O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Shutterstock.com
Mulher segurando um cartão de crédito

Governo se compromete a zerar IOF até 2029; iPhones, Macs e mais ficarão “mais baratos” no exterior

O governo brasileiro anunciou esta semana que pretende zerar o famoso IOF (imposto sobre operações financeiras), o qual incide em operações cambiais internacionais como compras estrangeiras, cambio de moedas e operações realizadas com cartões de crédito internacionais.

Publicidade

Porém, antes de sair por aí gastando, saiba que a redução da alíquota — que hoje chega a 6,38% — deverá ser gradual, e tem prazo para ocorrer até 2029.

A medida é um compromisso firmado com a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Em carta enviada à OCDE, o ministro da economia, Paulo Guedes, se comprometeu a reduzir de forma gradativa o IOF cobrado sobre transações com cartões de débito, crédito e pré-pagos já a partir do ano que vem. A alíquota de 6,38% será reduzida um ponto percentual por ano a partir de 2023, chegando a zero em 2029.

Por outro lado, a alíquota de 6% cobrada sobre a entrada/saída de recursos estrangeiros com permanência de até 180 dias será zerada em um prazo de até 180 dias. O país também se comprometeu a zerar o IOF cobrado sobre o câmbio de moedas estrangeiras em espécie e taxas de cambio relacionadas à transferência de fundos de brasileiros para contas no exterior — uma cobrança, hoje, de 1,1%.

Publicidade

Por fim, o IOF cobrado sobre outras operações cambiais (atualmente de 0,38%) será zerado somente em 2029. Guedes ressaltou que a medida deverá gerar uma renúncia fiscal de R$7 bilhões até o fim da década.

Entretanto, o secretário de assuntos econômicos internacionais do Ministério da Economia, Erivaldo Gomes, deixou a entender que a redução do IOF não impede que o governo crie mais à frente algum outro tipo de imposto cambial caso haja necessidade.

Vale notar que, além do Brasil, os novos integrantes do OCDE incluem, também, a Argentina, o Peru, a Croácia, a Bulgária e a Romênia. O processo de adesão costuma demorar de três a quatro anos.

Publicidade

De qualquer forma, com essa notícia, não só viagens internacionais como também a compra de produtos estrangeiros serão bastante beneficiadas. Com o dólar e o euro no preço que estão, a redução da alíquota aliviará o baque de comprar de produtos da Apple, por exemplo, no exterior. 🤑

Recentemente, vale notar, o Governo Brasileiro também dobrou para US$1.000 a cota para produtos isentos de impostos em viagens internacionais.

via Melhores Destinos

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Veículo autônomo da Apple

Apple expande equipe de testes do seu carro autônomo

Próximo Artigo
Erro no aplicativo Coronavírus - SUS

App Coronavírus - SUS impede validação de teste de COVID-19

Posts Relacionados