O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Site do NSO Group no iPhone
Derbund

Político da oposição na Polônia foi alvo do spyware Pegasus 33x

Um escândalo se instalou no governo do país por conta das acusações

O spyware Pegasus, da empresa israelense NSO Group, tem pintado com frequência nas manchetes tecnológicas e políticas dos últimos meses, inclusive por casos ocorridos aqui no Brasil. Pois a ferramenta, capaz de invadir e espionar iPhones e smartphones Android, agora está causando uma crise política e tanto em um outro país: a Polônia.

Publicidade

O grupo de pesquisa Citizen Lab, que tem movido esforços para identificar vítimas do Pegasus em diferentes partes do planeta, descobriu recentemente uma campanha de ataques com a ferramenta direcionada a uma série de políticos de oposição no país da Europa Central. O governo polonês, ultranacionalista e de tendências autoritárias, é acusado de promover a campanha de espionagem e perseguição contra seus opositores.

Nesse contexto, alguns casos chamam a atenção pelos números descobertos. O senador Krzysztof Brejza, do partido da oposição Plataforma Cívica Polonesa, teve seu aparelho invadido nada menos que 33 vezes no período de 6 meses que antecedeu as eleições de 2019 no país. À época, a mídia estatal polonesa publicou mensagens particulares de Brejza para prejudicá-lo, o que levou à suspeita de que ferramentas de spyware teriam sido utilizadas.

Além do político, o Citizen Lab descobriu evidências do Pegasus em pessoas públicas como um advogado que representa grupos opositores ao governo da Polônia e uma promotora envolvida num caso que mirava o partido da situação, o Lei e Justiça, cujo caso já cobrimos aqui.

Publicidade

O governo negou categoricamente as acusações e afirmou não ter ligações com o Pegasus e o NSO Group. O Citizen Lab, por sua vez, diz acreditar que a empresa israelense mantém um registro das invasões realizadas pelo spyware, o que poderia — em tese — revelar os agentes propriamente ditos por trás da espionagem.

Resta saber, agora, se as medidas da Apple e das demais empresas contra o Pegasus surtirão algum efeito: a Maçã já processou o NSO Group e busca uma liminar para impedir que a empresa use qualquer um dos seus softwares, serviços ou dispositivos — enquanto a Amazon bloqueou a companhia dos servidores do AWS.

O próprio NSO já sinalizou as intenções de encerrar a comercialização do Pegasus, mas ainda não há nenhuma notícia concreta nesse sentido — e também não é como se ele fosse o único spyware de alto calibre à solta por aí

via AP

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Painel com cotações de criptomoedas como Bitcoin

Coreia do Sul quer banir jogos de criptomoedas da App Store e do Google Play

Próximo Artigo
Xiaomi

Xiaomi pretende liderar vendas de smartphones até 2024

Posts Relacionados