O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Apple Store em Londres lotada de pessoas
Frank Gaertner / Shutterstock.com

Apple a US$3 trilhões — bolha ou oportunidade?

Como você acompanhou aqui no MacMagazine, no primeiro pregão de 2022 a Apple conquistou um feito histórico: tornou-se a primeira empresa do mundo a ultrapassar a marca dos US$3 trilhões em valor de mercado. É verdade que esse valor não foi mantido por muito tempo, mas certamente a empresa irá se consolidar nessa faixa de valor. Além do valor impressionante, chama também a atenção a velocidade com que ela saiu de US$2 para US$3 trilhões: apenas 17 meses!!

Publicidade

Diante dessa notícia, diversos especialistas passaram a discutir se esse valor representa uma realidade de mercado ou uma bolha que pode estourar a qualquer momento. Vale lembrar que a arte de avaliar empresas está longe de ser uma unanimidade. Um dos maiores especialistas do assunto é o indiano Aswath Damodaran, cujo livro “Valuation” (com esse nome mesmo em português) é um bestseller mundial.

Uma vez que este é um site especializado no mundo Apple, acredito que cabe aqui trazer nossos five cents de contribuição para essa discussão. Vamos entender um pouco sobre o que esse valor significa e as variáveis relacionadas à sua avaliação (procurando ao máximo fugir do “financês”); ao final, você poderá tirar suas próprias conclusões.

A lógica do mercado

Primeiramente, vamos analisar um pouco da lógica de precificação do mercado. Lição número 1: na maioria das vezes não há uma lógica. Quem investe nas ações de uma empresa, o faz basicamente com um de dois objetivos: construir patrimônio de longo prazo e receber dividendos ou especular e ganhar na valorização do papel, comprando na baixa e vendendo na alta.

Publicidade

Acontece que esses movimentos de alta e baixa não são necessariamente racionais — aliás, vale lembrar que dois prêmios Nobel de economia foram concedidos a estudiosos das chamadas Finanças Comportamentais. Nossa relação com as finanças é muito mais emocional que racional. Fica aqui uma sugestão de leitura sobre esse tema: “A Psicologia Financeira”, de Morgan Housel, uma excelente leitura para compreender melhor como nos relacionamos com os investimentos.

Mas voltando ao mercado, um dos livros mais famosos sobre investimentos e que foi a bíblia do maior investidor do mundo, Warren Buffett, é o clássico “O Investidor Inteligente” de Benjamin Graham. Buffett, baseado nesse livro, compara o mercado a uma pessoa temperamental que muda de opinião rapidamente sobre as empresas e sua “irritação” pode baixar o preço das ações de uma organização sem um motivo real, assim com seu “otimismo” pode aumentar as ações de maneira infundada. Por isso é tão difícil a vida dos “day traders”, que tentam entender o mercado dentro do pregão de um dia, tarefa hercúlea e que costuma dar dinheiro apenas para quem vende cursos na área.

Sendo assim, Graham aconselha que a melhor forma de investir é escolher boas empresas, com perspectiva de crescimento e lucratividade futuros, além de solidamente estabelecidas tanto financeira quanto economicamente. A esse tipo de análise, se dá o nome de “Análise Fundamentalista”. No livro “O jeito Warren Buffett de Investir”, existe um conteúdo bastante acessível e interessante sobre como analisar empresas sob essa ótica.

Publicidade

Resumo da ópera: de forma bem simples, uma das maneiras mais seguras de avaliar empresas que representam bons investimentos não está relacionada necessariamente ao hoje, mas a seus fundamentos com foco no longo prazo e que podem garantir sua longevidade, lucratividade e sustentabilidade no futuro.

Fundamentos da Apple

Como toda empresa de capital aberto (aquelas que possuem ações em bolsas de valores), a Apple disponibiliza publicamente — a cada trimestre — seus relatórios econômicos e financeiros, bem como o consolidado por ano. Caso você tenha curiosidade, pode acessá-los (naturalmente em inglês) na página de relação com investidores. O relatório é bastante interessante e não traz apenas números, mas as perspectivas da empresa e sua visão de produtos.

Para este artigo, peguei apenas três indicadores para demonstrar a força da empresa.

