O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

WhatsApp e iMessage são os que mais liberam dados ao FBI

Há ainda informações sobre outros mensageiros como Telegram, Signal, WeChat e mais
Documento do FBI sobre mensageiros

Privacidade na internet é um tema que vem sendo alvo de muitos debates nos últimos anos, chegando até a influenciar muita gente na hora de escolher qual aplicativo de mensagens utilizar, por exemplo. Além de vazamentos na própria rede, usuários estão sujeitos à possibilidade de ter seus dados divulgados para autoridades — dependendo do app utilizado.

Publicidade

Um documento [PDF], obtido pela Rolling Stone, mostra por exemplo como o FBI pode ter acesso a informações de usuários em famosos aplicativos de troca de mensagens, como iMessage, WhatsApp, Telegram e Signal. Enquanto os dois últimos são bastante fechados quanto à divulgação de informações, os dois primeiros podem ser bastante vulneráveis.

Denominado “Acesso Legal”, o documento do FBI mostra que, com uma ordem judicial ou mandado de busca, a Apple entrega informações básicas do usuário, bem como dados de pesquisas no iMessage de 25 dias — feitas tanto pelo usuário-alvo da operação quanto por outras pessoas que a procuraram no mensageiro.

O conteúdo real das mensagens, no entanto, não é disponibilizado por esse meio, mas caso o usuário-alvo tenha feito backup da sua atividade no iCloud, pode acabar cedendo uma enorme quantidade de dados para o FBI. Isso porque os oficiais podem solicitar backups do dispositivo do investigado, que incluem as mensagens trocadas via iMessage (caso sincronizadas na nuvem).

Publicidade

O iCloud é apresentado pela Apple como um serviço criptografado, mas a empresa tem em sua posse a chave capaz de descriptografar o conteúdo (teoricamente seguro). Com um simples mandado de busca, os departamentos ou agências federais podem solicitar essa chave, o que entregaria a eles o conteúdo real das mensagens trocadas.

E o WhatsApp?

Quanto ao WhatsApp, a quantidade de informações que pode ser obtida pelo FBI é um pouco menor, mas também muito preocupante. Segundo o documento, com uma intimação, oficiais conseguirão obter apenas informações básicas dos usuários, mas com um mandado de busca os limites são substancialmente menores.

É que o WhatsApp pode entregar ao FBI tanto dados da lista de contatos do usuário-alvo quanto de outros que tenham o número do investigado salvo em suas agendas. Porém, a vulnerabilidade não para por aí, já que o aplicativo da Meta (ex-Facebook) é o único que pode fornecer dados para o órgão americano praticamente em tempo real.

Publicidade

As agências policiais podem capturar a origem e o destino de cada mensagem enviada para o indivíduo investigado a cada 15 minutos, produzindo certos relatórios com metadados do usuário (o conteúdo real não é divulgado). Segundo o próprio documento, a maioria dos apps de mensagens sempre fornece dados com atraso, e não em tempo real.

Além disso, outra fragilidade em relação ao WhatsApp está diretamente ligada à já mencionada criptografia do iCloud. Como o app da Meta não usa um sistema de armazenamento na nuvem próprio, caso o usuário use um iPhone e faça backup do aplicativo no serviço da Maçã, o conteúdo da mensagem pode ser obtido por esse meio.

Vale recordar que o documento data de janeiro de 2021. Depois disso, o WhatsApp implementou criptografia de ponta a ponta também para backups feitos no iCloud ou no Google Drive, o que pode ter limitado a possibilidade de obtenção de dados através dos serviços de armazenamento na nuvem. Porém, para que isso funcione, como o próprio WhatsApp recomenda, o Backup do iCloud deve ser desativado em todo o dispositivo.

Outros mensageiros

O “Acesso Legal” também fornece informações sobre outros aplicativos. O Signal, ao que tudo indica, é o que mais limita a obtenção de dados por parte das autoridades, fornecendo apenas a data e a hora de registro de um usuário, bem como a última data em que ele utilizou o serviço.

Publicidade

Já o Telegram não fornece nenhuma informação sobre usuários, mas com um porém: em caso de investigações terroristas confirmadas, o app pode fornecer o IP e o número de telefone de determinado indivíduo investigado.

Há ainda informações sobre outros mensageiros menos usados (ao menos no ocidente), como Line, Threema, Viber, WeChat e Wickr.


Ícone do app Mensagens
Mensagens de Apple
Compatível com iPadsCompatível com iPhonesCompatível com Apple Watches
Versão 2.2 (1.5 MB)
Requer o iOS 10.0 ou superior
GrátisBadge - Baixar na App Store Código QR Código QR

Ícone do app WhatsApp Messenger
WhatsApp Messenger de WhatsApp Inc.
Compatível com iPhones
Versão 22.2.75 (212.6 MB)
Requer o iOS 10.0 ou superior
GrátisBadge - Baixar na App Store Código QR Código QR

Ícone do app Signal - Mensageiro Privado
Signal - Mensageiro Privado de Signal Messenger, LLC
Compatível com iPadsCompatível com iPhones
Versão 5.26.10 (214.9 MB)
Requer o iOS 11.0 ou superior
GrátisBadge - Baixar na App Store Código QR Código QR

Ícone do app Telegram Messenger
Telegram Messenger de Telegram FZ-LLC
Compatível com iPadsCompatível com iPhonesCompatível com Apple Watches
Versão 8.4.1 (202.7 MB)
Requer o iOS 9.0 ou superior
GrátisBadge - Baixar na App Store Código QR Código QR

via AppleInsider

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Caixa de iPhones 12

Apple deixa Top 5 em vendas de smartphones na América Latina

Próximo Artigo
Campanha de cashback do Banco do Brasil/Visa para pagamentos no WhatsApp

Banco do Brasil dá até R$25 em pagamentos no WhatsApp

Posts Relacionados