O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Apple Trade In

Apple lucraria (e muito) com serviço de assinatura de iPhones

Ao que tudo indica, a Apple poderá lançar em breve um novo serviço de assinatura de aparelhos, como iPhones, iPads e outros dispositivos, o qual permitirá que consumidores assinem um plano mensal para receber um aparelho e trocá-lo periodicamente. Naturalmente, um serviço assim trará um faturamento recorrente extraordinário para a Maçã — algo que foi detalhado pelo jornalista Mark Gurman, da Bloomberg, em seu boletim informativo “Power On” mais recente.

Publicidade

Gurman, que trouxe em primeira mão as informações sobre essa possível novidade, disse que um novo plano de assinatura de iPhones mudaria duas coisas: permitiria à Apple “recuperar” o dispositivo de forma mais confiável e reduziria o ciclo médio de atualização dos aparelhos, atualmente em cerca de três anos, para dois ou até mesmo um ano — ao mesmo tempo em que daria à Maçã um fluxo financeiro ainda maior vindo dos usuários do smartphone.

Para a sua demonstração, o repórter tomou como exemplo os iPhones 13, 13 Pro e 13 Pro Max — que custam US$800, US$1.000 e US$1.100, respectivamente. No exercício de Gurman, a assinatura mensal desses aparelhos poderia chegar a US$35, US$45 e US$50 (de novo, são apenas hipóteses).

Ao longo de um período de três anos (prazo que a maioria dos consumidores geralmente leva para trocar de iPhone), a Apple poderia faturar, portanto, US$1.260 com o iPhone 13, US$1.620 com o 13 Pro e US$1.800 com o 13 Pro Max. Com isso, a empresa poderia aumentar o valor médio de faturamento por consumidor de US$825 para mais de US$1.000.

Publicidade

A conta, claro, é bastante simplificada — a começar pelo fato de que, numa assinatura dessas, o principal benefício para o consumidor seria a troca periódica (de ano em ano ou de dois em dois anos, por exemplo) do iPhone.

Por outro lado, como costuma funcionar nesses contratos, o cliente deve devolver o aparelho antigo à empresa em condições “normais”, isto é, sem defeitos ou danos estéticos graves. A Apple, portanto, teria o fluxo de dinheiro dos assinantes do plano e ainda poderia colocar os iPhones devolvidos no mercado de usados/recondicionados (ou, em último caso, aproveitar as suas peças).

Mesmo com uma assinatura mensal mais barata, a Apple ainda teria a vantagem de faturar com a venda do fluxo constante de dispositivos mais antigos. Supondo que os usuários do programa permaneçam por uma década ou mais, a Apple faturaria, nesse cenário de US$35/mês, mais de US$4 mil em receita por cliente.

Publicidade

Gurman também lembra que o lucro por consumidor aumentará ainda mais se o programa estiver vinculado aos pacotes de serviços digitais da empresa, como o Apple One e o AppleCare+.

Embora a Apple seja capaz de gerar significativamente mais dinheiro por consumidor, os clientes também se beneficiam por não ter que desembolsar o valor inteiro por um novo iPhone — além de poder fazer o upgrade todo ano para o modelo mais recente, em vez de a cada três anos.

Naturalmente, um serviço assim tem seus prós e contras — o que não muda é o fato de a Apple lucrar ainda mais em qualquer cenário, é claro.

iPhones 13 Pro e 13 Pro Max iPhones 13 e 13 mini

NOTA DE TRANSPARÊNCIA: O MacMagazine recebe uma pequena comissão de vendas concluídas por meio de links deste post, mas você, como consumidor, não paga nada mais pelos produtos comprando pelos nossos links de afiliado.

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
WhatsApp

WhatsApp testa novo limite no encaminhamento de mensagens

Próximo Artigo
Ricardo Chavira

Ricardo Chavira estará na 3ª temporada de "Truth Be Told", do Apple TV+

Posts Relacionados