O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Headset
Shutterstock.com

Reportagem detalha dificuldades na equipe do headset da Apple

Obstáculos técnicos e até mesmo falta de interesse dentro da própria Apple estão entre os problemas enfrentados pelo time

O headset de realidade aumentada/virtual da Apple tem tudo para ser a próxima incursão da empresa em território (ao menos parcialmente) desconhecido, mas seu desenvolvimento é uma história de altos e baixos que já se arrasta há muitos anos — e que nós acompanhamos basicamente por rumores, alguns deles desencontrados, e histórias de bastidores.

Publicidade

Pois hoje, uma reportagem de Wayne Ma para o The Information chegou para traçar um histórico completo do dispositivo — explicando, assim, as razões para ele ter tomado a forma que atualmente parece ter e as dificuldades enfrentadas pela equipe responsável.

Segundo a matéria, o desenvolvimento do headset começou em 2015 e, apenas um ano depois, a equipe do dispositivo já tinha uma série de protótipos para apresentar aos principais executivos da empresa. Entre os “testadores”, estavam vários membros do conselho da Apple, como o ex-vice-presidente Al Gore e o então CEO1 da Disney Bob Iger, mas os protótipos ainda eram bastante iniciais: alguns deles eram versões modificadas do HTC Vive, enquanto outros rodavam Windows.

As demonstrações impressionaram: em um exemplo apresentado, um pequeno rinoceronte aparecia na mesa em frente do usuário, podendo ser expandido para o “tamanho real”. Por outro lado, os protótipos físicos em si ainda estavam longe do ideal — um dos dispositivos era tão pesado que precisava de um “pequeno guindaste” para ser erguido, acabando com o pescoço e a coluna dos testadores.

Publicidade

Ficou claro, portanto, que o desenvolvimento teria de continuar nos próximos anos — e Mike Rockwell, ex-executivo da Adobe, passou a liderar a iniciativa. A equipe do headset, entretanto, logo encontrou um problema grave: um interesse pouco entusiasmado por parte de Tim Cook e de várias outras equipes da Apple.

Uma história específica ajuda a ilustrar essa falta de interesse: no início de 2018, a equipe pediu ao time de hardware de câmera da Apple que construísse um recurso de firmware para melhorar a velocidade de captura e exibição de imagens das câmeras do dispositivo — tudo isso para apresentar um novo protótipo do headset aos principais executivos da empresa. A equipe de câmera, entretanto, disse que o “projeto não era uma prioridade” e o time teria de esperar até depois do lançamento do iPhone XS, no último trimestre do ano.

Jony Ive, embora não diretamente envolvido no projeto, teve bastante influência no seu desenvolvimento: foi o designer quem sugeriu que o headset não poderia ser dedicado apenas a realidade virtual, pois “ninguém iria querer usar um dispositivo desses” por muito tempo. A influência de Ive levou a equipe a repensar o headset como um aparelho de realidade mista (virtual/aumentada), mais discreto e possível de ser utilizado por longos períodos.

Publicidade

Rockwell e sua equipe também consideraram utilizar baterias substituíveis no dispositivo, para que ele pudesse ser utilizado por todo o dia. A ideia, entretanto, foi descartada pela complexidade técnica e pouca acessibilidade — em vez disso, ficou acertado que o headset teria uma bateria interna e poderia durar “algumas horas”, sem capacidade para um dia todo, entretanto.

O fato é que, agora, parece que as coisas estão nos trilhos: de acordo com os últimos rumores, é provável que o headset da Apple entre em cena já no ano que vem — resta saber, entretanto, detalhes importantes como seu preço e seus recursos. Quais são as vossas expectativas?

via MacRumors

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Envoy Pro mini da OWC

OWC lança SSD Envoy Pro mini no formato de pendrive

Próximo Artigo
Apple Park visto do alto ao pôr do sol

Apple adia expansão do retorno aos escritórios após alta de COVID-19 [atualizado]

Posts Relacionados