O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

askarim / Shutterstock.com
Logo da Apple em prédio de escritórios em Cupertino

Criadoras do #AppleToo trocam acusações de assédio e traição

Uma delas chegou a obter uma ordem de restrição contra a outra

Ao longo do último ano, muitos de vocês devem ter notado várias notícias sobre o #AppleToo aqui no MacMagazine — um movimento fundado a partir de acusações de sexismo, assédio, abusos trabalhistas e outras transgressões denunciadas por empregados da Maçã.

Publicidade

O movimento, posteriormente renomeado para Apple Together, gerou algumas demissões deveras polêmicas, mobilizou a força de trabalho da empresa e expôs segredos desconfortáveis de uma cultura corporativa até então conhecida pela sua obsessão por segredos. Pelo visto, entretanto, duas das criadoras do grupo parecem não estar mais tão unidas assim — aliás, literalmente o contrário.

Uma reportagem recente do New York Post trouxe à tona a troca de acusações graves entre Cher Scarlett e Ashley Gjøvik, duas das principais figuras do movimento. Scarlett, para quem não está associando o nome à pessoa, foi uma das primeiras a falar sobre os problemas internos da empresa com a alegada censura da Apple sobre pesquisas salariais internas; Gjøvik, por sua vez, ganhou notoriedade após expor casos de sexismo na Maçã.

De acordo com a matéria, entretanto, as duas ex-funcionárias começaram a discordar entre si logo após a fundação do #AppleToo. Segundo as fontes ouvidas, alguns membros do movimento, liderados por Scarlett, passaram a ter a impressão de que as atitudes de Gjøvik tinham como objetivo fortalecer sua própria disputa judicial contra a Apple, em vez de contribuir para a “luta coletiva”.

Publicidade

Gjøvik, com as acusações, deixou o movimento e foi demitida pela Apple pouco tempo depois, sob a acusação de ter vazado documentos confidenciais a um repórter. A engenheira afirmou (e segue afirmando) que a acusação é falsa, mas Scarlett contrariou a ex-colega e disse, num fórum de discussão privado do grupo, que Gjøvik de fato vazou os documentos.

Gjøvik foi ao Twitter, então, para acusar Scarlett de estar secretamente trabalhando com a Apple para descredibilizar suas acusações e “fortalecer a campanha [da empresa] de assédio, ameaças e horror”. Em novembro último, Scarlett também deixou a Apple, e Gjøvik afirmou que a ex-colega estaria “com inveja” da atenção dada ao seu caso em detrimento do dela.

O que se seguiu foi uma batalha judicial envolvendo as duas mulheres: Scarlett moveu uma ação acusando a ex-colega de perseguição e assédio, motivos pelos quais obteve uma ordem de restrição impedindo Gjøvik de falar publicamente ou chegar a menos de 300m dela. Segundo Scarlett, Gjøvik tem apenas um objetivo: a “destruir publicamente”.

Publicidade

Scarlett afirmou, ainda, que o imbróglio causou uma recaída no seu vício em remédios controlados, e chegou a sofrer uma overdose de fentanil — ao tomar uma pílula por engano, segundo ela — que causou uma parada cardíaca.

Gjøvik, por sua vez, recorreu da decisão e afirmou que é Scarlett quem tenta “prejudicar, abusar, difamar, intimidar e coagir” sua imagem — o pedido da ordem de restrição, segundo a engenheira, seria apenas mais um exemplo desse histórico de abuso. Gjøvik será ouvida numa corte de Washington em agosto próximo para avançar o caso.

A Apple, vale notar, não comentou o imbróglio judicial entre suas duas ex-funcionárias. A empresa, por outro lado, continua sendo investigada pelos órgãos responsáveis dos Estados Unidos por conta das acusações que vieram à tona após a difusão do #AppleToo.

Publicidade

Que história, hein?

via AppleInsider

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Ícone da App Store

Apple testa novo alerta sobre aumento no valor de assinaturas

Próximo Artigo
Sistema TrueDepth

Sistema TrueDepth sob a tela vira uma nova patente da Apple

Posts Relacionados