O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

HomePods mini
Ugis Riba / Shutterstock.com

Review: o HomePod mini vale a pena para brasileiros?

Apesar de o HomePod mini já ter sido lançado há bem mais de um ano, a sua expansão internacional tem sido tão lenta quanto à disposição da Apple em adotar uma porta USB-C nos iPhones. Isso porque, até hoje, o alto-falante da Maçã está disponível somente em alguns poucos países — e, é claro, Brasil e Portugal longe de estarem entre deles.

Publicidade

Muitos se perguntam o porquê disso, mas é relativamente simples: a Siri do HomePod não conta com suporte ao idioma português — mesmo que ele esteja disponível em todos os outros dispositivos da Maçã.

Imagino que isso ocorra pois o HomePod é um aparelho que depende quase 100% da nossa interação por voz, então qualquer idioma a ser suportado nele deve estar realmente “redondinho” para que a Apple oficialize seu suporte. E, vamos combinar: se nem no inglês a Siri é lá essas coisas, que dirá em português…

Contudo, apesar de todos os sinais apontarem que essa é uma má ideia, este que vos escreve resolveu comprar um HomePod mini e trazê-lo para o Brasil [obrigado, Zip4Me!]. Então, sim, eu comprei um alto-falante compatível apenas com o ecossistema da Maçã, sem suporte oficial ao Spotify (meu player de preferência) e que não conta com o idioma português. 🤷🏻‍♂️

Publicidade

No entanto, até agora, o HomePod mini está disponível somente em 17 países, então se você quiser pôr as mãos em um, é melhor recorrer a alguma alternativa como a Zip4Me para comprar o seu (ou comprá-lo numa viagem para fora). Então, é exatamente isso que abordarei neste review: será que o alto-falantezinho da Maçã vale a pena para nós, falantes da língua portuguesa?

Setup e idioma

Na caixa do HomePod mini, você encontrará o alto-falante, um guia rápido de uso e um adaptador de tomada de 20W. Para ligar o aparelhinho, basta plugá-lo na tomada e aproximar seu iPhone, o qual reconhecerá instantaneamente a presença do alto-falante e lhe guiará pelo setup.

Entretanto, é aí que encontramos a primeira limitação para falantes da língua portuguesa. Como o HomePod não conta com suporte à Siri no nosso idioma, é necessário que você escolha algum dos outros disponíveis (no meu caso, inglês) para ser o idioma padrão da Siri no HomePod e em todos os seus outros aparelhos conectados ao iCloud. Um pé no saco, mas discorro mais sobre isso à frente.

Publicidade

No geral, o processo de configuração demora no máximo dois minutos. Depois disso, o HomePod estará disponível no seu iPhone, a partir do aplicativo Casa (Home), e já terá sido reconhecido por todos os outros dispositivos.

Design

Pulando para um aspecto mais pessoal, o HomePod mini possui um design bem similar ao de outros alto-falantes inteligentes. Ele é bem menor do que eu esperava (com apenas 8cm de altura) — só um pouco maior que uma laranja — e, em termos de acabamento, é todo revestido por um tecido entremeado em losangos.

Ele está disponível nas cores cinza espacial e branco (já disponíveis desde o lançamento), e amarelo, laranja e azul (lançadas no ano passado). No caso, escolhi a cor azul, que vale notar é bem mais saturada do que parece ser nas imagens do site. Atenção também aos detalhes por parte da Maçã, que combinou até a cor dos cabos trançados de energia com a cor do HomePod.

Na parte superior, encontramos uma área de plástico sensível ao toque, onde os botões de volume ficam sempre presentes. Ela é preta no modelo cinza espacial e branca nas demais cores. Nela, podemos utilizar aqueles clássicos controles de reprodução da Apple: um toque para reproduzir a música, dois toques para pular, três para retroceder e pressionar para chamar a Siri.

Publicidade

Quando a Siri é ativada, luzes coloridas acendem na área superior para indicar que ela está lhe ouvindo. Mas na cor branca elas não são tão perceptíveis, a menos que você esteja em um ambiente escuro.

