O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

iPad mini de sexta geração com Apple Pencil de segunda geração
Foto de James Yarema no Unsplash

Review: iPad mini de 6ª geração como opção para o trabalho

Depois de um bom tempo sem modificações, a Apple lançou, em setembro de 2021, uma nova geração do iPad mini.

Publicidade

Totalmente renovado, o aparelho veio com o chip A15 Bionic, uma porta USB-C, compatibilidade com o Apple Pencil de segunda geração e um design inspirado no dos iPads Pro e Air, mais quadrado nas laterais.

O produto agradou a mídia e recebeu vários reviews positivos como um aparelho potente e prático. Mas será que as melhorias o tornaram uma opção profissional? Motivado por essa pergunta, resolvi testar o gadget para ter minhas próprias impressões, as quais compartilho com vocês neste post.

Antes de mais nada, sim, eu sei que o iPad mini não foi criado com o objetivo de substituir o computador de trabalho ou mesmo o iPad Pro, mas achei interessante explorar essa possibilidade, uma vez que ele passou por grandes melhorias e eu já tinha tido uma experiência com o mini em termos de ferramenta de trabalho, como relato a seguir.

Minha história com iPad mini

Quando a Apple lançou o primeiro iPad mini, em 2012, minha primeira impressão foi que havia sido um lançamento inútil. Mas, como muitas vezes acontece, após ter contato com o produto, eu gostei bastante dele e resolvi comprar um.

Publicidade

Nessa época, eu atuava como professor de ensino superior e comecei a usá-lo para dar aulas. Era prático, leve e fácil de manusear. Eu utilizava o meu iPhone como controle remoto para mudar os slides e as aulas fluíam muito bem. Outros professores que usavam o notebook até comentavam que se sentiam como dinossauros quando me viam dando aulas como o iPad.

iPad mini preto segurado por uma mão

Resolvi investir para trabalhar mais nele. Fui atualizando-o nas duas gerações seguintes, comprei um HDD Wi-Fi (já que nessa época ele não tinha portas USB), um teclado e comecei a preparar as aulas nele. Mas a pouca capacidade de armazenamento, a necessidade de carregar itens separados e a ausência de mouse ou trackpad me fizeram voltar ao Mac.

Publicidade

Quando eu precisava carregar todos os itens, a impressão se inverteu: às vezes, eu me sentia um dinossauro por carregar itens separados que já estavam acoplados em um bom notebook. Só em 2018 eu voltei a usar o iPad, com a chegada do Pro. Com o lançamento do novo iPad mini, resolvi testá-lo durante 15 dias e devolvê-lo em caso de não me adaptar (até porque eles são muito caros no Brasil). Testei um iPad mini de 128GB, com conectividade Wi-Fi.

Primeiras impressões e consumo de conteúdo

Antes de tudo, uma palavra de gratidão ao ecossistema da Apple. Sim, todos nós já sabemos disso e comentamos constantemente, mas vale falar novamente. Quando o iPad mini chegou, eu fiz meu login com o meu ID Apple e, pouco tempo depois, tudo estava lá, inclusive meu histórico de acessos ao Safari, senhas, etc. Uma experiência realmente agradável.

O iPad é realmente charmoso, pequeno, leve, com as bordas retas e prático para o uso. Eu escolhi a cor roxa para ver uma bem diferente do meu iPad Pro e ela é realmente muito bonita.

Publicidade

Em poucos minutos de uso, você já se sente envolvido pelo device. Ele é rápido e a experiência de consumo de conteúdo fica mais rica do que em um iPhone (no meu caso um Pro, que é menor). Mas, uma coisa fica evidente logo no começo: o Face ID faz falta. Ter que colocar sempre o dedo no botão, mesmo sendo Touch ID, começa a ficar chato. No iPad Pro, o Face ID deixa tudo isso muito mais simples de tal forma que a função passa quase desapercebida.

Leitura de livros no Kindle, acesso a diferentes páginas, vídeos no YouTube e os streamings mais famosos funcionam muito bem. Especialmente para leitura, ele é muito confortável, sendo mais adaptável para o uso com uma mão só. Para vídeos, o áudio dele é melhor do que eu imaginava — as caixinhas de som fazem um bom trabalho, apesar de pequenas.

A bateria deu um show! Após nove horas de utilização contínua em diferentes recursos e com tela em brilho alto, ela ainda estava com 25% de vida. Aparentemente, um desempenho muito próximo ao do iPad de 11 polegadas.

