O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Urbanscape / Shutterstock.com
iPhones 13 à venda em Apple Store na Tailândia

Novo programa de reparo não estenderá vida média de iPhones, aponta pesquisa

Ontem, a Apple surpreendeu seus usuários (e o universo tecnológico em geral) ao anunciar o Self Service Repair, um programa que permitirá que usuários comuns adquiram peças e ferramentas genuínas para realizar determinados reparos em seus iPhones em casa, por conta própria.

Publicidade

O movimento, claro, não foi completamente espontâneo: a Apple sabe que está na mira de uma série de órgãos reguladores ao redor do mundo, e os ativistas do Direito ao Reparo têm feito bastante barulho em prol de opções mais flexíveis para o conserto de aparelhos. Até mesmo acionistas da empresa já se manifestaram a favor de regras mais flexíveis nesse sentido.

Ainda assim, o programa é uma novidade muito bem vinda — mas será que ela fará uma diferença real no universo dos iPhones? Segundo dados da pesquisa mais recente da Consumer Intelligence Research Partners (CIRP), é provável que não.

A firma fez uma pesquisa entre donos de iPhones para avaliar se o programa de fato expandirá a vida útil média dos smartphones. Em outras palavras, a ideia era saber se uma quantidade significativa de usuários recorrerá ao Self Service Repair para realizar consertos nos seus aparelhos e, com isso, adiar a aquisição de um novo iPhone.

Publicidade

O problema é que, de acordo com os achados do estudo, os elementos principais cobertos pelo programa — tela e bateria — ainda estão plenamente utilizáveis em boa parte dos iPhones ativos no mundo.

CIRP sobre iPhones

No caso da tela, especificamente, 65% dos usuários entrevistados têm o componente em condição “perfeita”, enquanto outros 17% têm um painel com riscos, mas utilizável. No caso de outros 12%, o display tem rachaduras ou trincos, mas pode ser utilizado normalmente. Apenas 6% afirmaram ter uma tela com danos que impossibilitam o uso do aparelho.

A bateria já é um ponto um pouco mais delicado: 26% dos entrevistados afirmaram que seus aparelhos duram o dia inteiro (ou mais) longe da tomada, enquanto 34% disseram que o dispositivo dura “boa parte do dia” sem um carregamento extra. Outros 26% afirmaram que o iPhone dura cerca de metade do dia, enquanto 14% disseram que seu aparelho precisa ser recarregado basicamente a cada duas horas.

Publicidade

Resumo da ópera: boa parte dos usuários, segundo a CIRP, ainda têm tela e bateria perfeitamente utilizáveis e não deverão acionar o programa da Apple — e parte da “culpa” sobre isso é o próprio esforço da Maçã em entregar componentes mais duráveis. Segundo Josh Lowitz, analista da firma:

Baseando-se no que os consumidores têm dito sobre a condição dos seus iPhones atuais, em vias de serem trocados, parece que uma quantidade pequena de usuários acionaria o programa para adiar a compra do seu novo smartphone. […] Claramente, os esforços da Apple em melhorar a durabilidade das suas telas e a qualidade das suas baterias está mostrando efeito — mesmo que os usuários continuem reclamando, especialmente sobre bateria. De acordo com o que os usuários dizem sobre a condição dos aparelhos, muitos compradores de novos iPhones têm dispositivos adequadamente utilizáveis.

A pesquisa da CIRP utilizou como amostra 2.000 compradores de iPhones nos Estados Unidos entre outubro do ano passado e setembro de 2021.

E aí, concorda com os achados? Pretende acionar o programa da Apple, caso ele seja disponibilizado por aqui? Deixe suas impressões logo abaixo.

via Apple World Today

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Vídeo "A Dozen Eggs" da campanha "Shot on iPhone"

Novo vídeo "Shot on iPhone" brinca com uma dúzia de ovos [atualizado]

Próximo Artigo
Enfermeira salva pelo Apple Watch

Idosa diz que Apple Watch salvou sua vida com alerta cardíaco

Posts Relacionados