O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

EarPods e carregador do iPhone
Somphop Krittayaworagul / Shutterstock.com

Cliente não receberá indenização por iPhone sem carregador

Mais uma consumidora processou a Apple Brasil — e, desta vez, a Lojas Americanas também — por comprar um iPhone e não receber o carregador nem os fones de ouvido (EarPods). Contudo, diferentemente de outros casos bem-sucedidos, a justiça indeferiu o pedido de pagamento de danos morais exigido pela cliente, como divulgado pelo Migalhas.

Publicidade

A consumidora, cujo nome não foi divulgado, alegou “prática abusiva” ao adquirir um iPhone 11 de 128GB e não receber o carregador e os fones de ouvido — uma medida adotada pela Apple para todos os modelos de iPhones disponíveis a partir de outubro de 2020.

No entanto, de acordo com a decisão [PDF] da juíza Jaqueline Allieve, do 3º JEC de Cascavel (PR=, as informações sobre o que vem com o iPhone estão na caixa do produto e a consumidora tinha ciência de que os acessórios não acompanhavam o dispositivo — ainda assim, ela decidiu adquiri-lo em meio a várias outras opções no mercado.

Com todo o respeito, não prospera a pretensão da autora de ver as rés condenadas a entregarem o carregador e o fone de ouvido. Este último é um mero acessório dispensável, que apenas viabiliza ao usuário do aparelho uma forma alternativa de ouvir e falar ao aparelho.

Quanto ao carregador, não é crível a tese de que a consumidora não tinha ciência de que ele não acompanhava o iPhone.

A fabricante anunciou ostensivamente em seu site e houve divulgação nas mídias especializadas acerca dessa novidade. Conforme comprovou a defesa, a embalagem do produto é clara que contém o aparelho iPhone, 1 cabo de USB-C para Lightning e documentação. Da análise dos elementos probatórios, portanto, constata-se que a reclamada cumpriu o dever de informação (artigo 6º, III do CDC).

Assim, a aquisição de modelo de celular que não acompanha carregador e fone de ouvido foi opção da autora. Existem no mercado inúmeros aparelhos que vêm acompanhados desses itens, inclusive outros modelos de iPhones, o que rechaça a tese de venda casada indireta. À consumidora, não lhe agradando essa nova política, bastava não comprar o produto da marca.

Diante disso, a magistrada não vislumbrou ato ilícito por parte das fornecedoras, que “agiram no exercício do seu direito à livre iniciativa, mas respeitando as balizas do direito do consumidor através do cumprimento do dever de informação, comprovadamente prestado”.

Publicidade

Logo, não foram acolhidas as pretensões obrigacional e indenizatória — no último caso, por ausência dos elementos dos artigos 186 e 927 do Código Civil — demandada pela consumidora.

iPhone 11

NOTA DE TRANSPARÊNCIA: O MacMagazine recebe uma pequena comissão de vendas concluídas por meio de links deste post, mas você, como consumidor, não paga nada mais pelos produtos comprando pelos nossos links de afiliado.

dica do Johnata Goulart

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Ícone do Google Chrome

Update emergencial do Chrome corrige falha grave de segurança

Próximo Artigo
WhatsApp

WhatsApp testa envio de arquivos de até 2GB

Posts Relacionados