Som e primeiras impressões

E como ela ouve, viu? Mesmo estando em outro ambiente com uma música alta tocando, é bem provável que ela ouça o seu comando.

Utilizando um alto-falante inteligente pela primeira vez, percebi que é uma baita praticidade simplesmente pedir à Siri pela música, banda, álbum, podcast, playlist ou até estilo que você deseja ouvir. O único problema disso é que você precisa ter uma assinatura do Apple Music — algo que até há pouco tempo eu não tinha, e aproveitei uma promoção de dois meses especialmente para este review.

Mas falando brevemente sobre qualidade de áudio, já aviso que não sou nenhum audiófilo ou expert das entrelinhas do que torna um alto-falante algo de qualidade. Mas digo sem nenhum medo que fiquei impressionado com a qualidade sonora do HomePod mini.

Em minhas primeiras impressões, achei o som surpreendente cheio, principalmente para o seu tamanho. O volume é muito mais alto do que eu esperava, principalmente se você passar dos 75% (algo que imagino que poucos farão com ele). E o melhor é que, não importa o quão alto você coloque o som, ele continua limpo e sem distorções. Atenção também aos graves, que impressionam no HomePod mini, visto seu tamanho.

Até na sua construção, dá pra ver que a Apple fez o possível para maximizar o alto-falante único do HomePod mini, direcionado-o para baixo e promovendo um áudio 360º. Isso garante qualidade sonora e volume consistentes onde quer que você esteja posicionado no ambiente — algo que o HomePod original só era capaz de fazer graças ao seu sistema de oito alto-falantes integrados.

No meu caso, eu não tive outros alto-falantes do mesmo tamanho para comparar, mas muitos outros reviews já cansaram de falar que o HomePod mini dá um banho em outros da mesma faixa de preço/tamanho quando se trata da qualidade de áudio. Só não espere um som no nível do HomePod maior.

Conectividade

É aqui que vale lembrar que o HomePod mini está longe de ser considerada uma caixinha de som Bluetooth convencional. Neste quesito, encontramos mais uma limitação, típica da Apple.

O HomePod mini (assim como seu irmão maior) se conecta apenas aos dispositivos da Maçã — ou seja, nada de usar um aparelho Android ou Windows com ele. Aliás, o HomePod nem sequer pode ser emparelhado com outros dispositivos Bluetooth, pois sua conexão é feita via Wi-Fi ou AirPlay. Ah, e sim, é preciso estar conectado ao Wi-Fi para reproduzir músicas.

E, por isso mesmo, é essencial que você conte com uma boa conexão com a internet, pois o streaming de músicas com o HomePod mini só funciona se a rede estiver em boas condições. Em momentos em que a rede Wi-Fi daqui de casa dava umas caídas, engasgos, pausas de mais de alguns segundos eram constantes — principalmente ao fazer o streaming via Spotify, mas discorro mais sobre isso à frente.

Siri e limitações

Já falamos disso incansavelmente, mas a Siri não é nem de longe a melhor das assistentes inteligentes. No entanto, suas capacidades (ou incapacidades) estão longe de serem o maior problema para os falantes da língua portuguesa, pois, como dito anteriormente, a falta de suporte ao idioma é a maior delas. Mas vamos por partes.

Sim, a Siri é capaz de atender a uma porção de pedidos como criar múltiplos timers, checar a previsão do tempo, lembretes, calendários e até perguntas de curiosidade geral. O problema é fazer esses pedidos em inglês, principalmente se você não estiver tão afiado na língua.

Isso porque, a partir do momento em que você escolher um idioma para a Siri do HomePod, todos os comandos que você falar deverão ser feitos na língua escolhida. E, como já disse, essa mudança surtirá efeito em todos os seus aparelhos, algo que complicou bastante a minha vida.

