O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Apple Studio Display: 1998 x 2022

Apple Studio Displays: relembrando 24 anos de história

Depois de quase 20 anos, a família está de volta

Ontem, a Apple iniciou um novo capítulo na sua trajetória de décadas no universo dos monitores com o Studio Display, uma nova opção um pouco mais barata para quem não quer gastar R$45 mil nos recursos e características profissionais do Pro Display XDR — aqui, analisamos todas as diferenças (e semelhanças) entre os dois monitores atualmente à venda pela Maçã.

Publicidade

Embora o nome Studio Display seja uma clara referência ao fato de que o monitor é pensado para ser uma “companhia” ao (também recém-lançado) Mac Studio, quem já acompanha a Apple há um tempinho sabe que a empresa vendeu, lá na virada do século, alguns monitores com o mesmíssimo nome.

Considerando isto, como o novo Studio Display leva adiante a tocha outrora carregada pelos seus antepassados? Para entender essa dinastia de monitores e o que os une (ou… não), vamos dar uma olhada abaixo em todos os Studio Displays já lançados pela Apple.

LCD, 15 polegadas (1998 – 2000)

O primeiro Apple Studio Display foi apresentado em março de 1998 e tinha uma tela LCD1 de 1024×768 pixels, com 180 nits (ou cd/m², como se falava à época) de brilho e taxa de contraste de 200:1.

Modelos antigos do Apple Studio Display
Imagem: y2kaestheticinstitute no Tumblr

A Apple pedia US$2 mil pelo produto, que tinha uma porta DA-15, uma S-Video e uma de vídeo composto para entrada de sinal, além de uma porta ADB para periféricos, uma saída para fones de ouvido de 3,5mm e conectores de áudio RCA.

Publicidade

Sua construção em plástico na cor grafite o colocou como um dos produtos da Maçã a inaugurar a estética translúcida, antecipada pelo eMate no ano anterior — o icônico iMac G3 seria apresentado apenas cinco meses depois, em agosto.

A primeira versão do Studio Display era pensada como uma companhia para o Power Macintosh G3 — que, à época, ainda existia somente no design “antigo”, de plástico bege fosco. Quando o novo modelo do desktop foi introduzido em versão translúcida azul e branca, em 1999, a Apple lançou duas outras opções mais coloridas para o Studio Display, chamadas “ice white” e “blueberry”; a atualização também diminuiu o seu preço (para US$1.100) e aumentou o brilho da sua tela, que passou a ser de 200 nits.

Modelos antigos do Apple Studio Display
Imagem: AlecLikesMacintosh no Tumblr

O Studio Display original foi descontinuado em julho de 2000, substituído por modelos mais modernos — ou simplesmente diferentes, como veremos abaixo.

CRT, 17 e 21 polegadas (1999 – 2000)

Para atender a uma maior parcela do público, a Apple lançou, em agosto de 1999, uma versão CRT2 do Studio Display, mais barata. Eram dois modelos, de 17 e 21 polegadas, ambos com resolução máxima de 1600×1200 pixels — o modelo menor, com tecnologia Diamondtron da Mitsubishi, custava US$500, enquanto o maior, com tecnologia Trinitron da Sony, saía por US$1.500.

Ambos, como é possível notar, se aproveitaram bastante da onda do plástico translúcido popularizada pelo iMac G3 — havia versões blueberry, com o característico azul-piscina, e grafite. Eles recebiam sinal através de uma porta VGA, mas abriam mão dos recursos de áudio e dados.

Modelos antigos do Apple Studio Display

Os modelos iniciais do Studio Display CRT não duraram muito: foram descontinuados em julho de 2000, substituídos pelo…

CRT (ADC), 17 polegadas (2000 – 2001)

…último monitor CRT já feito pela Apple — e que monitor! Uma das peças de design mais icônicas já feitas pela empresa, o Studio Display CRT do ano 2000 era enclausurado numa peça de acrílico completamente transparente, que valorizava a construção intrincada do seu interior e o glorioso tubo de raios catódicos. Até mesmo o seu pedestal era feito do mesmo material transparente.

Modelos antigos do Apple Studio Display

Lançado em julho de 2000, este modelo do Studio Display também custava US$500 e tinha especificações semelhantes às do seu antecessor de 17″, com tecnologia Diamondtron (da Mitsubishi) e resolução máxima de 1600×1200 pixels.

Publicidade

A grande novidade técnica era a introdução da porta ADC (Apple Display Connector), um conector proprietário que combinava sinais de vídeo digital e analógico, dados USB (eram duas portas para conexão de periféricos) e energia — uma espécie de antepassado do Thunderbolt, por assim dizer, e uma grande inovação técnica para o período.

