O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Evolução do mini, Mac Studio “retoma” Macs intermediários

Mac Studio de frente

Conforme cobrimos ontem, a Apple lançou um novo produto para a sua linha de Macs, o chamado Mac Studio. Com especificações parrudas e uma nova variação da primeira geração do Apple Silicon (o M1 Ultra), o novo computador chega mudando em cheio a forma como a gente enxerga e organiza toda a linha de desktops da Maçã.

Publicidade

Vamos pensar no que tínhamos antes do evento de ontem: o Mac mini cumpria a função de ser o desktop de entrada, seguido quase na mesma linha pelo iMac (que é diferente de todas as outras linhas da Maçã, por ser um all-in-one). Fechando a lista, tínhamos o Mac Pro, o modelo mais poderoso e mais caro de qualquer outra linha de computadores já lançada pela empresa.

Linha completa de Macs com Apple Silicon

Com isso, existia um abismo gigante entre os dois computadores de entrada da Maçã e o mais poderoso, sem nenhum desktop para preencher a lacuna do que poderíamos chamar de um espaço intermediário — principalmente pelo fato de que a empresa decidiu descontinuar o iMac Pro (que antes exercia esse papel) — aparentemente, ele está nos planos da companhia para um futuro relançamento.

O Mac Studio, dessa forma, chega para cumprir essa função de desktop intermediário/avançado da Maçã. Mas quanto o novo Mac é diferente dos modelos já existentes? De qual ele mais se aproxima e com qual deles uma comparação chegaria a ser mais apropriada?

Mac Studio vs. iMac

Bem, vamos começar com o iMac, que é certamente o modelo mais distante para fins comparativos dada a sua proposta e diferença óbvia: enquanto o iMac é um tudo-em-um e já vem com seus componentes acoplados em uma tela, o Mac Studio é um computador tradicional, contando somente com aquilo que chamamos vulgarmente de “CPU”1.

iMac de 24 polegadas M1 na cor azul

Desta forma, obviamente, não faz muito sentido comparar aspectos mais visuais, como dimensões e design dos dois produtos, por exemplo, já que eles foram feitos com propósitos bem diferentes.

Publicidade

Quanto às configurações principais, vamos começar comparando os dois chips, ambos da mesma família de processadores da Apple. Enquanto o iMac conta com o chip M1, o Mac Studio virá com duas das mais poderosas variações do primeiro chip para computadores lançado pela Maçã: o M1 Max e o M1 Ultra.

O novo chip também permite um outro importante upgrade: capacidade de até 128GB de memória unificada (contra 16GB do iMac) e SSD2 com 8TB de armazenamento (versus os 2TB de possibilidade de expansão do iMac).

Quando o assunto é o preço, temos outra coisa na qual o Mac Studio se sai superior (no mau sentido). Enquanto o all-in-one da Apple tem preços que partem dos R$16.934, o mais novo desktop da Maçã não sairá por menos de R$23 mil (pelo menos se comprado no site oficial da Apple Brasil).

Mac Studio vs. Mac Pro

Aqui, as coisas vão ficando mais interessantes, já que temos dois computadores que seguem o mesmo padrão de construção (sem um monitor acoplado), embora também exista um fator que também dificulta uma comparação entre eles: o Mac Pro ainda não foi migrado para o Apple Silicon.

Mac Pro

A Apple, inclusive, deixou bem claro que seu computador mais parrudo continua mais vivo do que nunca logo depois de anunciar o Mac Studio, dizendo que só falta ele migrar para o chip proprietário da empresa. Isso porque o Mac Studio ficou consideravelmente mais poderoso que o Mac Pro, que teoricamente deveria ser a linha de computadores mais potente da Maçã.

Publicidade

Para termos uma ideia, o Mac Studio com M1 Ultra consegue um desempenho de CPU até 90% mais rápido do que o Mac Pro com processador Xeon de 16 núcleos, um desempenho até 60% mais rápido da CPU do Mac Pro de 28 núcleos, e até 5,6 vezes mais rápido que o Mac Pro de 28 núcleos ao transcodificar vídeos.

Mas podemos traçar boas comparações entre os dois em termos de design! Enquanto o Mac Studio é bem mais compacto e pode ser transportado para qualquer lugar (com facilidade, até), o Mac Pro tem o clássico estilo de computador de mesa que dificilmente será transportado por aí em situações cotidianas.

Além disso, ele é disponível em duas configurações: torre e rack. Enquanto na primeira o computador é disposto de forma vertical, na segunda ele fica numa posição horizontal, como se estivesse “deitado”. Ambos ultrapassam os 53 centímetros de tamanho, ocupando bem mais espaço que os 19,7cm de largura e profundidade do Mac Studio.