Começando a trabalhar

Para trabalhar, a experiência já não foi tão boa assim. Baixei os apps que utilizo no trabalho, especialmente os chats (como o Microsoft Teams e o Spark).

Para digitar e responder mensagens ele vai bem, até porque permite um uso rápido para digitação com os dois polegares. Mas quando você precisa digitar um texto maior, fica complicado. O Magic Keyboard faz um trabalho realmente espetacular no iPad Pro, especialmente por ter o trackpad integrado.

A ausência de um teclado semelhante no mini torna a tarefa de trabalhar com ele de maneira autônoma quase impossível. A tela pequena também incomoda, mas seria compensada por uma forma mais inteligente de digitar; talvez uma capa com teclado nativa poderia diminuir esse impacto, mesmo que ficando pequena. Além disso, a lógica de trabalhar com ele na mão dá a impressão de estar usando um iPhone grandão.

Como um caderno de anotações, utilizando o Apple Pencil de segunda geração, o mini funciona melhor do que o Pro. Fácil de escrever, desenhar, rabiscar e leve para anotar em pé, por exemplo, ou em uma reunião. Para videochamadas, ele também não decepciona (desde que esteja em um bom suporte). O sistema Palco Central (Center Stage) funciona muito bem, assim como o Isolamento de Voz (Voice Isolation).

Um detalhe interessante: ao utilizar alguns recursos, como Google Drive, ele abriu no mesmo formato do iPhone e não como no iPad Pro, mesmo utilizando o iPadOS 15. Aconteceu também com o site do Mercado Livre, que exigiu o app para algumas funções — o que não acontece no Pro. Não consegui encontrar uma explicação para esse comportamento.

No escritório

Levando para o escritório, conectado a um monitor, teclado e trackpad, o aparelho vai superbem. Obviamente, a diferença entre o A15 e o M1 fica evidente em alguns apps. A velocidade de processamento e tempo de resposta se alteram bastante, especialmente em edição de vídeos e alguns apps mais pesados. Mas para o básico do dia a dia, como emails, textos, planilhas pequenas, etc., você até esquece que está em um iPad.

Claro que a insistência da Apple em não levar ao iPad a função de estender o monitor é horrível, ele poderia ser muito melhor se pudesse trabalhar com dois monitores. Já passou da hora de resolver esse problema se a empresa quer mesmo que os iPads sejam alternativas para computadores.

Conclusão

Como eu disse no começo, sabemos que a Apple não fez o mini com foco no mercado profissional, espaço esse ocupado pela linha Pro. Após duas semanas de uso do iPad mini, na minha opinião, o iPad Pro de 11″ ainda continua sendo a melhor opção para quem quer utilizar o tablet como computador no trabalho, especialmente pela sua autonomia.

Se você só trabalha em lugares fixos, com monitor, teclado e trackpad/mouse disponíveis, e não utiliza apps muito pesados, talvez o iPad mini seja uma opção. Leve para levar ao trabalho e prático para utilizar em viagens sem grandes compromissos. Mas para trabalhar somente nele, toda essa praticidade se inverte, pois exige levar acessórios para todos os lugares, sem contar que a tela acaba cansando a vista por ser muito pequena.

Se o seu único objetivo é consumo de conteúdo, o iPad mini cumpre muito bem essa tarefa. Leituras e vídeos fluem bem, e com maior conforto do que os modelos maiores. Mas nesse caso ele se tornaria um concorrente do iPhone — especialmente se você tem um modelo Max, a diferença de tela não é tão grande assim (6,7″ para 8″), com o detalhe de que o mini não possui uma câmera tão boa.

Uma boa combinação poderia ser um iPhone Pro (sem ser o Max) e um iPad mini, com seus usos específicos. No fim, o mix da Apple está cada vez mais adequado para diferentes nichos e adaptando-se às necessidades de diferentes grupos.

E você, já usou um iPad mini para trabalhar? Conta aí a sua experiência nos comentários!

iPad mini (6ª geração) Apple Pencil (2ª geração)

NOTA DE TRANSPARÊNCIA: O MacMagazine recebe uma pequena comissão de vendas concluídas por meio de links deste post, mas você, como consumidor, não paga nada mais pelos produtos comprando pelos nossos links de afiliado.

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior

Um passeio por todos os chips que a Apple criou

Próximo Artigo
Conceitos para Tela Sempre Ativa dos "iPhones 13"

"iPhone 14 Pro" terá Tela Sempre Ativa, diz Gurman; confira outras novidades do iOS 16

Posts Relacionados