O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

AirTag
Foto de Đức Trịnh no Unsplash

Perseguições já são 1/3 das denúncias relacionadas aos AirTags

O rastreador é pensado como uma forma simples de encontrar objetos perdidos ou furtados — mas, na prática, parte dos seus usos é muito mais perturbadora

Desde que o AirTag foi lançado, há cerca de um ano, levantou-se uma grande discussão acerca do potencial nocivo do rastreador da Apple: por seu tamanho diminuto e sua bateria de longa duração, o dispositivo poderia se tornar um instrumento para perseguições e abusos, expondo pessoas vulneráveis a riscos ainda maiores.

Publicidade

Não deu outra: ao longo dos últimos meses, vimos vários casos de AirTags sendo usados para esses fins, enquanto a Apple deu início a uma corrida contra o tempo para introduzir recursos que coibissem (ou ao menos tentassem coibir) esse tipo de prática. Embora os recursos sejam realmente úteis, o fato é que, segundo uma reportagem recente da VICE, os rastreadores da Maçã continuam sendo utilizados para perseguir e assediar pessoas — especialmente mulheres.

A matéria obteve acesso a 150 relatórios policiais dos Estados Unidos com menções aos AirTags. De todos eles, menos da metade envolve situações de roubo ou furto — isto é, itens como bolsas ou bicicletas roubadas e rastreadas/recuperadas com ajuda dos rastreadores.

Em 50 dos relatórios (ou seja , ⅓ do total), o motivo do registro foi outro: pessoas que foram notificadas, no iPhone ou Android, sobre a presença de AirTags desconhecidos seguindo suas localizações — isto é, justamente casos de perseguição e stalking. Dos 50 casos, 49 foram registrados por mulheres; apenas um foi relatado por um homem que suspeitava que sua ex-namorada o estava perseguindo.

Publicidade

Desses 50 casos, boa parte deles envolve ex-namorados ou ex-maridos que não aceitam o fim do relacionamento, e quase todos incluem também ameaças à integridade física ou psicológica das mulheres. Dos relatórios analisados, 25 vítimas conseguiram identificar um homem que possa ter colocado o rastreador em alguns de seus bens, como um veículo ou uma bolsa.

A matéria da VICE inclui informações básicas — sem identificação, obviamente — sobre alguns dos casos registrados. Em um deles, a vítima percebeu um objeto apitando constantemente toda vez que saía de casa e encontrou o AirTag escondido no seu carro; ao confrontar o ex-namorado, ele admitiu ter plantado o rastreador para descobrir se ela estava o “traindo”.

Outra vítima notou seu ex-namorado começar a aparecer em vários lugares em que ela estava, o que levou a descobrir o AirTag colocado em seus pertences. Uma terceira também descobriu o rastreador no seu carro depois que seu perseguidor prometeu “transformar sua vida num inferno”.

Publicidade

Eva Galperin, diretora de cibersegurança da Electronic Frontier Foundation, foi ouvida pela reportagem e criticou severamente a Apple pela forma como o AirTag foi lançado:

Essa foi uma forma completamente ridícula de lançar um novo dispositivo, sem sequer levar em conta suas possibilidades de uso num cenário de violência doméstica. Especificamente, [me refiro ao] ponto cego que a Apple gerou para pessoas que vivem fora do seu ecossistema.

O “ponto cego” citado por Galperin refere-se à funcionalidade de um smartphone detectar um AirTag desconhecido movendo-se junto com você. No caso dos iPhones, esse recurso é embutido no próprio sistema, mas para todos os bilhões de usuários de smartphones Android ao redor do mundo, é necessário se lembrar de baixar um aplicativo e mantê-lo ativo a todos os momentos para identificar possíveis rastreadores lhe seguindo — algo impraticável para a maioria dos usuários.

O Google, vale notar, anunciou na semana passada estar trabalhando num recurso nativo para o Android que ajudará a identificar AirTags (e rastreadores de outras marcas) desconhecidos, mas a funcionalidade ainda está em fases iniciais de desenvolvimento e não há previsão de lançamento para ela.

Publicidade

Fica a torcida, portanto, para que novos recursos sejam criados para proteger possíveis vítimas das perseguições — afinal de contas, por mais que a Apple não tenha criado o problema (rastreadores como o AirTag já existiam há bastante tempo), a empresa, por conta do seu tamanho e da sua influência inigualáveis, tem uma responsabilidade a mais na solução dele.

AirTag

NOTA DE TRANSPARÊNCIA: O MacMagazine recebe uma pequena comissão de vendas concluídas por meio de links deste post, mas você, como consumidor, não paga nada mais pelos produtos comprando pelos nossos links de afiliado.

via 9to5Mac

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
"Ruptura" ("Severance"), série do Apple TV+

Apple TV+ renova "Ruptura" para a 2ª temporada

Próximo Artigo
Uber

Motoristas da Uber já podem ver valores e endereços de viagens

Posts Relacionados