolvi pular a geração e mantive o meu Series 5 — que o Edu avaliou em outubro de 2019.

Publicidade

Na verdade, o último review do Apple Watch escrito e publicado por mim aqui foi o do Series 3, em 2017, mas cá estou agora há algumas semanas com o Series 7 para lhes trazer todas as minhas impressões.

Logo de cara, adianto que não houve uma novidade específica no Apple Watch Series 7 que me convenceu a fazer a compra; foi o somatório das novidades do Series 6 com as do 7, junto à minha forte decepção com a bateria do Series 5, que me forçaram a fazer o upgrade este ano.

Simbora, então, conferir tudo o que há de novo no Apple Watch Series 7. Spoiler: não é muita coisa. 😜

Tela e design

Vamos logo de cara para o que mais mudou nesta nova geração, o seu grande chamariz — e que, inegavelmente, é um dos principais componentes de um smartwatch. Sim, a tela do Apple Watch Series 7 está maior e melhor do que nunca.

Publicidade

Do Apple Watch Series 3 para o Series 4, a Apple expandiu bastante a tela do relógio e reduziu as suas bordas, deixando o display em si curvo nos cantos. Agora, do Series 6 para o Series 7, ela expandiu a tela mais uma vez, deixando suas bordas com apenas 1,7mm. Ele é quase todo tela, agora, na parte frontal — segundo a Apple, elas são agora quase 20% maiores do que antes.

Series 3, Series 6 e Series 7

Isso sem dúvida dá um aspecto mais modernoso ao Apple Watch, além de ser muito bacana para ver fotos nele por exemplo. Elementos ficam maiores e mais fáceis de ler, e em muitos casos há até mesmo um benefício ao tocar em certos elementos como os botões da Calculadora.

Em termos de software, porém, a Apple só implementou um único grande diferencial que explora essa tela maior (tirando dois novos mostradores, o Contorno e o Modular Duplo): um teclado QWERTY virtual, com suporte a deslizar (swipe). Todavia, vai entender por que, ao menos por enquanto ele não funciona em português.

Publicidade

Eis um comparativo de resoluções:

38/40/41mm42/44/45mm
Series 3272×340 pixels312×390 pixels
SE324×394 pixels368×448 pixels
Series 7352×430 pixels396×484 pixels

Como vocês podem observar, a resolução do Apple Watch Series 7 menor (de 41mm) é significativamente maior do que a resolução do Apple Watch Series 3 maior (de 42mm). São, ao todo, 28.820 mais pixels na tela; não é pouca coisa.

Mesmo assim, em termos de dimensões do relógio em si, quase nada mudou mas tivemos uma atualização numérica nos modelos. De 40mm e 44mm, agora passamos para 41mm e 45mm; essa é a medida vertical da caixa dele, vale notar.

Publicidade

Tirando um novo desenho do recorte lateral do alto-falante e o próprio visual dos sensores traseiros, que havia mudado na geração anterior, eu ainda considero esse projeto de design o mesmo do Apple Watch Series 4. E uma coisa boa de a empresa não ter feito uma mudança drástica, até hoje, é que as pulseiras todas continuam compatíveis aqui — desde a primeiríssima geração do relógio. Isso nem “combina” muito com a Apple, mas não vamos reclamar né!

Algo curioso, este ano, foi a escolha de cores feita pela Apple — especialmente nos modelos de alumínio. Não temos, desta vez, opções neutras como cinza espacial ou prateada; estas foram “substituídas” pela meia-noite (minha escolha, porque é similar ao cinza espacial mas tem uma ligeira tonalidade azul) e pela estelar (como eu gosto de chamar, me parece um “champanhe aguado”).

Há também uma nova caixa verde, bem bonita para quem curte.

Tela Sempre Ativa

Ué, Rafael, outro tópico sobre tela? Sim, pois merece.

Desde o Apple Watch Series 5, temos no relógio um modo de Tela Sempre Ativa — que, sem dúvida nenhuma, foi o que mais impactou a bateria daquela geração. Quando a minha começou a desgastar um pouco, em dias que eu ia à academia houve vezes em que por volta de 22h ele já tinha que entrar em Modo Pouca Energia.

Bem, eu já tinha ouvido comentários de que a Tela Sempre Ativa do Apple Watch Series 6 estava um pouco mais brilhante e que o problema da bateria havia sido resolvido. Agora, no Series 7, isso está ainda melhor.

A diferença no brilho da tela nesse modo quando comparo o Apple Watch Series 5 com o Series 7 é gritante. No Series 5, dava para ver que a tela continuava ligada, mas ela ficava bem apagadinha; se você estivesse na rua, sob o sol, quase não dava para enxergar nada. Agora, no Series 7, a Apple conseguiu aumentar tanto o brilho da Tela Sempre Ativa que, quando levanto o braço, nem percebo mais um grande aumento no brilho para o modo normal.

Para mim, essa foi uma mudança muito significativa e perceptível no Apple Watch Series 7, algo que realmente faz diferença no dia a dia quando eu preciso conferir algo rapidamente na tela do relógio sem ter que levantar o meu braço.