Explico: costumo pedir à Siri pelo menos umas cinco vezes ao dia para me lembrar de alguma tarefa. Mas pedir à assistente para me lembrar de “Responder ao email de um cliente” ou “Tirar a roupa do varal”, em inglês, não é nada intuitivo e pode ser até “vergonhoso” na frente dos outros. Então, nos últimos meses, precisei recalibrar os pedidos que faço à Siri, me restringindo apenas a pedidos curtos em inglês.

Se você quiser, pode voltar a configurar Siri do seu iPhone ao idioma português, mas isso desativará o reconhecimento de voz do HomePod.

E por falar nisso, nomes de músicas, artistas e bandas também deverão ser ditos em inglês. Então, a menos que você queira pedir pra Siri tocar “Zeca Pagodinho” com sotaque gringo, é bom ir se acostumando a fazer isso manualmente.

Spotify vs. Apple Music

E falando na reprodução de músicas, fazer o uso do HomePod mini com uma assinatura do Spotify e uma do Apple Music resulta em experiências totalmente distintas.

Começando, é claro, pelo fato de que o Spotify não conta com suporte nativo ao HomePod mini. E não é por culpa da Apple, pois ela já abriu a API para isso há quase dois anos. Sem essa integração nativa, não é possível pedir para a Siri tocar músicas no Spotify, somente via AirPlay — algo que não é tão conveniente quanto simplesmente abrir seu coração e pedir pra Siri tocar “Baby” (do Justin Bieber), não?

Caso isso não seja um problema para você, basta acessar a Central de Controle e selecionar o HomePod mini como alto-falante AirPlay e ouvir músicas do seu serviço de preferência. Aí que temos outro ponto negativo, pois, durante os meus testes, verifiquei que músicas reproduzidas pelo Spotify contavam com muito mais travamentos, pulos e pausas do que as do Apple Music.

Não sei se esse problema está relacionado ao AirPlay, à falta de integração do serviço ao alto-falante ou à minha rede Wi-Fi instável. Mas, nestes momentos, o HomePod pode demorar de 15 a 30 segundos para iniciar a reprodução de músicas (principalmente com o Spotify) — novamente apresentando travamentos, pulos e até interrupções.

Então, já aviso de antemão: se você for um usuário cativo do Spotify e deseja continuar sendo, pode dizer adeus à toda integração, facilidade de pedir músicas à Siri e reprodução sem interrupções. Por isso mesmo, nos últimos meses, basicamente desisti de usar o Spotify com o HomePod e venho utilizando o Apple Music como tocador padrão no alto-falante.

E, claro, para mais detalhes sobre a rixa Spotify vs. Apple Music, vale dar uma lida no nosso comparativo superdetalhado entre os dois.

E aí, vale a pena?

E aí chegamos ao “x” da questão: vale a pena comprar o HomePod mini morando no Brasil ou sendo um falante da língua portuguesa?

Bom, se você não tiver problema em falar comandos num outro idioma, nem se importar com os travamentos do Spotify e já estiver super-entrosado no ecossistema da Apple, sim, o HomePod é uma ótima pedida. Vendido por US$100 nos EUA, não só ele possui um preço competitivo, como conta com um som que supera as expectativas.

Ele não é uma boa pedida se você não for fluente na língua inglesa (ou alguma das outras disponíveis), não estiver totalmente dentro do ecossistema da Apple ou se deseja, acima de tudo, uma assistente virtual inteligente e proativa, como a Alexa ou o Google Assistente. Neste caso, você ficará melhor indo com alguma outra opção do mercado.

Para nós, brasileiros, comprar o HomePod mini significa importá-lo ou comprá-lo em uma viagem, então pode ser que o investimento não valha a pena para você. Mas se você fizer questão de ter um produto totalmente integrado ao seu ecossistema, não tem erro.

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Menina lendo em iPad

Os 5 artigos mais lidos no MacMagazine: de 13 a 20 de março

Próximo Artigo
Autenticando uma compra na Apple TV pelo Apple Watch

watchOS 8.5 permite autenticar compras na Apple TV; veja como

Posts Relacionados