Ainda que inovador e belíssimo, o último Studio Display com tecnologia CRT também não durou muito: ele foi descontinuado em maio de 2001, quando a Apple deu o adeus definitivo aos monitores de tubo e abraçou de vez, na entrada do século, a tecnologia LCD. Falando nela…

LCD (ADC), 15 e 17 polegadas (2000 – 2003)

Fechando a “era clássica” do Studio Display, os modelos LCD de 15 e 17 polegadas com conector ADC foram os mais longevos da família até hoje, com uma vida média de três anos. Eles também representaram, de certa forma, a ponte entre a era do plástico translúcido e a linguagem de design do policarbonato branco que caracterizou a Apple na primeira metade da década de 2000.

Modelos antigos do Apple Studio Display

O modelo de 15″ chegou primeiro, em julho de 2000, por US$1 mil — até o ano seguinte, ele foi chamado de Studio Display LCD, uma vez que dividia os holofotes com o irmão CRT visto logo aqui acima. O painel tinha resolução de 1024×768 pixels, com 230 nits de brilho e taxa de contraste de 300:1. Além da porta ADC, tínhamos 2 portas USB para conexão de periféricos.

Já o modelo de 17″ chegou no ano seguinte, em maio de 2001, justamente para substituir o Studio Display CRT. Ele tinha resolução de 1280×1024 pixels, brilho máximo de 250 nits e taxa de contraste de 350:1, além das mesmas portas em relação ao irmão menor. Seu preço de lançamento era de US$1 mil — na ocasião da sua chegada, o modelo de 15″ passou a custar US$600 —, mas a etiqueta foi reduzida para US$700 em janeiro de 2003.

Os dois irmãos não se despediram juntos: o modelo de 15″ saiu de cena em janeiro de 2003, enquanto o de 17″ perdurou até junho de 2004. Encerrada essa “primeira era” dos Studio Displays, a Apple deu prioridade aos Cinema Displays, que tinham tela widescreen — e o resto é história.

LCD, 27 polegadas (2022)

Agora, em 2022, o Studio Display está de volta — com um visual e características um tantinho diferentes do passado, naturalmente. O mais novo monitor da Apple segue a linguagem visual contemporânea da empresa, com construção em alumínio e vidro e um design que parece ser um misto do novo iMac com o Pro Display XDR.

Em termos técnicos, o novo Studio Display tem uma tela Retina 5K (LCD) de 27″, com resolução de 5120×2880 pixels (218 pixels por polegada), 600 nits de brilho e suporte a 1 bilhão de cores — esse artigo traz mais detalhes sobre o novo monitor.

Em termos de conectividade, o dispositivo tem uma porta Thunderbolt 3 (para conectar o computador, transmitir dados e 96W de energia) e três portas USB-C para conexão de periféricos. Temos ainda uma webcam ultra-angular de 12MP (com suporte ao recurso Palco Central), um sistema de seis alto-falantes, três microfones com qualidade de estúdio e um chip A13 Bionic próprio para lidar com tudo isso — sim, essencialmente o novo Studio Display tem o cérebro de um iPhone dentro dele.

Apple Studio Display

Seu preço está na parte superior da linhagem dos Studio Displays: a Apple pede US$1.600 (ou R$18 mil) iniciais pelo novo monitor, mas a etiqueta pode subir ainda mais caso você opte pelo pedestal com ajuste de altura e/ou pelo revestimento com vidro nano-texture, que tem um tratamento especial microscópico para diminuir a reflexividade da tela em ambientes com muita luz.

Incluídos todos os opcionais, o novo monitor sai por US$2.300 (ou R$26 mil), o que faz dele o Studio Display mais caro já vendido pela Apple, superando em US$300 o modelo inaugural de 1998. Isso numericamente, porque se levarmos em conta a inflação de 1998 para cá, os US$2.000 daquela época equivaleriam a quase US$3.500 hoje. 😱


E aí, curtiram a viagem no tempo? Deixem abaixo suas impressões e comentários!

Apple Studio Display

NOTA DE TRANSPARÊNCIA: O MacMagazine recebe uma pequena comissão de vendas concluídas por meio de links deste post, mas você, como consumidor, não paga nada mais pelos produtos comprando pelos nossos links de afiliado.

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
iMovie

Apple mostra novidades que chegarão em breve ao iMovie

Próximo Artigo
Firefox no iPhone

Firefox adota barra de pesquisa inferior como a do Safari no iOS

Posts Relacionados