Bateria e recarga rápida

Eu acho, realmente, que a Apple “forçou a barra” com a Tela Sempre Ativa do Series 5 — a bateria dele, junto ao seu chip e software, não estavam preparados para tal. Minha experiência com o Series 7, nesse sentido, está ótima.

Claro, precisamos ajustar aqui as nossas expectativas e aceitar o fato de que o Apple Watch é um device destinado a ser recarregado todos os dias — seja uma vez só, durante a noite (como eu faço), ou múltiplas vezes durante o dia (algo bastante beneficiado nesta geração, pela recarga rápida).

Sendo assim, quando falo que a minha experiência está “ótima”, refiro-me ao fato de que, com a Tela Sempre Ativa ligada e fazendo cerca de uma hora de exercício, consigo ainda chegar o fim do dia com cerca de 30% de bateria restante. Já tive dias em que fui dormir com pouco menos de 20%, assim como uma vez ela ainda estava acima de 50% — acho que foi num fim de semana, que costumo receber menos notificações push.

Claro que seria bacana já termos chegado a um estágio em que a bateria do Apple Watch durasse dois ou três dias, mas será que isso faria tanta diferença assim? Você ainda teria que se preocupar com isso e ver se já chegou a hora de recarregar ou não. Bom, mesmo, seria se ela durasse uma semana inteira; aí, sei lá, a gente se programava para só colocar ele para recarregar no domingo. Quem sabe um dia…

Posto o fato de que a autonomia da bateria está okay, outra ótima novidade do Apple Watch Series 7 é a sua recarga rápida — até 33% mais rápida que o Series 6 e, em meus testes, até 50% mais rápida que o Series 5.

Especialmente para quem prefere dar pequenas recargas no relógio durante o dia e/ou quem gosta de dormir com ele monitorando o sono (oito minutos conectado são suficientes para oito horas de sono!), isso é extremamente bem-vindo. Fora aqueles momentos em que você percebe que esqueceu de recarregar e precisa do máximo de bateria possível em poucos minutos.

Observação importante: para usufruir da recarga rápida, é preciso usar o carregador magnético com ponta USB-C que está incluso na caixa do Apple Watch Series 7 — e, por sinal, agora tem acabamento em alumínio. Ele ainda funciona com carregadores antigos (incluindo docks, stands, etc.), mas não em modo de recarga rápida.

Resistência

O Apple Watch é oficialmente à prova d’água (até 50m) desde a geração Series 2, e nesta nova geração ganhou uma classificação IP6X — agora também oficialmente resistente a poeira/sujeira. Não sei o quanto isso fará diferença na prática, mas algo parece ter melhorado.

Desde “sempre”, os Apple Watches mais caros — de aço inoxidável e os modelos Edition (de ouro, cerâmica ou titânio) — usam um cristal safira sobre a tela, bem mais resistente a arranhões do que o vidro de íons-X usado nos modelos de alumínio.

Isso não mudou este ano, mas a Apple promete agora o “cristal frontal mais resistente a rachaduras” — sem especificar se essa melhoria se aplica a todos os modelos. 🤷🏼‍♂️

Sensores e recursos

Na minha opinião, o Apple Watch é um produto que deveria ganhar ao menos um grande novo recurso por geração — e nem sempre isso tem acontecido.

Neste ano, por exemplo, não temos nenhum novo sensor ou recurso especial. Na verdade, a única coisa que a Apple prometeu foi que ele agora é capaz de detectar quedas também enquanto estamos pedalando/fazendo exercícios de bicicleta.

Mas, como vocês sabem, eu estou “vindo” de um Apple Watch Series 5 — então preciso “somar” aqui também as novidades que vieram no ano passado, com o Series 6. E eu não havia pulado aquela geração à toa; são duas novidades, para mim, “okay”. A primeira é um oxímetro, isto é, a possibilidade de ele medir o seu nível de oxigenação do sangue; a segunda é um altímetro mais preciso, sempre ativo.

Não vou aqui menosprezar o oxímetro; é um bom recurso, e mais uma coisa que pode, sim, ajudar a salvar vidas. Mas também não podemos exagerar e colocá-lo no mesmo nível de um eletrocardiograma (ECG), por exemplo — novidade que chegou no Apple Watch Series 4. O altímetro, para quem faz trilhas/escaladas, é bacana; para mim, que subo no máximo dois lances de escada por dia… meh.

Há três grandes novidades esperadas para o futuro do Apple Watch, neste quesito:

  • Aferição de temperatura: isto era algo mencionado nos rumores sobre o Apple Watch Series 7 e acho, sim, que deveria ter chegado este ano e tornaria o pacote da geração atual muito, muito mais atraente. Uma pena que não tenha vindo, mas eu diria ser algo praticamente “certo” para o modelo de 2022.
  • Pressão arterial: também é algo que muita gente sente falta há tempos no Apple Watch e que já começa a aparecer em alguns concorrentes. Não sei se já chegará no ano que vem ou se a Apple preferirá separar e deixar essa como a grande novidade de 2023 (no “Series 9”), mas espero que chegue logo.
  • Medidor de glicose: este será, certamente, um game changer quando aterrissar. Mas é, sem dúvida nenhuma, o mais desafiador e complexo de todos; não espero isso chegando ao Apple Watch antes de 2024 ou 2025.