  • Crescimento em vendas: nesta primeira tabela, podemos observar o crescimento de vendas da Apple em 2021 em relação a 2020 (lembrando que o ano fiscal da empresa se encerra em setembro). Nota-se um crescimento de 33% nas vendas gerais, alcançando mais de US$365 bilhões, com destaque para os iPhones que cresceram suas vendas em 39%.
Fonte: Form 10-K da Apple
  • Despesas Operacionais: aqui, encontramos um demonstrativo das despesas operacionais da Apple. Podemos notar que impressionantes 12% são de despesas, um valor bastante baixo. Não estamos analisando aqui o custo dos produtos em si, mas as despesas para que eles sejam vendidos, divididas em dois grupos: pesquisa e desenvolvimento (6%) e despesas gerais de vendas e administrativas (6%). Um número que demonstra a eficiência da empresa em sua operação.
Fonte: Form 10-K da Apple
  • Margem bruta: esse número refere-se ao percentual de lucro que a empresa tem antes de despesas operacionais, impostos e despesas financeiras. Mais uma vez, os números são impressionantes. Em seus produtos, a margem da Apple chegou a 35,3% em 2021 e nos serviços, expressivos 69,7%, alcançando a média de 41,8% de margem bruta geral.
Fonte: Form 10-K da Apple

Poderíamos falar de muitos outros indicadores aqui, como liquidez, fluxo de caixa, endividamento, etc., mas o objetivo não é dissecar os relatórios, e sim destacar pontos interessantes que demonstram as perspectivas futuras da empresa.

Vantagem competitiva

Para Buffett, além de fundamentos sólidos, uma empresa precisa ter o que ele chama de Vantagem Competitiva, ou seja, um pacote de produtos e serviços que a diferencie de outras e possam mantê-la distante de suas concorrentes.

Publicidade

Quando analisamos o futuro da Apple, podemos ter uma perspectiva bastante promissora. A área de serviços (que, como vimos, traz uma margem bruta impressionante de 69,7%) está apenas começando. O serviço de streaming tem recebido milhões de dólares em investimento para novas produções e conteúdo com foco em diferentes públicos; a chegada do Lossless e do Áudio Espacial representaram um diferencial para o Apple Music; o serviço Fitness+ pode ser considerado ainda um bebezinho e tem um espaço enorme para crescer, tendo em vista o aumento constante do interesse das pessoas em cuidar da saúde.

Analisando seus produtos, a chegada do Apple Silicon, revolucionando os chips da empresa, a constante busca pelos iPhones, a liderança de mercado do iPad e as perspectivas dos óculos de VR/AR e do “Apple Car”, podemos ver que existe muito ainda para ser explorado.

Será que Buffett considera a Apple uma que encaixa em seus critérios de investimento? Bom, vale lembrar que sua empresa, a Berkshire Hathaway, compra sistematicamente ações da Apple desde 2016, atingindo uma participação de cerca de 5% no capital da investidora em 2018. Mesmo que tenha diminuído um pouco sua posição, calcula-se que essa recente valorização da fabricante dos iPhones tenha representado cerca de US$160 bilhões para o velhinho investidor inteligente.

Conclusão

Longe de ser uma recomendação de investimento, uma análise profunda de mercado ou uma avaliação do valor de mercado da Apple, o objetivo deste artigo foi apenas trazer alguns dados interessantes sobre a empresa mais valiosa do mundo. Se você pensa em investir no longo prazo e tem estômago para suportar as variações da bolsa, essa pode ser uma boa opção. Tomei essa decisão dois anos atrás e não tenho do que me arrepender!

E você? O que acha do investimento em Apple? Quer ser só consumidor mesmo ou deseja ser sócio do Tim Cook? Deixe as suas impressões aí nos comentários!

NOTA DE TRANSPARÊNCIA: O MacMagazine recebe uma pequena comissão de vendas concluídas por meio de links deste post, mas você, como consumidor, não paga nada mais pelos produtos comprando pelos nossos links de afiliado.

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior

Vídeo: 10 dicas para a bateria do seu Mac durar mais

Próximo Artigo
Homem usando um Apple Watch e um iPad

Como enviar ou responder um email usando o Apple Watch

Posts Relacionados