Mac Pro versão rack

Ironicamente, mesmo que esteja abaixo em desempenho, o Mac Pro ainda tem um preço absurdamente superior ao do recém-lançado Mac Studio. Enquanto o computador com chip Intel é vendido por (no mínimo) R$76.495, o Mac Studio poderá ser adquirido pelos já citados R$23.000.

Com isso, como a Apple não pretende matar o Mac Pro, é difícil até de mensurar o poder de fogo que o computador mais parrudo da Maçã terá quando ganhar um Apple Silicon.

Mac Studio vs. Mac mini

Chegamos à cereja do bolo do nosso comparativo: o computador que com certeza originou o projeto de design do novo Mac Studio: o Mac mini.

Apple Studio Display com o Mac mini

Logo de cara, é muito difícil não notar a semelhança entre eles, já que os dois têm o mesmo formato “quadrado”, de forma que o novo computador poderia ser considerado dois ou três Macs mini empilhados.

Da mesma largura que o Mac Studio, o Mac mini tem pouco menos da metade da altura do novo desktop da Maçã (3,6cm vs. 9,5cm). A versão do Studio com o M1 Max também pesa pouco mais que o dobro do mini (2,7kg vs. 1,2kg).

Mas as semelhanças entre eles parecem se limitar à parte visual, já que, em poder de fogo, o novo computador consegue dar um banho no menor desktop da Apple. A comparação aqui é deveras semelhante à que já foi feita com o iMac, já que o Mac mini, a exemplo do all-in-one, também conta com o chip M1 “original”.

Ele traz as limitações já citadas, como a possibilidade de configuração de memória de até 16GB e armazenamento de até 2TB, bem como a possibilidade de ser conectado a apenas dois monitores.

Com todo o poder e versatilidade do M1 Ultra, o Mac Studio conta com “suporte para até quatro monitores Pro Display XDR (resolução de 6K a 60Hz e mais de 1 bilhão de cores) via USB‑C e um monitor 4K (resolução de 4K a 60Hz e mais de 1 bilhão de cores) via HDMI”, segundo a Apple.

Traseira do Mac Studio com todas as suas portas

Quando falamos de áudio, mais uma boa novidade do Mac Studio em relação ao mini. Além da saída de 3,5mm para fones de ouvido e da porta HDMI compatível com saída de áudio multicanal presente nos dois modelos, no novo computador há também um alto-falante integrado e compatibilidade avançada com fones de ouvido de alta impedância.

Seguindo um caminho semelhante ao adotado nos mais recentes MacBooks Pro lançados, a Apple também aumentou a conectividade e abandonou o conceito mais clean do Mac mini ao colocar também portas na parte frontal do Mac Studio.

Além das tradicionais portas presentes no modelo menor, portanto, o novo computador conta com mais duas portas USB-C (ou Thunderbolt 4, no caso da versão com M1 Ultra) e slot para cartão de memória SDXC — ficando bem mais cômodo para quem não gosta de ter que ficar conectando cabos atrás do produto.

Por fim, falemos de preços, que (obviamente) também são bem diferentes. Computador mais barato vendido pela Apple (incluindo os Macs), o Mac mini custa R$8.370 em sua configuração mínima. Isso é quase 3x menos que o valor do novo computador (que já mencionamos algumas vezes acima).


De toda forma, o Mac Studio preenche um vazio que tínhamos até então no campo de intermediários — principalmente se a gente considerar que o iMac e os MacBooks têm propostas diferenciadas.

Certamente, o novo desktop da Maçã atenderá a um público que não se satisfaz com o Mac mini, mas ao mesmo tempo não chega a investir (tanto) dinheiro em um Mac Pro e acaba pegando algum computador portátil da empresa.

Dito isso, nos resta esperar pela evolução do Mac Pro e sua consequente transição para o Apple Silicon. Ao que tudo indica, ficará cada vez menos vantajoso (algum dia já foi?) adquirir o aparelho mais caro, se tem computador fazendo muito e por bem menos…

Mac Studio

NOTA DE TRANSPARÊNCIA: O MacMagazine recebe uma pequena comissão de vendas concluídas por meio de links deste post, mas você, como consumidor, não paga nada mais pelos produtos comprando pelos nossos links de afiliado.

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Apple Studio Display e Pro Display XDR

Quais as diferenças entre o Studio Display e o Pro Display XDR?

Próximo Artigo
M1 Ultra

Confira em detalhes as características do chip M1 Ultra

Posts Relacionados