Até mesmo o chip/SoC do Apple Watch quase não mudou, este ano (mesmo sendo chamado agora de S7). Acho um pouco esquisito, mas não chega a ser algo que eu pontuaria negativamente — afinal, a performance de uso do relógio já está bem satisfatória há alguns anos.

Linha atual

Além do Apple Watch Series 7, restaram na linha deste ano o Apple Watch SE e, estranhamente, o Apple Watch Series 3.

O Apple Watch SE oferece um baita custo-benefício, especialmente para quem nunca teve um Apple Watch antes. Ele já tem um aspecto moderno, com tela grande, e muitos recursos atuais. As duas grandes faltas dele são a Tela Sempre Ativa e o ECG, apenas.

Já o Apple Watch Series 3 é um modelo já bem datado, com aspecto ultrapassado e uma tela pequena/quadrada. Ele tem pouco armazenamento interno (apenas 8GB, contra 32GB dos atuais), o que às vezes gera até problemas ao aplicar atualizações do watchOS — não é por menos, foi lançado originalmente em 2017.

Eu teria perdido qualquer aposta se fosse adivinhar que a Apple manteria o Series 3 em linha neste ano; acho isso um erro por parte da empresa, ainda mais considerando que o preço dele não foi alterado do ano passado para cá.

Com relação ao Apple Watch Series 7, mantemos os modelos de alumínio (GPS ou GPS + Cellular), aço inoxidável e Edition (de titânio), além das versões especiais Nike e Hermès. Quase nada mudou, aqui — até mesmo a conectividade celular continua sendo 3G/4G, nada de 5G ainda.

Conclusão

Taí uma conclusão, que fugindo à regra, é simples de se fazer. Afinal, vale a pena investir num Apple Watch Series 7?

Linha de Apple Watches Series 7 de lado em várias cores

Se você:

  • Não tem um Apple Watch ainda: sim, vale demais. É o melhor e mais completo Apple Watch já criado, mas também recomendaria facilmente a compra de um Apple Watch SE no seu caso, se não quiser gastar tanto.
  • Tem um Apple Watch original, Series 1, 2 ou 3: o upgrade vale *muito* a pena!
  • Tem um Apple Watch Series 4: é um salto bem legal e ainda perceptível, mas avalie mesmo se você faz questão do display maior, da Tela Sempre Ativa, do oxímetro, do altímetro sempre ativo, da bússola (novidade que chegou com o Series 5) e da recarga rápida. Eu diria que, se ao menos duas destas coisas lhe interessarem, o upgrade é válido.
  • Tem um Apple Watch Series 5: aqui você estaria na mesma situação que eu estava este ano, e acabei fazendo a troca pelos motivos supracitados. Estou satisfeito, principalmente porque a bateria do meu estava ruim (e já havia sido trocada uma vez), mas a partir daqui eu sinceramente já acho que recomendaria esperar o “Series 8”.
  • Tem um Apple Watch Series 6: não vale a pena o upgrade.
  • Tem um Apple Watch SE: neste caso, não deve ter muito tempo que você está com esse relógio porque ele foi lançado em 2020. Então sim, embora o Series 7 tenha diferenças significativas e que valeriam a pena o upgrade, eu sugiro você esperar um pouco mais e dar um salto ainda maior quando sair o “Series 8”.

E vocês, o que acharam do Apple Watch Series 7? ⌚️


Apple Watch Series 7 (miniatura)
Apple Watch Series 7 de Apple Preço à vista: a partir de R$4.769,10
Preço parcelado: em até 12x de R$441,58
Tamanhos: 41mm ou 45mm
Materiais: alumínio, aço inoxidável ou titânio
Características: GPS ou GPS + Cellular
Cores: diversas
Lançamento: setembro de 2021

Apple Watch SE
Apple Watch SE de Apple Preço à vista: a partir de R$3.419,10
Preço parcelado: em até 12x de R$316,58
Tamanhos: 40mm ou 44mm
Material: alumínio
Características: GPS ou GPS + Cellular
Cores: prateada, dourada ou cinza-espacial
Lançamento: setembro de 2020

Miniatura do Apple Watch Series 3
Apple Watch Series 3 de Apple Preço à vista: a partir de R$2.339,10
Preço parcelado: em até 12x de R$216,58
Tamanhos: 38mm ou 42mm
Material: alumínio
Características: GPS ou GPS + Cellular
Cores: prateada ou cinza-espacial
Lançamento: setembro de 2017

NOTA DE TRANSPARÊNCIA: O MacMagazine recebe uma pequena comissão de vendas concluídas por meio de links deste post, mas você, como consumidor, não paga nada mais pelos produtos comprando pelos nossos links de afiliado.

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Close-up de chip com logotipo da TSMC ao fundo

Apesar da crise, chip de 3nm poderá chegar aos "iPhones 14"

Próximo Artigo
Logo da Apple (maçã) colorido e estilizado

Apple The Grove abrirá dia 19/11 em Los Angeles

Posts Relacionados