O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Jony Ive e Tim Cook na área de hands-on com o iPhone Xr

Livro detalhará últimos anos de Jony Ive na Apple e tensões com Tim Cook

Tirando Steve Jobs, ninguém representava melhor a “alma” da Apple do que Sir Jonathan Ive, o lendário designer que comandou a criação do visual icônico de produtos como o iPhone, os iPods e os MacBooks. Por isso, o anúncio da sua saída da Maçã, em 2019, caiu como uma bomba nunca muito bem explicada — até agora.

Publicidade

O jornalista de tecnologia Tripp Mickle lançará esta semana o livro “After Steve: How Apple Became a Trillion-Dollar Company and Lost Its Soul” — ou, em tradução literal, “Depois de Steve: Como a Apple se Tornou Uma Empresa de Um Trilhão de Dólares e Perdeu Sua Alma”. O título é… autoexplicativo, e o livro, baseado em entrevistas com mais de 200 pessoas próximas do assunto, traz um grande foco nos últimos anos de Ive em Cupertino e sua crescente frustração com a mudança da cultura corporativa da empresa, que acabou levando à sua saída.

No New York Times, Mickle adaptou recentemente um trecho do seu vindouro livro que joga luz sobre os conflitos (internos e externos) vividos por Ive em seus anos finais na Maçã. O foco principal aqui é o Apple Watch, primeiro “grande” produto lançado pela empresa após a morte de Jobs, e cuja visão inicial — focada no universo fashion dos acessórios de luxo — nasceu basicamente do designer.

Segundo o livro, para o lançamento do relógio, Ive queria erguer uma opulenta cabana branca na área externa de um auditório próximo à sede da empresa, em Cupertino. O empreendimento temporário envolveria a remoção de duas dúzias de árvores e custaria algo em torno de US$25 milhões, mas era, segundo o designer, indispensável — na visão dele, uma reportagem elogiosa da Vogue sobre o Apple Watch seria muito mais importante do que qualquer review positivo do universo tecnológico, e entrar no mundo fashion tinha seu custo.

Publicidade

Para não perder o apoio de Ive, que considerava um dos nomes mais importantes na Apple, Cook deu sinal verde para a cabana branca milionária. O designer, entretanto, considerou a conquista uma vitória pírrica: as reações dentro da Maçã sobre sua ideia foram tão controversas que, pela primeira vez na sua história em Cupertino, ele se sentiu desamparado. Ali, tudo começava a mudar.

O trecho segue descrevendo como os anos seguintes, sob o comando de Cook, foram mudando a cultura da Apple e deixando Ive progressivamente insatisfeito. O Apple Watch, embora bem recebido, não vendeu tanto quanto a empresa esperava, e seu foco foi progressivamente alterado — de um item de luxo com uma absurda versão de ouro, tornou-se um acessório fitness, mais acessível e focado na saúde e bem-estar do usuário. A visão original de Ive não estava mais ali.

O designer também não aprovava, segundo o livro, a gestão centralizadora de Cook, mais focada em Serviços e em resultados financeiros do que nas aspirações revolucionárias de Jobs. Além disso, o designer passou a administrar uma equipe com centenas de profissionais, em vez do pequeno grupo de cerca de 20 pessoas a que era acostumado na era Jobs.

Publicidade

Ive começou a planejar sua demissão, mas Cook resistiu: a saída de um dos maiores ícones da Apple poderia ser um desastre para as ações da empresa. Assim, ambos chegaram a um acordo no qual o designer, promovido ao título de Executivo-Chefe de Design, trabalharia em meio-período, focado basicamente em novos produtos, e deixaria as operações do dia a dia para dois dos seus braços-direitos da empresa, Alan Dye (hoje vice-presidente de design de interfaces humanas) e Richard Howarth.

As consequências dessa reorganização foram um maior distanciamento de Ive do dia a dia da empresa: ele passou a trabalhar de forma majoritariamente remota, às vezes passando semanas sem comparecer aos escritórios e deixando de participar das decisões finais da rotina dos designers. Enquanto isso, Cook continuava reorganizando a Apple, e uma mudança em particular — a saída de Mickey Drexler, considerado um visionário, e a chegada de James Bell, visto por Ive como um burocrata, ao conselho da empresa — deixou o designer furioso.

O ponto de ruptura foi uma exibição particular do filme “Yesterday” organizada por Ive em 2019 para os designers da empresa. Após a projeção, ele — visivelmente comovido e inspirado — afirmou aos colegas: “A arte precisa de espaço e apoio apropriados para crescer. Quando você é muito grande, isso é especialmente importante.” Uma semana depois, Ive reuniu seus colegas num pátio do Apple Park e anunciou que, com a finalização do seu projeto mais importante — o campus em si —, estava deixando a empresa.

Publicidade

O resto é história: a Apple tornou-se a primeira empresa “bi-trilionária” do planeta, o foco em Serviços apenas cresce e a influência de Ive, embora ainda vista com clareza na linguagem da empresa, vai progressivamente sendo substituída — para o bem e para o mal, claro.

“After Steve: How Apple Became a Trillion-Dollar Company and Lost Its Soul” será lançado nesta terça-feira (3/5) nos Estados Unidos e já está em pré-venda na Amazon. Parece uma leitura interessante, não?

NOTA DE TRANSPARÊNCIA: O MacMagazine recebe uma pequena comissão de vendas concluídas por meio de links deste post, mas você, como consumidor, não paga nada mais pelos produtos comprando pelos nossos links de afiliado.

via MacRumors

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
iPhone 12 Pro [Max] com 5G indicado em close

Em 2023, 80% dos iPhones terão modems próprios da Apple — estima WSJ

Próximo Artigo
Status na lista de chats do WhatsApp

WhatsApp terá Status na lista de chats e enquetes no desktop

Posts Relacionados